A descolonização dos Museus e a restituição das obras de arte africanas

o debate atual na França

  • Paula Santos Menezes Colégio Pedro II
  • Estefania Pinol Álvarez

Resumo

Este artigo visa contribuir como a abordagem decolonial no domínio da arte, que se desenvolve nos últimos anos no Brasil e no mundo, mas que ainda encontra fortes barreiras no continente europeu. Apresentaremos, portanto, o debate sobre restituição de bens culturais, particularmente em relação à África, sobre a qual a polêmica se desenvolve na Europa. Assim, neste artigo, pretendemos lançar as bases desta discussão à partir de uma leitura decolonial, apresentando algumas interpretações baseadas em literatura específica. Em seguida, apresentaremos como o tema da espoliação e pilhagem de obras de arte se desenvolveu na França, assim como uma análise sobre a escolha do léxico utilizado. Este debate sofrerá grande impacto à partir de relatório encomendado pelo governo Macron (o relatório Savoy-Sarr, que é divulgado no final de 2018), que defende mudanças estruturais para tornar a restituição possível. Por fim, analisaremos o marco legal hoje disponível. Em conclusão, defendemos que a restituição é uma reivindicação legitima e de potencial humanitário.

Publicado
2019-08-02
Como Citar
Santos Menezes, P., & Pinol Álvarez, E. (2019). A descolonização dos Museus e a restituição das obras de arte africanas. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (29), 23. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/csonline/article/view/26686
Seção
Dossiês