ItInerárIo terapêutIco de mulheres com sofrImento mental

  • Bruna Teixeira Costa Especialista em atenção básica, Divinópolis - MG.
  • Jacqueline Simone de Almeida Machado Enfermeira. Doutora. Professora Adjunta na Universidade Federal de São João del-Rei. Campus Divinópolis - MG.
  • Nadja Cristiane Lappann Botti Enfermeira. Doutora. Professora Adjunta na Universidade Federal de São João Del-Rei. Campus Divinópolis - MG.

Resumo

O artigo trata de estudo qualitativo realizado com abordagem de história oral temática, com o objetivo de conhecer a trajetória percorrida por mulheres com sofrimento mental da área adstrita de uma Estratégia de Saúde da Família na busca de cuidado. Os dados coletados foram submetidos ao método de análise de narrativas. Dentre os resultados, identificou-se fatores potenciais do cuidado (acolhimento e fragmentações) e de fragilidades (dificuldade de acessar o serviço de saúde em determinadas demandas). Não há no campo analisado uma rede de atenção fazendo com que os serviços de saúde atuem muitas das vezes de forma isolada e comprometendo a qualidade do serviço oferecido a esta população. Faz-se, então, necessário repensar a qualidade do cuidado ofertado e a própria rede de atenção à saúde mental frente as demandas dos usuários.

Biografia do Autor

Bruna Teixeira Costa, Especialista em atenção básica, Divinópolis - MG.
Especialista em atenção básica, Divinópolis - MG.
Jacqueline Simone de Almeida Machado, Enfermeira. Doutora. Professora Adjunta na Universidade Federal de São João del-Rei. Campus Divinópolis - MG.
Enfermeira. Doutora. Professora Adjunta na Universidade Federal de São João del-Rei. Campus Divinópolis - MG.
Nadja Cristiane Lappann Botti, Enfermeira. Doutora. Professora Adjunta na Universidade Federal de São João Del-Rei. Campus Divinópolis - MG.
Enfermeira. Doutora. Professora Adjunta na Universidade Federal de São João del-Rei. Campus Divinópolis - MG.

Referências

1. Brasil. Portaria nº 3.088 de 23 de dezembro de 2011. Instituída a Rede de Atenção Psicossocial, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_ rep.html
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde mental: 2004-2010. Brasília: Ministério da Saúde 2010.
3. Silva DC da Silva; BudóMLD.;Schimith M.D, Rizzatti,SJ.; Simon BSS.; Robaina MLR. Itinerário terapêutico: tendência em teses e dissertações da enfermagem no Brasil. Rev saúde Santa Maria 2014 jan/jul 40(1):23-32. Disponível em: http://periodicos.ufsm.br/ revistasaude/article/view/9097
4. Rocha ES, Lucchese R., Vera V. et al. Itinerário terapêutico de indivíduos com suspeita de transtorno mental comum. Rev. enferm. UFPE online, 2014; 8(6):1451-7.
Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/ revistaenfermagem/index.php/revista/article/ download/5876/9206
5. Cabral AL.V, Martinez-Hemáez, A, Andrade EG, Cherchiglia ML. Itinerários terapêuticos: o estado da arte da produção científica no Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2011; 16(11): 4433-42. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1413-81232011001200016
6. Chiaverini DH (Organizadora). Guia prático de matriciamento em saúde mental. Ministério da Saúde. Brasília: 2011.74-383.
7. Bertolino N, Miniussi M. Atenção em saúde mental: identificação e acompanhamento de pessoas com problemas de saúde mental por equipes da estratégia de saúde da família [dissertação] São Paulo: Faculdade de Saúde Publica, USP 2012. Disponível em:http:// www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6136/tde12032012-114447/pt-br.php
8. SouzaL,S; Menandro MCS, CoutoLLM, Schimith PB, Lima R. Saúde mental na estratégia saúde da família: revisão da literatura brasileira. Saúde soc. 2012; 21(4): 1022-1034. Disponível em: http:// www.scielo.br/scielo.php?pid=S010412902012000400019&script=sci_ abstract&tlng=pt
9. Corrêa GHLST, Belatto R, Araújo LFS, Hittler M. Itinerário Terapêutico de Idosa em Sofrimento Psíquico e Família. Ciênc. cuid. saúde; 2011; 10(2): 274-283. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/ CiencCuidSaude/article/view/10462
10. Campos GWS, Onocko-Campos RT, Del Barrio LR. Políticas e práticas em saúde mental: as evidências em questão. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2013; 18(10): 27972805. Disponível em: http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232013001000002&lng=en 11. Meihy JCSB, Ribeiro SLS. Guia prático de história oral: para empresas, universidades,
35R. Enferm. UFJF - Juiz de Fora - v. 2 - n. 2 - p. 25-35 - jul./dez. 2016
comunidades, famílias. São Paulo: Contexto, 2011.
12. Amarante P, Diaz FS. Os movimentos sociais na reforma psiquiátrica. Cad. Bras. Saúde Mental, 2012; 4(8): 83-95. Disponível em: http:// incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/ article/view/2022
13. Carvalho MAP, Dias MD, Miranda FAN, Feirreira FMO. Contribuições da terapia comunitária integrativa para usuários dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS): do isolamento à sociabilidade libertadora. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(10): 202838. Disponível em http://www.scielosp.org/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2013001400019
14. Lieblich A, Tuval-Mashiach R, ZILBER T. Narrative Research: Reading, Analysis and Interpretation. Thousand Oaks, CA: Sage, 1998.
15. Muylaert C, Sarubbi Jr V, Gallo P, Neto M, Reis A. Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 2014; 48(2), 184-189. Disponível em: http:// www.scielo.br/scielo.php?pid=S008062342014000800184&script=sci_ arttext&tlng=pt
16. Arce VAR, Sousa MF, Lima MG. A práxis da Saúde Mental no âmbito da Estratégia Saúde da Família: contribuições para a construção de um cuidado integrado. Physis, 2011; 21(2): 541-560. Disponível em: http://www.scielo. br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010373312011000200011&lng=en 17. Scheibel A, Ferreira LH. Acolhimento no CAPS: reflexões acerca da assistência em saúde mental. Rev. baiana saúde pública. 2011; 35(4): 966-983. Disponível em: http://inseer.ibict.br/ rbsp/index.php/rbsp/article/view/266
18. Pereira LS. Tecendo os fios da saúde mental em Belém/PA: visibilidade da rede de cuidado. [tese] Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/ handle/123456789/130856
19. Favero-Nunes, M. A. & Santos, M. A. Itinerário Terapêutico Percorrido por Mães de Crianças com Transtorno Autístico. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2010; 23(2), 208-221. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0102-79722010000200003
Publicado
2018-04-12
Como Citar
Costa, B. T., Machado, J. S. de A., & Botti, N. C. L. (2018). ItInerárIo terapêutIco de mulheres com sofrImento mental. Revista De Enfermagem Da UFJF, 2(2). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/enfermagem/article/view/3874
Seção
Artigos Originais