As gerações de grupos organizados de torcedores no Brasil

O caminho até as alianças

  • Eduardo Araripe Pacheco de Souza UFSC
Palavras-chave: Futebol. Grupos organizados. Aliança. Protagonismo. Invisibilidade.

Resumo

Estudos sobre torcedores de futebol no Brasil, principalmente os que se organizam em grupos (geralmente denominados “torcedores organizados” ou “torcedores uniformizados”), começaram a despertar interesse de pesquisadores sociais a partir da década de 1990, relacionados a temas como a violência nos esportes, comportamento juvenil, grupos urbanos, sociabilidades, entre outros de interesse das ciências sociais. Verdade é que os torcedores redimensionaram a relação torcida/futebol profissional e, especialmente, a relação espectador/espetáculo de futebol, através da mobilização coletiva nos estádios e aparição permanente na mídia. O presente estudo foi desenvolvido através de uma etnografia que pretende a compreensão sobre a organização, comportamento, perfil social e características associativas desses grupos; um processo muito maior, complexo e dinâmico que mudou a forma de pensar o assunto e alicerçou a interpretação sobre a formação das alianças entre torcidas de estados diferentes. A construção do vínculo social (Aliança) entre grupos de cidades diferentes, portanto, é interpretada como uma escolha determinante entre o protagonismo ou a invisibilidade, no contexto do futebol de espetáculo.

Referências

Referências Consultadas
ALVES, G. História do futebol em Pernambuco (1903/1950). Recife: Editora da Secretaria de Educação e Cultura, 1978.
ATHIAS, R. A noção de identidade étnica na antropologia brasileira: de Roquette Pinto à Roberto Cardoso de Oliveira. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2007.
BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.
BECKER, H. Segredos e truques da pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.
BECKER, L. Pioneirismos no futebol brasileiro. Curitiba: Editora campeões do futebol, 2012.

BRASÍLIA-DF. Lei nº 10.671, de 15 mai. 2003. Dispõe sobre o Estatuto de Defesa do Torcedor e dá outras providências. Disponível em: .

BUARQUE, B. O descobrimento do futebol: modernismo, regionalismo e paixão esportiva em José Lins do Rego. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2004.

BUFORD, B. Entre os vândalos: A multidão e a sedução da violência. São Paulo: Companhia das letras, 2010.

CAILLÉ, A. Dádiva e associação. In: A dádiva entre os modernos, Discussão sobre os fundamentos e as regras do social. MARTINS, P. H. (org.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CARDOSO de OLIVEIRA, R. Identidade, etnia e estrutura social. Rio de Janeiro: Biblioteca pioneira de Ciências Sociais, 1976.

CUNHA, F. A. Torcidas de futebol: espetáculo ou vandalismo. São Paulo: Scortecci, 2006.
DA MATTA, R. Universo do futebol. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.
_________. A bola corre mais que os homens: duas copas, treze crônicas e três ensaios sobre futebol. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.
_________. Carnavais, malandros e heróis: Para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1981.
_________. Relativizando: uma introdução à antropologia social. 2.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

DAOLIO, J. Futebol, cultura e sociedade. Campinas: Autores associados, 2005.
DEBORTOLI, J. A. O.; SILVA, S. R.; SILVA, T. F. (orgs.). O futebol nas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

DORTIER, J-F. Dicionário de Ciências Humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
DUNNING, E. “Figurando” o esporte moderno: algumas reflexões sobre esporte, violência e civilização com referência especial ao futebol. Dossiê: Revista de Ciências Sociais da UFC. Fortaleza, v.42, n.1, p.11-26, 2011.

ELIAS, N.; DUNNING, E. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.
ELIAS, N; SCOTSON, J.L. Os estabelecidos e os Outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

FERREIRA, J. M. História dos campeonatos: memória do futebol pernambucano (1915 a 2007). Recife: CEPE, 2007.

FRANCO JÚNIOR, H. A dança dos deuses: futebol, sociedade, cultura. São Paulo: Companhia das letras, 2007.

FLORENZANO, P. J. Democracia Corinthiana: Práticas de liberdade no futebol brasileiro. São Paulo: FAPESP, EDUC, 2010.

FREUD, S. Psicologia das massas e análise do eu. Porto Alegre: L&PM, 2013.
GAMEIRO, R. O Movimento Manguebeat na mudança da realidade sociopolítica de Pernambuco. In: VI Congresso português de sociologia. Lisboa, 2008.

GIULIANOTTI, R. Sociologia do futebol: dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria, 2010.
GODBOUT, J. T. O espírito da dádiva. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.
GODELIER, M. O enigma do Dom. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
GOMES, L. F. (et al.). Estatuto do Torcedor Comentado. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

GRABIA, G. La Doce, a explosiva história da torcida organizada mais temida do mundo. São Paulo: Panda Books, 2012.

GUEDES, S. L. O Brasil no campo de futebol: estudos antropológicos sobre os significados do futebol brasileiro. Niterói, RJ: EDUFF, 1998.

