Dilma vs Temer: O que foi prometido e o que realmente mudou para o Mercosul?

  • Ana Carolina dos Santos Costa UFPE/MESTRANDO
  • Victor Tavares Barbosa Ufpe / Mestrando
Palavras-chave: Mercosul, Política Externa Brasileira, Dilma, Temer

Resumo

O presente trabalho se propõe a investigar como as mudanças na política interna no Brasil a partir de 2011 até o fim do governo Temer, em 2018, interferiram na dinâmica do Mercosul. Para responder à pergunta deste trabalho pretendemos aliar os métodos de análise qualitativa com análise quantitativa de dados. Por um lado, utilizaremos a análise de conteúdo para entender os objetivos de cada presidente. Para Dilma I e II analisaremos as suas propostas de governo para a política externa brasileira (PEB). Para Temer, buscaremos os seus posicionamentos públicos sobre a PEB durante o processo de impeachment. Então, após identificar esses padrões, iremos nos debruçar sobre a quantidade dos acordos bi e multilaterais assinados por cada governo em relação ao Mercosul para então entender se as mudanças na política externa foram pragmáticas ou programáticas.  

Referências

REFERÊNCIAS
BASTOS, Pedro P. Z.; HIRATUKA, Celio. A política externa do governo Dilma Rousseff: comércio, cooperação e dependência. Texto para discussão, Unicamp, n. 306, jun., 2017.
BRASIL. Ministro das Relações Exteriores. Cerimônia de transmissão de cargo – Ministro José Serra. 18, maio, 2016. Disponível em: . Acessado: 31/08/2019
CHONG, Alan. Foreign Policy in Global Information Space Actualizing Soft Power, New York: Palgrave Macmillan. 2007.
CORNETET, João Marcelo C. A política externa de Dilma Rousseff: contenção na continuidade. Revista Conjuntura Astral, v. 5, n. 24, jun/jul, 2014.
DESIDERÁ NETO, Walter Antonio. O Brasil e o Mercosul no governo Dilma (2011-2016). Anuario de la Integración Regional de América Latina y el Caribe, n. 14, p. 117-137, 2017.

GOLDSMITH, Benjamin E., Imitation in International Relations Observational Learning, Analogies, and Foreign Policy in Russia and Ukraine, New York: Palgrave Macmillan. 2005.
KASSARJIAN, Harold H.. Content analysis in consumer research. Journal of Consumer Research, 4, 8–18. 1977.
KHARA, Nabin Kumar et al. Determinants of Foreign Policy: A Global Perspective. IJRAR-International Journal of Research and Analytical Reviews (IJRAR), v. 5, n. 3, p. 105-115-105-115, 2018.
LOBELL, Steven E.; TALIAFERRO, Jeffrey; RIPSMAN Norrin, Neoclassical Realism, the State and Foreign Policy. Cambridge: Cambridge University Press. 2009.
NETO, Octavio Amorim; MALAMUD, Andrés. What determines foreign policy in Latin America? Systemic versus domestic factors in Argentina, Brazil, and Mexico, 1946–2008. Latin American Politics and Society, v. 57, n. 4, p. 1-27, 2015.
NEUENDORF, Kimberly. The Content Analysis Guidebook (2nd ed.). Newbury Park, CA: Sage, 2012.
OLIVEIRA, Cesar A. T. A política externa do governo Temer: características e oportunidades de uma política pública negligenciada. Fronteira, Belo Horizonte, v. 17, n. 34, p. 296-309, 2018.
ROSE, Gideon. Neoclassical Realism and Theories of Foreign Policy. World Politics 51, 1: 144–72, 1998.
SILVA, Álvaro V. C. A política externa do governo Michel Temer (2016-2018): mudanças para legitimidade? Um teste da teoria de Charles Hermann. Revista Conjuntura Austral, Porto Alegre, v. 10, n. 49, p. 23-41, jan./mar., 2019.
WEBER, Robert Philip. Basic content analysis (2nd ed.). Newbury Park, CA: Sage, 1990.
Publicado
2020-06-17
Como Citar
dos Santos Costa, A. C., & Tavares Barbosa, V. (2020). Dilma vs Temer: O que foi prometido e o que realmente mudou para o Mercosul?. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (31), 26. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/csonline/article/view/29390
Seção
Artigos