Luta e voz nas favelas: representatividade, estereótipo, identidade e democracia às margens da cidade.

  • Fernanda Amaral De Montfort University
Palavras-chave: estereótipo, identidade, favelas, mediativismo, voz

Resumo

O presente artigo ancora-se nos Estudos Culturais para apresentar uma análise sobre a construção da identidade das favelas sob uma ótica estereotipada e suas consequências e refletir sobre o papel das redes sociais na luta por voz e democracia. Moradores das favelas constantemente não têm suas queixas ouvidas e têm pouca ou nenhuma representatividade no campo do debate democrático. A ausência de representação ou a representação negativa das favelas na mídia vem trazendo impactos aos seus residentes ao longo do último século, em um processo de dessensibilização da sociedade que torna esses grupos invisíveis e segrega-os às margens. A popularização das redes sociais nesses espaços, porém, trouxe mudanças nas dinâmicas entre a favela e a cidade formal e se apresenta como uma nova ferramenta para a inclusão desses grupos marginalizados no cotidiano da cidade, oferecendo novas oportunidades de serem vistos e ouvidos para que tomem seus lugares no campo do debate democrático.

Referências

ABREU, M.D.A. (1997) Evolução urbana do Rio de Janeiro. 3rd ed. Rio de Janeiro: IPLANRIO.
AMARAL, F (2019) They have something to say: a study of social media use and public discourse in the Rio de Janeiro favelas. De Montfort University.
ARAUJO, M.P.N. (2008) História e Memória de Vigário Geral. Rio de janeiro: Aeroplano.
BARONI, A., AGUIAR, L. and RODRIGUES, F. (2011) Novas configurações discursivas no jornalismo: narrativas digitais nas favelas do Rio de Janeiro. Estudos Em Comunicação, (9), pp. 309-327.
BRUM, E. (ed.) (2013) Onde está Amarildo?. Epoca. [online] 5th Aug. Available from: https://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/eliane-brum/noticia/2013/08/onde-esta-bamarildob.html. [Accessed 10/12/2018].
CAPRIGLIONE, L. (2015) Os mecanismos midiáticos que livram a cara dos crimes das polícias militares no Brasil. In: Bala perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, pp. 55-59.
DELLA PORTA, D. and DIANI, M. (2006) Social Movements : An Introduction. 2nd ed. Malden and Oxford: Blackwell Publishing.
EALHAM, C. (2005) Class, culture and conflict in Barcelona: 1898-1937. London and New York: Routledge.
GIORGIS, L. (1993) El “hombre” en las fronteras de la “identidad”. Cordoba: Mimeo.
GOLUBOVIĆ, Z. (2011) An Anthropological Conceptualisation of Identity'. Synthesis Philosophica, 26 (1), pp. 25-43.
HALL, S. (1997) Representation: Cultural Representations and Signifying Practices. 1st ed. London: SAGE.
HARTLEY, J. and MCWILLIAM, K. (2009) Story Circle: Digital Storytelling around the World. Massachusetts: Wiley-Blackwell.
JOVCHELOVITCH, S. and PRIEGO-HERNANDEZ, J. (2013) Sociabilidades subterrâneas: identidade, cultura e resistência em favelas do Rio de Janeiro. Brasilia: UNESCO.
LAMBERT, J. (2013) Digital Storytelling: Capturing Lives, Creating Community. New York: Routledge.
LAWY, J.R. (2017) Theorizing voice: Performativity, politics and listening. Anthropological Theory, 17 (2), pp. 192-215.
LEEDS, E. (2007) Rio de Janeiro. In: KOONINGS, K. and KRUIJT, D. (eds.) Fractured Cities: Social Exclusion, Urban Violence and Contested Spaces in Latin America. London: Zed Books, pp. 23-35.
LEITE, I.C. (2005) Pobreza, representações, identidade e Política Social. In: II Jornada Internacional de Políticas Públicas, 23-26/08/2005. São Luis: Universidade Federal do Maranhão, pp. 1-8.
LOPES, F.V. and ALVES, W. (2011) Discurso e redes sociais: o caso “Voz da comunidade”. Ciberlegenda, (25), pp. 111-123.
LUNDBY, K. (2008) Digital Storytelling, Mediatized Stories: Self- representations in New Media. New York: Peter Lang.
MAIA, J.D.O. (2017) Fogos digitais: letramentos de sobrevivência no Complexo do Alemão/RJ, Universidade Estadual de Campinas.
MEDINA, E.D. (2013) Narrativa e testemunho como formas de elaborar a violência policial: sobre Amarildo, Martiniano e outros trabalhadores. Revista Espaço De Diálogo E Desconexão, 7 (1), pp. 1-16.
MEIRELLES, R. and ATHAYDE, C. (2014) Um país chamado favela. São Paulo: Editora Gente.
MCCURDY, P., FEIGENBAUM, A. and FRENZEL, F. (2016) Protest Camps and Repertoires of Contention. Social Movement Studies, 15 (1), pp. 97-104.
POLLETTA, F. and JASPER, J.M. (2001) Collective Identity and Social Movements. Annual Review of Sociology, 27 (1), pp. 283-305.
RAMOS, S. and PAIVA, A. (2007) Mídia e violência: tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro: IUPERJ.
SANTOS, L.D. (2011) As identidades culturais: Proposições conceituais e teóricas. Revista Rascunhos Culturais, 2 (2), pp. 141-157.
TACCHI, J. (2009) Finding a Voice: Digital Storytelling as Participatory Development. In: HARTLEY, J. and MCWILLIAM, K. (eds.) Story Circle: Digital Storytelling Around the World.Massachusetts: Wiley-Blackwell, pp. 167-175.
WOODWARD, K. (2004) Questioning identity. 2. ed. ed. London: Routledge
ZHAO, S., GRASMUCK, S. and MARTIN, J. (2008) Identity construction on Facebook: Digital empowerment in anchored relationships. Computers in Human Behavior, (24), pp. 1816-1836.
Publicado
2020-01-15
Como Citar
Amaral, F. (2020). Luta e voz nas favelas: representatividade, estereótipo, identidade e democracia às margens da cidade. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (30). https://doi.org/10.34019/1981-2140.2019.27748
Seção
Dossiês