Análise do percurso terapêutico de doentes crônicos na Saúde da Família

Resumo

Objetivo: analisar o percurso assistencial de usuários portadores de doenças crônicas, na busca por cuidado em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) com a Estratégia de Saúde da Família no município do Rio de Janeiro. Metodologia: estudo descritivo, exploratório, de abordagem qualitativa, que teve como participantes 11 profissionais da equipe de saúde da família e quatro usuários, sendo utilizado o fluxograma descritor para apresentar o percurso assistencial dos doentes crônicos. Resultados: a análise do percurso assistencial de usuários demonstrou pontos de tensão na demanda espontânea, na oferta de consulta médica e de enfermagem, na visita domiciliar e na regulação. Considerações finais: as tensões reveladas expressam as dificuldades encontradas pelos usuários ao ingressar na UBS, situação contraditória ao atributo de primeiro contato na atenção básica. Os problemas no fluxo dos usuários apresentam um reflexo dos problemas encontrados no serviço de saúde, configurando dificuldades em proporcionar equilíbrio entre demanda, acesso e recursos.

Biografia do Autor

Renata Oliveira Maciel Santos, Instituto Nacional do Câncer
Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense (2010), especialização em saúde da família e em Linhas de cuidados em enfermagem e mestrado em Saúde Pública pela ENSP-FIOCRUZ (2015). Experiência como enfermeira na Estratégia de Saúde da Família no município do Rio de Janeiro. Atualmente é Tecnologista Pleno na divisão de Detecção Precoce e apoio à organização de rede no Instituto Nacional do Câncer e doutoramdo da FIOCUZ. Atua na área da detecção precoce do câncer, saúde da família com ênfase em pesquisa qualitativa. Autora do livro vínculo longitudinal como dispositivo do cuidado: doenças crônicas e saúde da família.

Referências

Brasil. Portaria nº 2436. Política Nacional de Atenção básica. 2017. [Internet]. [citado 11 de dezembro de 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Vilaça Mendes E. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 22 de junho de 2018;31(2):1–3.

STARFIELD B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. UNESCO; 2002.

Baratieri T, Marcon SS. Longitudinalidade do cuidado: compreensão dos enfermeiros que atuam na estratégia saúde da família. Escola Anna Nery. dezembro de 2011;15(4):802–10.

Santos ROM dos, Romano VF, Engstrom EM. Vínculo longitudinal na Saúde da Família: construção fundamentada no modelo de atenção, práticas interpessoais e organização dos serviços. Physis: Revista de Saúde Coletiva [Internet]. 13 de agosto de 2018 [citado 11 de dezembro de 2018];28(2). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312018000200602&lng=pt&tlng=pt

Paiva DCP de, Bersusa AAS, Escuder MML. Avaliação da assistência ao paciente com diabetes e/ou hipertensão pelo Programa Saúde da Família do Município de Francisco Morato, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. fevereiro de 2006;22(2):377–85.

Mehry E, Onocko R. Agir em saúde: um desafio para o público. Hucitec; 1997.

Jesus WLA de, Assis MMA. Revisão sistemática sobre o conceito de acesso nos serviços de saúde: contribuições do planejamento. Ciência & Saúde Coletiva. janeiro de 2010;15(1):161–70.

GIOVANELLA L, Mendonça M. Atenção Primária à Saúde. In: Políticas e sistemas de saúde no Brasil. FIOCRUZ; 2012.

Duarte WBA, Falcão TML, Beltrão AB. Núcleo de Apoio à Saúde da Família e a transformação do acolhimento na atenção básica. Saúde em Debate. dezembro de 2017;41(115):1061–74.

Kebian, LVA., Acioli S. A visita domiciliar de enfermeiros e agentes comunitários de saúde da Estratégia Saúde da Família. Rev Eletr Enf [Internet]. 16.

Felipe Ferro L, Cristina da Silva E, Beatriz Zimmermann A, Célia Titotto Castanharo R, Rodrigues Leite de Oliveira F. Interdisciplinaridade e intersetorialidade na Estratégia Saúde da Família e no Núcleo de Apoio à Saúde da Família: potencialidades e desafios. O Mundo da Saúde. 30 de junho de 2014;38(2):129–38.

Andrade VMP, Cardoso CL. Visitas Domiciliares de Agentes Comunitários de Saúde: Concepções de Profissionais e Usuários. Psico-USF. abril de 2017;22(1):87–98.

Araújo MB de S, Rocha P de M. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciência & Saúde Coletiva. abril de 2007;12(2):455–64.

Brasil. Portaria se Consolidação Anexo I. Diretrizes para a organização da rede de atenção à saúde no SUS. 2017. [Internet]. [citado 11 de dezembro de 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/MatrizesConsolidacao/Matriz-3-Redes.html.

Colares LGT, Freitas CM de. Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma unidade de alimentação e nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Cadernos de Saúde Pública. dezembro de 2007;23(12):3011–20.

Publicado
2019-12-12
Como Citar
Santos, R. O. M. (2019). Análise do percurso terapêutico de doentes crônicos na Saúde da Família. Revista De Enfermagem Da UFJF, 5(1), 1-16. https://doi.org/10.34019/2446-5739.2019.v5.13967
Seção
Artigos Originais