Gênero e TI: Qual o lugar das mulheres na área de tecnologia?

Autores

  • Íngrid Schmidt Visentini UFSM
  • Alexia Donida UFSM
  • Laura Senna Ferreira UFSM

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-2140.2021.34594

Palavras-chave:

Gênero, Tecnologia da Informação, Mundo do Trabalho

Resumo

Este artigo traz uma análise das relações de gênero e de trabalho na área de Tecnologia da Informação (TI) na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. A partir das questões analisadas, atenta-se para a importância de um recorte de gênero em um campo majoritariamente dominado por homens e caracterizado por exigências tidas como masculinas — liderança, determinação, autonomia —, apresentando-se, assim, um perfil de profissional que reforça a divisão sexual do trabalho, fato expresso pelo baixo número de mulheres no mundo do trabalho da TI. A pesquisa foi realizada ao longo dos anos de 2017 e de 2018, desenvolvida junto a estudantes, a trabalhadores e a empreendedores do setor, bem como entre representantes das principais instituições que fomentam o empreendedorismo na cidade de Santa Maria.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, Ricardo; BRAGA, Ruy (Orgs.). Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2009.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.

BRIDI, Maria Aparecida. O Setor de Tecnologia da Informação: o que há de novo no horizonte do trabalho? Revista de Ciências Sociais: Política & Trabalho, n. 41, p. 277-304, out. 2014.

CASTELLS, Manuel. A Era da Informação. Vol. 3. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

CASTRO, Bárbara. Feminizando chefias? Uma análise da dinâmica da divisão sexual do trabalho no setor de TI. Revista da ABET, v. 17, n. 1, 2018.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: InVerso, 2015.

CRUZ, Maria Helena Santana. Novas tecnologias e impacto sobre a mulher. In: COSTA, A. A. A.; SARDENBERG, C. M. B. (Org.). Feminismo, Ciência e Tecnologia. Salvador: REDOR/NEIM-FFCH/UFBA, 2002.

DE OLIVEIRA MENEZES, Suzy Kamylla; DOS SANTOS, Mario Diego Ferreira. Gênero na Educação em Computação no Brasil e o Ingresso de Meninas na Área – uma Revisão Sistemática da Literatura. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 29, p. 456-484, 2021.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FELITTI, Guilherme. Por que há menos mulheres no setor de tecnologia? Época Negócios, 11 ago. 2015. Disponível em: <https://epocanegocios.globo.com/Informacao/Dilemas/noticia/2015/08/por-que-ha-menos-mulheres-no-setor-de-tecnologia.html>. Acesso em: 27 fev. 2022.

GLOVER, Judith. Women and Scientific Employment: Current Perspectives from the UK. Science Studies, v. 15, n. 1, p. 29-45, 2002.

HUWS, Ursula E. Vida, trabalho e valor no século XXI: desfazendo o nó. Caderno CRH, v. 27, n. 70, p. 13-30, 2014.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Rio de Janeiro, n. 38, 2. ed., p. 1-13, 2021.

LIMA, Jacob Carlos; OLIVEIRA, Daniela Ribeiro. Trabalhadores digitais: as novas ocupações no trabalho informacional. Revista Sociedade e Estado – Volume 32, Número 1, Janeiro/Abril 2017.

LIMA, Michelle Pinto. As mulheres na Ciência da Computação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 793-816, setembro-dezembro 2013.

MARGOLIS, Jane; FISHER, Allan. Unlocking the clubhouse: Women in computing. [S. l.]: MIT press, 2002.

NICOLIELO, Bruna. Os desafios das mulheres em tecnologia. Programaria.org. Disponível em: <https://www.programaria.org/especiais/mulheres-tecnologia>. Acesso em: 27 fev. 2022.

OLIVEIRA, Daniela Ribeiro de. Os trabalhadores da indústria de software: flexíveis e precários? São Carlos: UFSCar, 2009.

ROSENFIELD, Cinara; ALVES, Daniela. Autonomia e trabalho informacional: o teletrabalho. Revista Dados, v. 54, n. 1, p. 207-233, 2011.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes. 3 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAFFIOTI, Heleieth. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987. (Coleção Polêmica)

SAFFIOTI, Heleieth. Rearticulando Gênero e Classe social. In: BRUSCHINI, Cristina; COSTA, Albertina de Oliveira (Org.). Uma questão de Gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos; Fundação Carlos Chagas, 1992. p. 183-215.

SANTIAGO, Geraldo Tunal. Reflexiones em torno a los análisis sobre el teletrabajo. Trabajo y Sociedad, v. 19, p. 31-54, 2012.

SILVA, Elizabeth Bortolaia. Des-construindo gênero em ciência e tecnologia. Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 7-20, 2012.

SOARES, Vera. Mulher, Autonomia e Trabalho. In: GUSMÃO, Alexandre de. Autonomia Econômica e Empoderamento da Mulher: textos acadêmicos. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011. p. 281-301.

STUMPF, Simone; PETERS, Anicia; BARDZELL, Shaowen; BURNETT, Margaret; BUSSE, Daniela; CAUCHARD, Jessica; CHURCHILL, Elizabeth. Gender-Inclusive HCI Research and Design: A Conceptual Review. Foundations and Trends® in Human-Computer Interaction, v. 13, n. 1, p. 1-69, 2020.

WAJCMAN, Judy. Tecnologia de produção: fazendo um trabalho de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 201-256, 2012.

WILSON, Fiona. Can compute, won’t compute: women’s participation in the culture of computing. New Technology, Work and Employment, v. 18, n. 2, p. 127-142, jul. 2003.

Downloads

Publicado

2022-06-14

Como Citar

Schmidt Visentini, Íngrid, Donida, A. ., & Senna Ferreira, L. (2022). Gênero e TI: Qual o lugar das mulheres na área de tecnologia?. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (34), 13–37. https://doi.org/10.34019/1981-2140.2021.34594

Edição

Seção

Dossiês