Estalqueando Verónica: artivismo e mediação sociocultural da transgeneridade em meio à pandemia

  • Emerson Silva Meneses Universidade de São Paulo
Palavras-chave: ciberespaço, travesti, mediação sociocultural, artivismo, pandemia

Resumo

Este artigo pretende lançar um olhar sobre artistas travestis brasileiras e suas práticas online durante a pandemia de Covid-19. O objetivo é discutir a maneira como tais artistas, que até recentemente tinham nos palcos (físicos) e nas telas (principalmente de TV) a base do seu trabalho e sua principal forma de interação com o público, têm desenvolvido práticas ciberculturais, de cunho ao mesmo tempo artístico e político, por meio de plataformas digitais. O desenho de pesquisa é o de um estudo de caso instrumental, elegendo-se como caso para análise a cantora e atriz Verónica Valenttino. O estudo permite ver como a conjuntura de pandemia fez com que a artista transferisse para o ambiente virtual suas práticas de artivismo e mediação sociocultural anteriormente desempenhadas no palco.

Referências

ABOUDRAR, Bruno Nassim; MAIRESSE, Françoise. La médiation culturelle. Paris: Presses Universitaires de France, 2016.
ARARUNA, Maria Léo Fontes Borges. O direito à cidade em uma perspectiva travesti: uma breve autoetnografia sobre socialização transfeminina em espaços urbanos. Periódicus, Salvador, n. 8, v. 1, nov.2017-abr. 2018.
BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa da assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.
COLLING, Leandro. A emergência e algumas características da cena artivista das dissidências sexuais e de gênero no Brasil da atualidade. In: COLLING, Leandro. Artivismos das dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2019.
LESSA, P. Visibilidades y ocupaciones artísticas en territorios físicos y digitales. In: PADRÓS, N.; COLLELLDEMONT, E; SOLER, J. (Eds.). Actas del XVIII Coloquio de Historia de la educación: arte, literatura y educación. Vic: Eumogràfic, 2015, v. 1. p. 211-224.
LORDE, Audre. A Transformação do silêncio em linguagem e ação (1977). In: Textos escolhidos de Audre Lorde. Edições Lesbofeministas Independentes, s/d.
MENESES, Emerson Silva; Jayo, Martin. Presença travesti e mediação sociocultural nos palcos Brasileiros uma periodização histórica. Revista Extraprensa, São Paulo v. 11, n. 2, p. 159-174, jan./jun. 2018.
OLIVEIRA, Yara. No país que mais mata LGBTQs. Verónica Decide Morrer. Portal Freak Market, 02/05/2019.
OLIVEIRA, Ana; GALEGO, Carla. A mediação sócio-cultural: um puzzle em construção. Porto: ACIME, 2005.
PERROTTI, E. Mediação cultural: além dos procedimentos. In: SALCEDO, D. A. (Org.) Mediação cultural. São Carlos: Pedro & João Editores, 2016.
PERROTTI, E.; PIERUCCINI, I. A mediação cultural como categoria autônoma. Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 2, p. 1-22, 2014.
STAKE, Robert E. The art of case study research. New York: Sage Publications, 1995.
TRÓI, Marcelo. Corpo dissidente e desaprendizagem: do Teatro Oficina aos a(r)tivismos queer. Dissertação de mestrado (Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade), Universidade Federal da Bahia, 2018.
Publicado
2020-08-11
Como Citar
Meneses, E. S. (2020). Estalqueando Verónica: artivismo e mediação sociocultural da transgeneridade em meio à pandemia. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (31). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/csonline/article/view/30773
Seção
Dossiês