Prevalência de fatores associados à autopercepção do comportamento sexual de risco em adultos e idosos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1809-8363.2023.v26.36371

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Infecções Sexualmente Transmissíveis, Preservativos

Resumo

Introdução: o comportamento sexual de risco pode ser definido como aquele que expõe o indivíduo à maior probabilidade de contrair uma infecção sexualmente transmissível. Objetivo: avaliar a autopercepção do comportamento sexual de risco e seus fatores associados. Metodologia: foi realizado um estudo transversal com 1.443 adultos e idosos, de ambos os sexos, usuários da Atenção Primária à Saúde (APS) de Passo Fundo – RS, dos quais foram analisadas características sociodemográficas e comportamentais. Resultados: a prevalência da autopercepção do comportamento sexual de risco foi de 15% (IC95 13-17). Da amostra, 8,8% relataram ter tido dois ou mais parceiros sexuais no último ano, enquanto 64,6% não fazem uso de preservativo durante a relação sexual. Maior probabilidade de autopercepção do comportamento sexual de risco foi identificado em indivíduos cuja escolaridade é de nível fundamental, sem cônjuge e que relataram multiplicidade de parceiros sexuais. Conclusão: apesar da considerável prevalência da autopercepção de comportamento sexual de risco, esta não esteve relacionada ao não uso do preservativo, reforçando a necessidade de constante educação sexual da população adulta e idosa usuária da APS, visando à redução da exposição às doenças sexualmente transmissíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Inês Kunz, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Fisioterapeuta graduada e mestra em Biociências e Saúde pela pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e doutora em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professora Adjunta da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), campus Passo Fundo. CV: http://lattes.cnpq.br/3886109761047620

Ana Letícia Hartmann Görgen, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Graduada em Medicina pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Passo Fundo. CV: http://lattes.cnpq.br/8803871821261292

Gustavo Olszanski Acrani, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Graduado em Ciências Biológicas, mestre e doutor em Biologia Celular e Molecular pela Universidade de São Paulo (USP), com pós-doutorado  realizado na FMRP (USP) e na University of St Andrews, Escócia, e pós-doutorado na University of Glasgow, Escócia. Professor Adjunto da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). CV: http://lattes.cnpq.br/3182420343633439

Ivana Loraine Lindemann, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Graduada em Nutrição Humana pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), mestra em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Professora Associada da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). CV: http://lattes.cnpq.br/9416473276181283

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2024-01-18

Como Citar

Kunz, R. I., Görgen, A. L. H. ., Acrani, G. O., & Lindemann, I. L. (2024). Prevalência de fatores associados à autopercepção do comportamento sexual de risco em adultos e idosos. Revista De APS, 26. https://doi.org/10.34019/1809-8363.2023.v26.36371

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)