LIDANDO COM A MORTE NOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES HUMANOS: PERSPECTIVAS DOS ENFERMEIROS

  • Roberta Teixeira Prado
  • Sonia Maria Dias
  • Edna Aparecida Barbosa de Castro

Resumo

O estudo busca compreender os conceitos e sentimentos dos enfermeiros que atuam nos Bancos de Tecidos Oculares Humanos ao lidarem no quotidiano laboral com a morte. Trata-se de um estudo exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada, com sete enfermeiros que atuam neste serviço e analisados com o suporte da análise de conteúdo. Ao analisar as falas dos sujeitos desta pesquisa, constatou-se que os enfermeiros dos Bancos de Olhos lidam de formas diferentes com a morte, há mortes que geram maior desgaste e sofrimento ao profissional. A formação dos profissionais não permite um olhar amplo sobre a temática e que, mesmo diante da exposição a situações de morte e desgastes relacionados ao trabalho, o serviço no Banco de Olhos é considerado algo nobre e recompensador pelos enfermeiros entrevistados.

Publicado
2016-08-17
Como Citar
Prado, R. T., Dias, S. M., & Castro, E. A. B. de. (2016). LIDANDO COM A MORTE NOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES HUMANOS: PERSPECTIVAS DOS ENFERMEIROS. Revista De Enfermagem Da UFJF, 1(1). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/enfermagem/article/view/3790
Seção
Artigos Originais