Percepção dos profissionais da Atenção Primária sobre a continuidade do cuidado no Método Canguru

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1809-8363.2023.v26.38882

Palavras-chave:

Método Canguru, Recém-Nascido Prematuro, Atenção Primária à Saúde, Cuidado, Continuidade da Assistência ao Paciente

Resumo

O Método Canguru é uma política de saúde no Brasil e propõe uma assistência humanizada aos recém-nascidos pré-termo e/ou de baixo peso e à sua família. Segundo a concepção brasileira, é desenvolvido em três etapas, sendo as duas primeiras realizadas no âmbito hospitalar e a terceira realizada no domicílio, com acompanhamento compartilhado entre a equipe hospitalar e a equipe da Atenção Primária à Saúde. O estudo teve como objetivo conhecer a percepção dos profissionais da Atenção Primária à Saúde em relação à continuidade do cuidado ao recém-nascido pré-termo e/ou baixo peso egresso da unidade neonatal. Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória com abordagem qualitativa, realizada com 22 profissionais da Atenção Primária que atuam no cuidado direto ao recém-nascido pré-termo e/ou baixo peso no município de Florianópolis, no período de fevereiro a março de 2020, utilizando a Análise de Conteúdo. Da pesquisa emergiram quatro categorias: Vínculo com a Família, Relacionamento Interdisciplinar na Atenção Primária à Saúde, Comunicação na Referência e contrarreferência e Aspectos Necessários para a Continuidade do Cuidado ao Recém-Nascido pré-termo e/ou baixo peso. Os profissionais consideram que há dificuldade na comunicação entre a atenção especializada e a Atenção Primária e sugerem capacitações a respeito do Método Canguru. Relatam, ainda, bom relacionamento interpessoal entre médicos e enfermeiros. Conclui-se que apesar das fragilidades apresentadas quanto à comunicação entre os serviços e o cuidado por vezes fragmentado, a vinculação com a estratégia saúde da família apresenta potencialidades para a manutenção da terceira etapa do Método.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Silva de Oliveira Hugen, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduanda de Enfermagem na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). CV: http://lattes.cnpq.br/5489937651230471

Roberta Costa, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduada, mestra e doutora em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora Associada I da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). CV: http://lattes.cnpq.br/6363785231091574

Thaise Alana Goronzi, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduada em Enfermagem e especialista em Saúde da Família e em Gestão da Saúde Pública pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). CV: http://lattes.cnpq.br/5343981707104901

Margarete Maria de Lima, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduada, mestra e doutora em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É Professora Adjunta na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). CV: http://lattes.cnpq.br/3401293565628581

Manuela Beatriz Velho, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduada, mestra e doutora em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É professora na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). CV: http://lattes.cnpq.br/2646106979211635

Christine Kivel, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduada em Enfermagem e especialista em Residencia Multiprofissional em Saúde Materno Infantil pelo Instituto Superior e Centro Educacional Luterano Bom Jesus (IELUSC); mestranda em Enfermagem na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). CV: http://lattes.cnpq.br/1046948792805061

Dionara Guarda, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduada em Enfermagem pelo Instituto Federal do Paraná (IFPR) e mestranda em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). CV: http://lattes.cnpq.br/3413064780300836

Laís Antunes Wilhelm, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduada, mestra e doutora em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com pós-doutorado pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). É Professora Adjunta na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). CV: http://lattes.cnpq.br/1262736543648762

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2024-01-12

Como Citar

Hugen, J. S. de O. ., Costa, R., Goronzi, T. A., Lima, M. M. de ., Velho, M. B., Kivel, C., Guarda, D., & Wilhelm, L. A. . (2024). Percepção dos profissionais da Atenção Primária sobre a continuidade do cuidado no Método Canguru. Revista De APS, 26. https://doi.org/10.34019/1809-8363.2023.v26.38882

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)