Pd Prazeres dissidentes:

pornografia gorda nas redes digitais.

  • Maria Luisa Jimenez Jimenez Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT
Palavras-chave: Mulheres Gordas. Pornografia Gorda. Cibercultura. Feminismo. Prazeres Dissidentes.

Resumo

Este artigo parte do debate acerca dos corpos gordos femininos, marcado pelo discurso normatizado socialmente, no qual a magreza é o cânone vigente. Quando um corpo não está dentro desse padrão, ou seja, corpo magro, tido como belo e saudável, é estigmatizado, sendo considerado feio, assexuado, anormal, doente, nojento, portanto, excluído socialmente. Esta discriminação é conhecida como gordofobia, preconceito que leva à exclusão social. Contudo, os prazeres dissidentes construídos por mulheres gordas no mundo virtual da pornografia nos chamam a atenção para novas práticas e desejos que transborda a sexualidade heteronormativa e propõe novas práticas sexuais.  Com o objetivo de compreender a sexualidade mediada digitalmente com corpos dissidentes, no caso, mulheres gordas maiores em que se propõe uma nova prática sexual, acompanhei plataformas específicas, recolhi depoimentos sobre a sexualidade de algumas mulheres gordas e entrevistei atrizes super sizes nas redes digitais. Na análise realizada, foi possível perceber o corpo gordo feminino considerado “abjeto” transformando-se em um corpo de/para deleite, prescindindo da relação falocêntrica e encontrando, na contrassexualidade: existência, resistência, desejo e prazer.

Referências

BUTLER, Judith. Lenguaje, poder e identidad. Madrid: Síntesis. 2004. (tradução nossa)
CANALTECH. Pornhub: Retrospectiva de 2019 revela tendências que reinaram no site. 11 de dezembro de 2019. Disponível em: https://canaltech.com.br/internet/pornhub-retrospectiva-de-2019-revela-tendencias-que-reinaram-no-site-157623/. Acesso em 11 mai. 2020.
DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.
DERRIDA, Jaques. O cartão-postal: de Sócrates a Freud e além. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
FIGUEIROA, Natália Lima. Pornografia com mulheres gordas: o regime erótico dos corpos dissonantes. Revista Pensata, UNIFESP, v.4. n.1, 2014. p.112- 126.
FISCHLER, Claude. Obeso benigno, obeso maligno. In: SANT’ANNA, Dd. B. (Org.), Políticas do corpo: elementos para uma história das práticas corporais. São Paulo: Estação Liberdade, 1995. p. 69-80.
FOSTER, David William. Consideraciones sobre el estudio de la heteronormatividade en la literatura latinoamericana. Letras: literatura e autoritarismo, Santa Maria, jan./jun. n.22, 2001. (tradução nossa).
FOUCAULT, Michel Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1997.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1999.
IRIGARAY, Luce. Speculum: Of the Other Woman. Ithaca: Cornell University Press, 1974/1985. (tradução nossa)
IRIGARAY, Luce. Sexe qui n’en est pas un. Now Iork: Itaca, 1977. (tradução nossa).
JIMENEZ-JIMENEZ, Luisa, Maria; ABONIZIO, Juliana. Consumo, gênero e sexualidade: práticas de consumo e produção da diferença. IX Encontro Nacional de Estudos do Consumo. ESPM, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: http://estudosdoconsumo.com/wp-content/uploads/2018/11/ENEC2018-GT09-JIMENEZ-ABONIZIO-MulheresGordas.pdf. Acesso em 12 jan. 2019.
GUATTARI, Felix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: Cartografias do Desejo, Petrópolis: Vozes, 1996.
KULICK, Don. Pornô. Cadernos Pagu, Campinas, n. 38, 2012. p. 223-240. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332012000100008&lng=en&nrm=iso. Acesso em 19 jan. 2013.
LIPOVETSKY, Gilles. Da leveza: rumo a uma civilização sem peso. São Paulo: Manoele, 2016.
PRECIADO, Paul, B (Beatriz). Contrassexualidade, p. 17-45. In: PRECIADO, Paul,.B. Manifesto Contrassexual. Políticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.
RUBIN, Gayle. Tráfico de Mulheres: notas sobre a “economia política” dos sexos. Recife: Edição SOS – Corpo, 1993.
RUBIN, Gayle. Pensando sobre sexo: notas para uma teoria radical da política da sexualidade, in: Cadernos Pagu, (21), Campinas: Unicamp, 2003a, p. 01-88.
RUBIN, Gayle; BUTLER, Judith. "Tráfico sexual: entrevista". Cadernos Pagu, Campinas, n. 21, 2003b. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010483332003000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em 15 abr. 2017.
SCRIVER, Amanda. Guia de facesitting para gordas. Sexo, 10 dez, 2018. Disponível em: https://www.vice.com/pt_br/article/mbypnn/guia-de-facesitting-para-gordas. Acesso em jan. 2019.
STAFF, Hornet. Porque Pessoas Gordas Transam Mais & São Melhores Nisso (NSFW). 11 janeiro 2016. Disponível em: https://hornet.com/stories/pt-pt/porque-pessoas-gordas-transam-mais-sao-melhores-nisso-nsfw/. Acesso em 27 fev. 2018.
WILLIAMS, Linda. (ed.) Porn Studies. Durham, Duke University Press, 2004.
WILLIAMS, Linda. Screening Sex: revelando e dissimulando o sexo. Cad. Pagu no.38 Campinas jan./jun. 2012.
WOLF, Naomi. O mito da beleza: Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 2018.
Publicado
2020-07-15
Como Citar
Jimenez Jimenez, M. L. (2020). Pd Prazeres dissidentes: : pornografia gorda nas redes digitais. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (31), 15. https://doi.org/10.34019/1981-2140.2020.30592
Seção
Dossiês