GURGEL, A. Futebol S/A: A economia em campo. São Paulo: Editora Saraiva, 2006.
HELAL, R.; SOARES, A. J.; LOVISOLO, H. (orgs.). A invenção do país do futebol: Mídia, Raça e Idolatria. Rio de Janeiro: Mauad, 2001.

HOLLANDA, B. B. B. O Clube Como Vontade e Representação: O Jornalismo Esportivo e a Formação das Torcidas Organizadas de Futebol do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora 7 Letras, 2010.

LE BON, G. Psicologia das Multidões. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
LUNA, C. E. F. A inserção das galeras de baile funk de corredor nas torcidas uniformizadas do Recife. Recife, 2010. (Monografia apresentada ao Departamento de Ciências Sociais, UFPE, para obtenção do grau de Bacharel em Ciências Sociais).

MACHADO, R. P.; SCALCO, L. M. Sobre bondes de marca: consumo e rituais entre jovens de baixa renda na cidade de Porto Alegre. In. RIAL; SILVA; SOUZA (org.). Consumo e cultura material: perspectivas etnográficas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2012.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 4. Ed. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2006.

MARTINS, P. H. A dádiva entre os modernos. Discussão sobre os fundamentos e regras do social. Petrópolis: Vozes, 2002.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo: EPU, 1974.
MOTA, L. A. Dádiva e sociabilidade no Brasil. In: Revista Anthropológicas, ano 6, volume 13 (2): 107-123 (2002).

MURAD, M. A violência e o futebol. Dos estudos clássicos aos dias atuais. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.
___________. Para entender a violência no futebol. São Paulo: Saraiva, 2012.
PEIRANO, M. A favor da etnografia. Brasília: Editora da Universidade de Brasília-DF, 1992.

PIMENTA, C. A. M. Torcidas Organizadas de futebol, violência e auto afirmação. Aspectos da construção das novas relações sociais. Taubaté, SP: Vogal Editora, 1997.

PIRES, A. A pesquisa qualitativa, enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010, pp.43-94.

PRIORI, M. História do esporte no Brasil. São Paulo: UNESP, 2009.
RAMOS, R. Futebol: Ideologia do poder. Petrópolis: Vozes, 1984.
REIS, H. H.B. Futebol e violência. Campinas, SP: Armazém do Ipê, 2006.
REIS, H. H.B; ESCHER, T. A. Futebol e sociedade. Brasília: Líber livros, 2006.
RIAL, C. Rodar: A circulação dos jogadores de futebol brasileiros no exterior. HORIZONTES ANTROPOLÓGICOS. Porto Alegre: UFRGS. IFCH. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Porto Alegre, Ano 14, n. 30, p. 21-65, 2008.
RIAL, C.; SILVA, S. R.; SOUZA, A. M. (orgs.). Consumo e Cultura material: perspectivas etnográficas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2012.

RODRIGUES FILHO, M. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.
SANTOS NETO, J. M. Visão do jogo: primórdios do futebol no Brasil. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

SANTOS, T. C. Dos espetáculos de massa às torcidas organizadas: paixão, rito e magia no futebol. São Paulo: Annablume,2004.

SIMMEL, G. A natureza sociológica do conflito. São Paulo: Ática, 1993.
SOARES, L. E. Futebol e teatro, notas para uma análise de estratégias simbólicas. Rio de Janeiro: Boletim do Museu Nacional, nº 033, série Antropologia, 1979.

SOUZA, A. A. Juizado do torcedor: penas, processo e inclusão social. Recife: Edições bagaço, 2007.

SOUZA, E. A. P. Paixão perigosa: uma etnografia das torcidas organizadas de Recife-PE. Olinda: Editora livro rápido, 2014.

SPOSITO, M. P. A sociabilidade juvenil e a rua: novos conflitos e ação coletiva na cidade. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP. São Paulo: 161-178, 1994.

TEIXEIRA, R. C. Os perigos da paixão: filosofia e prática das torcidas jovens cariocas. Dissertação (Mestrado em Antropologia). PPGSA, UFRJ, 1998.

TOLEDO, L. H. No país do futebol. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, 2000.
_________. Torcidas organizadas de futebol. Campinas, Autores associados/ANPOCS, 1996. 176 páginas.
__________. A cidade das torcidas: representações do espaço urbano entre os torcedores e torcidas de futebol na cidade de São Paulo. In: MAGNANI, J. G. C.; TORRES, L. L (orgs.). Na metrópole: textos de antropologia urbana. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

__________. Transgressão e violência entre torcedores de futebol. Revista da USP, n. 22, p. 92-101, 1994.
VELHO, G (org.). Antropologia Urbana. Cultura e sociedade no Brasil e em Portugal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

ZALUAR, A. A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. SÃO PAULO: BRASILIENSE, 2000.
Publicado
2020-06-01
Como Citar
Araripe Pacheco de Souza, E. (2020). As gerações de grupos organizados de torcedores no Brasil: O caminho até as alianças. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (31). https://doi.org/10.34019/1981-2140.2020.30164
Seção
Dossiês