"Discreto, sigiloso, não afeminado”

representações identitárias e heteronormatividade no aplicativo de relacionamentos Grindr

  • Thiago Benitez de Melo Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Maria Elena Pires Santos Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Palavras-chave: representações, linguagem, sexualidade, antropologia cultural, etnografia virtual, Identidades

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender como são construídas, por meio de discursos de autorrepresentação, as identidades dos usuários do aplicativo de relacionamentos Grindr, utilizado principalmente por homens gays (ou bissexuais), com a finalidade de marcar encontros. Busco, especificamente, analisar as representações (homos)sexuais que esses sujeitos fazem de si mesmos e do outro em seus perfis virtuais, averiguando o confronto entre a escolha de certas identidades e o silenciamento de outras através das estratégias de negociações identitárias.  A escolha desse aplicativo se deu em razão ao seu intenso crescimento de usuários e pela expressiva popularidade que ele adquiriu nos últimos anos, visto que os sujeitos, caso queiram, podem disponibilizar fotografias e informações básicas sobre si para criarem um tipo de “autoidentidade”. O percurso metodológico utilizado para a análise dos dados busca romper com as fronteiras e limites disciplinares, em direção a uma perspectiva inter/trans/indisciplinar. Amparo-me, para isso, nas perspectivas epistemológicas dos Estudos da Linguagem e da Teoria Crítica do Discurso, dos Estudos Culturais, da Antropologia e da Sociologia.

Biografia do Autor

Thiago Benitez de Melo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduado em Letras Português/Espanhol, pós-graduado em Cultura e Literatura. Porrui Mestrado em Linguagem e Sociedade e é doutorando em Sociedade, Cultura e Fronteiras, na área de concentração Linguagem, Cultura e Identidade pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Maria Elena Pires Santos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Possui doutorado e pós-doutadado na Unicamp. Professora dos programas de Pós-graduação da Unioeste, Mestrado/Doutorado em Letras, do Mestrado/Doutorado em Sociedade, Cultura e Fronteiras e do Profletras.

Referências

ALENCAR, Venan Lucas de Oliveira. Aplicativos de Encontros Gays: traços identitários de seus usuários em Belo Horizonte. 130 páginas. Ano: 2017. Dissertação de Mestrado – Belo Horizonte/UFMG.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi/Zygmunt Bauman. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BECKER, Howard. Outsiders: Estudos de Sociologia do Desvio. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Trad. Floriano de Souza Fernandes. Petrópolis: Vozes, 1985.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

BRITZMAN, Deborah. O que é esta coisa chamada Amor: identidade homossexual, educação e currículo. Revista Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 21, p. 71-96, 1996.

CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 2011.

CANCLINI, Néstor García. Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da interculturalidade. Trad. Luiz Sérgio Henriques. Rio de Janeiro: UFRJ, 2010.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Trad. Viviane Ribeiro. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

FABRÍCIO, Branca Falabella. Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

FAIRCLOUGH, Norman. Language and power. London, New York: Gongman, 1992.

FIGUEIRÓ, Mary Neide Damico. Homossexualidade e Educação Sexual: construindo o respeito à diversidade. Londrina: Ed. UEL, 2007.

FLACH, Roberta Matassoli Duran. Abuso digital ou prova de amor? O uso de aplicativos de controle/monitoramento nos relacionamentos afetivo-sexuais. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 12, n. 32, p. 1-14, 2019.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 2002.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1998.

GREEN, James. Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: EdUNESP, 1999.

GROHMANN, Rafael. Não sou/ não curto: sentidos circulantes nos discursos de apresentação do aplicativo Grindr. Revista Sessões do Imaginário. v. 21. n. 35. 2016. p. 71-79.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Trad. Tomás Tadeu da Silva. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

HARVEY, David. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Trad. Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Loyola, 1993.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2001.

LASH, Scott. A reflexividade e seus duplos: estrutura, estética, comunidade. In: BECK, Ulrich; GIDDENS, Anthony; LASH, Scott. (orgs.). Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Editora Unesp, 1997.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MARIUSSO, Victor Hugo Silva Gomes. Caça às Bruxas Bichas: homossexualidade e violência no Brasil contemporâneo. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2016.

MEDEIROS, Ettore Stefani de. Textos Verbo-visuais de homens que se relacionam afetivosexualmente com homens: Te(n)sões entre Masculinidades no Aplicativo Grindr. 156 páginas. Ano: 2018. Dissertação de Mestrado – Belo Horizonte/UFMG.

MISKOLCI, Richard. Discreto e fora do meio: notas sobre a visibilidade sexual contemporânea. Cadernos Pagu. Campinas, v. 20, n. 44, p. 45-68, 2015.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Identidades Fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2002.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

PERLONGHER, Nestor. O negócio do michê: a prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Fundacao Perseu Abramo, 2008.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. O conceito de identidade em Linguística: é chegada a hora para uma reconsideração radical? In: SIGNORINI, Ines. (org.). Língua(gem) e Identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

SARUP, M. Identity, Culture and the Postmodern World. Athens, GA: University of Georgia Press, 1996.

SILVA, Sandra Rúbia. Performances de masculinidade, práticas de subversão: o consumo de telefones celulares entre jovens de camadas populares. Comunicação, mídia e consumo, São Paulo, v. 9, n. 26, p. 61-82, 2012.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

VERTOVEC, Steven. Super-diversity and its implications: ethnic and racial studies. New York: Gongman, 2006.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.
Publicado
2020-08-11
Como Citar
Benitez de Melo, T., & Pires Santos, M. E. (2020). "Discreto, sigiloso, não afeminado”: representações identitárias e heteronormatividade no aplicativo de relacionamentos Grindr. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (31). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/csonline/article/view/30461
Seção
Dossiês