Um estupro de sessenta mil

feminismos 2.0 e a circulação do conceito de cultura do estupro

  • Iuli do Carmo Melo Unicamp- Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Cultura do estupro; Feminismos; Interseccionalidades; Educação.

Resumo

 Em 2016, o Brasil registrou sessenta mil casos de estupros, com média de uma mulher sendo vítima a cada dez minutos no país. Em quarenta segundos, um desses casos, envolvendo trinta e três homens e uma adolescente de dezesseis anos, na comunidade do Barão, Zona Oeste do Rio de Janeiro, se tornou público, após a divulgação do vídeo com a legenda “amassaram a mina intendeu ou não intendeu”. A comoção do caso serviu para aprofundar a dimensão da cultura do estupro no debate sobre as violências sexuais, sendo identificada a partir dos estudos, vivências e pensamentos feministas. O desenrolar da discussão traz as informações divulgadas pela imprensa sobre o caso, em um debate que acentua o jogo discursivo de interpretações de comportamentos, no qual permeia a opinião pública e a relação dos movimentos feministas com as mídias sociais. Resultam em considerações as contribuições da produção de discursos dos movimentos feministas, que questionam as ‘normas’ que produzem a naturalização das violências sexuais contra as mulheres, indicando possibilidades e perspectivas de desconstrução da cultura do estupro. Ressalto a urgência de se considerar a análise da cultura do estupro a partir de um olhar intersecional, rompendo com a universalização da categoria gênero e atentando-se para as diferenças nas experiências de mulher.

Referências

ANDRADE, Vera Regina de. A soberania patriarcal: o sistema de justiça criminal no tratamento da violência sexual contra a mulher. Revista Sequência: [online] Florianópolis, v.26, n. 50, p. 71-102, jul. 2005. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/15185/13811. Acesso em: abril 2020.
BUTLER, Judith. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto?. Tradução de Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha; revisão de tradução de Marina Vargas; revisão técnica de Carla Rodrigues. 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015. p. 144 - 257.
BRIGNOL, Lilian Dutra. TOMAZETTI, Tainan Pauli. Feminismo Contemporanêo a (re) configuração de um terreno comunicativo para as políticas de gênero na era digital. 10º Encontro Nacional de História da Midia. ALCAR 2015. UFRGS. Porto Alegre. Junho de 2015. (Anais) Disponível em: http://www.ufrgs.br/alcar/encontros-nacionais-1/encontros-nacionais/10o-encontro-2015/historia-da-midia-digital/o-feminismo-contemporaneo-a-re-configuracao-de-um-terreno-comunicativo-para-as-politicas-de-genero-na-era-digital/at_download/file Acesso: maio de 2020
CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet, tradução Carlos Alberto Medeiros -1ed- Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
DINIZ, Rogério Junqueira. Cotidiano Escolar, Heteronormatividade e Homofobia: Por uma ampliação dos horizontes pedagógicos,ou quem tem medo de novos olhares na Escola? In XAVIER- FILHA, Constantina. (org.) Sexualidades, Gênero e Diferença nas Educação das Infâncias.Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2012.
RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do Feminismo Negro? 1º ed. – São Paulo, companhia das letras, 2018.
SAFFIOTI, Heleieth. 0 poder do macho São Paulo: Moderna, 2004
SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica Educação & Realidade, v.20, n.2, jul./dez. 1995. Disponível em https://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/viewFile/71721/40667 acesso em: abril de 2020
SMITH, Merril D (editor). Encyclopedia of Rape. London, Greenwood Press, 2004.
Publicado
2020-08-29
Como Citar
do Carmo Melo, I. (2020). Um estupro de sessenta mil: feminismos 2.0 e a circulação do conceito de cultura do estupro. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (31), 20. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/csonline/article/view/30699
Seção
Dossiês