Como pesquisar a experiência do público em exposições de arte e tecnologia

Resumo

Equipamentos culturais têm demonstrado ascendente interesse em assumir em suas programações exposições de arte e tecnologia. Esta tendência está vinculada ao processo de reformulação de seus modelos expográficos, em busca de maior inserção e participação do público nas instituições. Por conta disso, são observados mais projetos experimentais, que exploram alternativas disposições do público ao agenciar diferentes condições para visitação. Com este processo, é constatada intensa disputa sobre como o espectador deve apropriadamente se relacionar com as propostas artísticas híbridas. A partir da particular posição que ocupo como pesquisadora, procuro ao longo deste artigo verificar como construir uma escrita etnográfica deste contexto de reestruturação expográfica a partir da reconfiguração da experiência do espectador. Considero ao longo do texto como minha trajetória de planejamento da pesquisa e de entrada em campo pode contribuir para uma forma de estudo sobre as exposições de arte e tecnologia e sua absorção no circuito mainstream da arte.

Biografia do Autor

Camila Damico Medina, Pesquisadora Independente

Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, linha de pesquisa Tecnologias da Comunicação e Estéticas. Bacharel em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense, tendo sua formação complementada pelo intercâmbio em Filosofia da Arte na Université Paris-VIII, França. Trabalha na elaboração de programas educativos experimentais.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
Medina, C. D. (2019). Como pesquisar a experiência do público em exposições de arte e tecnologia. CSOnline - REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS SOCIAIS, (29), 23. https://doi.org/10.34019/1981-2140.2019.26395
Seção
Dossiês