BANCO DE TECIDOS OCULARES HUMANOS: FACILIDADES DE ATUAÇÃO RELATADAS POR ENFERMEIROS

  • Roberta teixeira Prado Enfermeira. Especialista em Terapia Intensiva e Urgência e Emergência. Mestre em Enfermagem (UFJF). Doutoranda em Enfermagem (UFRJ). Professora em cursos de especialização na Faculdade Redentor de Juiz de Fora (MG). E-mail: enfbeta@yahoo.com.br
  • Sonia Maria Dias Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora adjunta IV da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) – Departamento de Enfermagem Aplicada. E-mail: sonia.dias@ufjf.edu.br
  • Edna Aparecida de Brabosa Castro Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora adjunta IV da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) – Departamento de Enfermagem Aplicada. E-mail: edna.castro@ ufjf.edu.br

Resumo

Os Bancos de Tecidos Oculares Humanos (BTOH) representam um cenário novo para a atuação do enfermeiro. Objetivo: compreender como se dá a inserção do enfermeiro neste cenário e identificar as facilidades no trabalho multidisciplinar relatadas por este profissional nos serviços existentes no estado de Minas Gerais. Método: estudo exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa, segundo o aporte teórico-metodológico da hermenêutica dialética. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada, com sete enfermeiros, com codificação e análise segundo a técnica de análise de conteúdo. Resultados: Os temas identificados foram: o relacionamento com a equipe multidisciplinar, a infra-estrutura disponível para uso no serviço e a formação profissional de graduação específica obtida após a graduação e de modo permanente ao longo do trabalho. Considerações finais: o trabalho dos enfermeiros nos BTOH está associado ao relacionamento em equipe multidisciplinar, à infraestrutura disponível para uso no serviço e à formação profissional

Biografia do Autor

Roberta teixeira Prado, Enfermeira. Especialista em Terapia Intensiva e Urgência e Emergência. Mestre em Enfermagem (UFJF). Doutoranda em Enfermagem (UFRJ). Professora em cursos de especialização na Faculdade Redentor de Juiz de Fora (MG). E-mail: enfbeta@yahoo.com.br
Enfermeira. Especialista em Terapia Intensiva e Urgência e Emergência. Mestre em Enfermagem (UFJF). Doutoranda em Enfermagem (UFRJ). Professora em cursos de especialização na Faculdade Redentor de Juiz de Fora (MG). E-mail: enfbeta@yahoo.com.br
Sonia Maria Dias, Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora adjunta IV da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) – Departamento de Enfermagem Aplicada. E-mail: sonia.dias@ufjf.edu.br
Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora adjunta IV da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) – Departamento de Enfermagem Aplicada. E-mail: sonia.dias@ufjf.edu.br
Edna Aparecida de Brabosa Castro, Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora adjunta IV da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) – Departamento de Enfermagem Aplicada. E-mail: edna.castro@ ufjf.edu.br
Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora adjunta IV da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) – Departamento de Enfermagem Aplicada. E-mail: edna.castro@ ufjf.edu.br

Referências

1. Reis DJF, Vieira JDPR, Araújo DA, Torres SAS, Teles LLM. Doação e transplantes de órgãos no Brasil: filas de espera e famílias. Rev Min Educ Fis. 2010; (5):96-104.
2. Silva AF, Guimarães TS, Nogueira GP. A atuação do enfermeiro na captação de órgãos. Rev bras cienc saude. 2009 Jan-Mar.;7(19):71-85.
3. Stiel S, Hermel M, Radbruch L. Cornea donation from patients deceased at a palliative care unit. Palliat Med. 2011 Mar;25(2):183-4.
44 R. Enferm. UFJF - Juiz de Fora - v. 2 - n. 2 - p. 37-44 - jul./dez. 2016
4. Mccolgan, K. Corneal transplant surgery. J Perioper Pract. 2009 Feb;19(2):51-4.
5. Sano RY, Sano FT, Dantas MCN, Lui ACF, Sano ME, Neto AL. Análise das córneas do Banco de Olhos da Santa Casa de São Paulo utilizadas em transplantes. ArqBras Oftalmol. 2010;73(3):254-8.
6. Prado RT. Banco de Tecidos Oculares Humanos: atuação dos enfermeiros. Juiz de Fora. Dissertação [Mestrado em Enfermagem]Universidade Federal de Juiz de Fora; 2013.
7. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2008.
8. Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde, Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução Nº 196 de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF): MS; 1996.
9. Pereira LA, Primo LS, Barlem JGT, Tomaschewski-Barlem JG, Barlem ELD, Ramos AM, Hirsh CD. Enfermagem e liderança: percepções de enfermeiros gestores de um hospital do sul do Brasil. J. res.: fundam. care. online 2015. jan./mar. 7(1):1875-882.
10. Sousa LBD, Barroso MGT. Reflexão sobre o cuidado como essência da liderança em enfermagem. Esc Anna Nery RevEnferm 2009; Jan-Mar 13 (1): 181-87.
11. Carvalho LB, Freire JC, Bosi MLM. Alteridade radical: implicações para o cuidado em saúde. Physis. 2009; 19(3):849-65, 2009.
12. De Lima TL, Coelho AS, Adyles ML, Biolchi T, Pires de PDE., Schubert BVM. Influencia de los estilos de liderazgodelenfermeroenlas relaciones interpersonalesdel equipo de enfermería. Enfermglob.; 2011 Murcia abr 10(22)
13. Aguiar DF, Conceição-Stipp MA, Leite JL, Zadra VM, Andrade KBS. Gerenciamento de enfermagem: situações que facilitam ou dificultam o cuidado na unidade coronariana. Aquichan 2010;10(2):115-31.
14. Ministério da Saúde (BR). Resolução n. 347, de 02 de dezembro de 2003. Determina Normas Técnicas para o Funcionamento de Bancos de Olhos. Brasília (DF): MS; 2003.
15. Ministério da Saúde (BR). Resolução n. 67, de 30 de setembro de 2008. Determina normas técnicas para o funcionamento de banco de olhos. Brasília (DF): MS; 2008. 16. FHEMIG. Complexo MG Transplantes. [Internet]. Descreve o Complexo MG Transplantes, 2012. Belo Horizonte, MG. [citado em 2012 Jul 19]. Disponível em: http:// www.fhemig.mg.gov.br/pt/mg-transplantes/.
17. Paschoal MLH, Castilho V. Implementação do sistema de gestão de materiais informatizado do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo. RevEscEnferm USP 2010; 44(4): 98488.
18. Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer CNE/CES n. 1133, de 7 agosto de 2001. Institui as diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em enfermagem, medicina e nutrição. Diário Oficial da União. Brasília, 3 out. 2001; seção 1E, p. 131.
19. Brasil. Ministério da Educação. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 5. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 2010d.
20. Kraemer FZ, Duarte MDLC, Kaiser DE. Autonomia e trabalho do enfermeiro. Rev Gaúcha Enferm. 2011 set;32(3):487-94.
Publicado
2018-04-12
Como Citar
Prado, R. teixeira, Dias, S. M., & Castro, E. A. de B. (2018). BANCO DE TECIDOS OCULARES HUMANOS: FACILIDADES DE ATUAÇÃO RELATADAS POR ENFERMEIROS. Revista De Enfermagem Da UFJF, 2(2). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/enfermagem/article/view/3875
Seção
Artigos Originais