“Deve ou não deve o football invadir os domínios das saias?”

histórias do futebol de mulheres no Brasil

  • Caroline Soares de Almeida Universidade Federal de Santa Catarina
  • Thaís Rodrigues de Almeida Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Futebol Feminino, Estado Novo, Decreto-Lei nº 3.199/41

Resumo

Este artigo aborda algumas histórias de pessoas que compuseram a trajetória do Futebol Feminino no Brasil, desde a sua introdução até 1979 - ano em que foi revogado o Decreto-Lei nº 3.199. Parte dessa história já foi relatada por diferentes autoras/es em trabalhos de grande qualidade publicados, sobretudo nos últimos vinte anos. Nesse sentido, este texto tem o objetivo de somar na construção dessa narrativa, a partir de informações encontradas em jornais pesquisados na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional. Embora as mulheres estejam há mais de cem anos protagonizando jogos de futebol nos gramados brasileiros, ainda há pouca visibilidade. Essa história é composta não somente por rupturas e injustiças baseada na ideia de gênero a partir do saber biomédico da época que o dividia em masculino "viril" e feminino "frágil" (e que serviram como argumento à proibição do Futebol Feminino em 1941), mas também por lutas de mulheres que propunham uma nova perspectiva sobre o corpo.

Referências

ALMEIDA, Caroline S. Boas de bola: um estudo sobre o ser jogadora de futebol no Esporte Clube Radar durante a década de 1980. 2013. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, UFSC. Florianópolis, SC, Brasil, 2018.
ALMEIDA, Caroline S. Do sonho ao possível: projeto e campo de possibilidades nas carreiras profissionais de futebolistas brasileiras. 2018. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, UFSC. Florianópolis, SC, Brasil.
ALMEIDA, Caroline S. Mulheres futebolistas. Debates sobre violência e moral durante o Estado Novo brasileiro. Lusotopie Journal, v. 18, n. 1, 2019. p. 95-118.
BESSE, S. Modernizado a desigualdade: reestruturação da ideologia de gênero no Brasil, 1914-1940, São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo 1999.
BONFIM, Aira F. Football feminino entre festas esportivas, circos e campos suburbanos: uma história social do futebol praticado por mulheres da introdução à proibição (1915-1941). Mestrado (Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais) – Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil, 2019.
BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.
CAPUCIM E SILVA, Giovana. Narrativas sobre o futebol feminino na imprensa paulista: entre a proibição e a regulamentação (1965-1983). Mestrado em História – São Paulo: Universidade de São Paulo, 2015.
CASTELLANI FILHO, Lino. Educação Física no Brasil: a história que não se conta. Campinas, Papirus, 1988.
COSTA, Leda Maria da. O futebol feminino nas décadas de 1940 a 1980. Revista da AGCRJ, n.13, 2017, p.493-507.
CUNHA, Olívia M. G. Tempo imperfeito: uma etnografia do arquivo. Mana: v.10. Rio de Janeiro: Museu Nacional do Rio de Janeiro, 2004. p. 287-322.
DAMATTA, Roberto. Antropologia do óbvio: um ensaio em torno do significado social do futebol brasileiro. In: DAMATTA, Roberto. A bola corre mais que os homens: duas copas, treze crônicas e três ensaios sobre futebol. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.
DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? 3ª Ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.
ELIAS, Nobert; DUNNING, Elias. A busca da excitação, Lisboa: DIFEL., 1992.
ELSEY, Brenda; NADEL, Joshua. Futboleta: a history of women and sport in Latin America. Austin: University of Texas Press, 2019.
FRANZINI. Fábio. Futebol é “coisa pra macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista Brasileira de História. n. 50, vol. 25. São Paulo. p. 316 – 328.
GOELLNER, Silvana Vilodre. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. In: Revista Brasileira de Educação Física. v. 19, n. 2. São Paulo: abr./jun. 2005. P. 143-151.
GOELLNER, Silvana Vilodre. Feminismos, mulheres e esportes: questões epistemológicas sobre o fazer historiográfico. Movimento, Porto Alegre, v. 13, n. 2, maio/ago. 2007, p. 171-196.
GOMES, A.- C. A invenção do trabalhismo, Rio de Janeiro: IUPERJ, 1988.
HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.
KESSLER, Claudia Samuel. Mais que Barbies e Ogras: uma etnografia do futebol de mulheres no Brasil e nos Estados Unidos. 2015. Tese (doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Centro de Ciências Sociais e Humanas. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Porto Alegre, 375 p.
LEVER, Janet. Soccer Madness: Brazil's Passion for the World's Most Popular Sport. Chicago: University of Chicago Press, 1983.
LUCA, Tania Regina. História dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSKY, Carla (Org). Fontes históricas. São Paulo: Editora Contexto, 2008.
MALUF, Marina; MOTT, M. Recônditos do mundo feminino, in F. A. Novais e N. Sevcenko, História da vida privada no Brasil, Vol. 3. São Paulo; Companhia das Letras, 1998, p. 367-422.
MOURÃO, Ludmila; MOREL, Márcia. As narrativas sobre o futebol feminino o discurso da mídia impressa em campo. In: Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 26, n. 2. Campinas: jan. 2005. P. 73-86.
NEDEL, Letícia B. A Guardiã da Verdade. In: FERREIRA, Marieta de Moraes. (Org.). Memória e identidade nacional. 2010, v. 1, p. 125-158
OLIVEIRA, Vítor Marinho de. O que é Educação Física? São Paulo: Brasiliense (Coleção Primeiros Passos), 1983.
PEREIRA, Leonardo. Footballmania: uma história social do futebol no Rio de Janeiro, 1902 – 1938, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.
PISANI, Mariane da S. “Sou feita de chuva, sol e barro”: o futebol de mulheres praticado na cidade de São Paulo (Tese). Universidade de São Paulo (PPGAS). São Paulo: 2018.
RAGO, M. Trabalho feminino e sexualidade, in M. Del Priore e C. Pinsky eds. História das mulheres no Brasil, São Paulo: Contexto, 2011.
RECHTMAN, Enio. Itaboca, rua de triste memória: imigrantes judeus no bairro do Bom Retiro e o confinamento da zona do meretrício (1949 a 1953). Dissertaçao (Mestrado em Estudos Árabes e Judaicos). Universidade de São Paulo, 2015.
¬¬¬¬RIAL, Carmen. Marta is better than Kaká: the invisible women’s football in Brazil. Labrys [online], v.28, Jul/Dez, 2015. Disponível em https://www.labrys.net.br/labrys28/sport/carmen.htm. Acesso em dezembro de 2019
RIAL, Carmen. Women’s Football in Brazil: invisible but under pressure. Copenhagen: Sport as a Global Labor market; Male and Female athletes as migrants, 2010.
RIGO, Luiz Carlos; GUIDOTTI, Flávia G.; THEIL, Larissa Z.; AMARAL, Marcela. Notas acerca do futebol feminino pelotense em 1950: um estudo genealógico. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 29, n. 3. Campinas: mai. 2008. P. 73-86.
WILLIAMS, Jean. A beautiful game: international perspectives on women’s football. 2007.
Publicado
2020-06-04
Como Citar
Soares de Almeida, C., & Rodrigues de Almeida, T. (2020). “Deve ou não deve o football invadir os domínios das saias?”: histórias do futebol de mulheres no Brasil. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (31). https://doi.org/10.34019/1981-2140.2020.30645
Seção
Dossiês