A heterossexualidade compulsória e a estilização do corpo à luz do pensamento de Judith Butler

Autores

  • Thiago Henrique de Almeida Carvalho PPGA/UFPE
  • David Ferreira de Araújo PPGS/UFPE

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-2140.2021.33586

Palavras-chave:

Estilização do corpo, Matriz Hetorossexual, Identidade de gênero, Masculinidade, Feminilidade

Resumo

O presente trabalho busca investigar os mecanismos que cuidam de normalizar a estilização do corpo como um processo ideal da instituição heterossexual. Através da obra “Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidadeda filósofa Judith Butler (2017), propomos questionar o processo de estilização como um material dado e/ou natural, uma vez que tal processo consiste na produção de corpos educados. Nesse processo, analisamos o papel da cultura heterossexual na padronização das identidades de gênero, baseada no binarismo masculino/feminino, tendo em mente que o imperativo heterossexual sustenta uma necessidade de invocar sujeitos disciplinados, medidos e consentidos sob um conjunto arbitrário de regulações inscritas nos corpos para a sustentação das convenções estabelecidas e criadas socialmente, que legitimam a produção de uma masculinidade e feminilidade ideal. Dito isso, cabe indagar as implicações dos estudos estruturalistas de Levi-Strauss e psicanalíticos freudianos e lacanianos, nos quais produzem uma matriz heterossexual, com a capacidade de estimular a heterossexualidade e negar as demais sexualidades consideradas desviantes. Por fim, tem-se a pretensão de examinar a estilização do corpo como um processo performativo, isto é, fabricações discursivas que impõe o que deve ser utilizado/feito, tendo, por exemplo, uma identidade de gênero masculina ou feminina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

David Ferreira de Araújo, PPGS/UFPE

Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco e Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia pela mesma instituição de ensino. Bolsista de produtividade CAPES.

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: civilização Brasileira, 15a ed, 2017.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: perspectiva, 2a ed, 2014.

HANNA, Judith. Dança, sexo e gênero: signos de identidade, dominação, desafio e desejo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

LACERDA, Cláudio. Representações de masculinidade na dança e no esporte: um olhar sobre Nijinsky e Jeux. Consultoria técnica: Arnaldo Siqueira, Recife: o autor, 2010.

LOURO, Guacira. Um corpo estranho - ensaios sobre a sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2a ed, 2016.

MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: autêntica editora: UFOP Universidade Federal de Ouro Preto, 2017.

MISKOLCI, Richard. Estranhando as ciências sociais: notas introdutórias sobre teoria queer. Revista Florestan- Graduação em ciências sociais da UFScar. Ano 01- Número 02, Novembro, 2014 ISSN 2357-8300

PEREIRA, Tamires. Notas sobre a história do corpo – do grotesco ao abjeto. Simpósio internacional de educação: femininos, identidades de gênero e políticas públicas, 2015.

PRECIADO, Paul B. (Beatriz). Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2017.

RUBIN, Gayle. Políticas do sexo. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

SALIH, Sara. Judith Butler e a teoria queer. Belo Horizonte: autêntica editora, 1a ed, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-14

Como Citar

de Almeida Carvalho, T. H. ., & Ferreira de Araújo, D. (2022). A heterossexualidade compulsória e a estilização do corpo à luz do pensamento de Judith Butler. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (34), 151–172. https://doi.org/10.34019/1981-2140.2021.33586

Edição

Seção

Artigos