A importância dos grupos operativos na Atenção Primária à Saúde

Autores

  • Débora Layze de Freitas Sá Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE)
  • Paloma de Jesus Souza Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE), Montes Claros-MG
  • Myrna Rocha de Sales Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE)
  • Mônica Prates Queiroz Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMoc)
  • Jamile Pereira Dias dos Anjos Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMoc) https://orcid.org/0000-0001-5907-4010

Palavras-chave:

Processos Grupais, Atenção primária à saúde, Educação em Saúde

Resumo

Os grupos operativos são uma estratégia que reúne indivíduos com propósitos comuns para realizar atividades de promoção da saúde, prevenção de doenças e prestação de cuidados específicos que estimulam o autocuidado. Tais grupos estão presentes em diversos âmbitos do Sistema Único de Saúde (SUS), com predomínio na Atenção Primária à Saúde (APS), visto que esta é responsável pelo primeiro acesso do paciente e deve fornecer um cuidado integral, longitudinal e coordenado. Objetivou-se descrever a importância da realização de grupos operativos na APS. Trata-se de revisão integrativa de literatura com busca na base de dados BVS e SciELO, com os termos “grupos operativos” e “Atenção Primária à Saúde”. O critério de inclusão foi: ano de publicação (2016 a 2020). Os grupos operativos constituem-se como ferramentas facilitadoras do acesso dos usuários aos serviços, ademais, mostram-se efetivos na promoção da saúde por promoverem o empoderamento e a autonomia dos indivíduos, capacitando-os a lidarem com seus fatores de risco e problemas de saúde, tornando-os ativos no processo de defesa da vida. Na APS, os impactos dessas atividades refletem na maior otimização dos serviços, melhor envolvimento entre a equipe e o usuário, redução da necessidade de consultas individuais e maior qualidade de vida da população. Esta se mostra mais apta para o autocuidado e capacitada para promover mudanças em seus hábitos de vida, que culmina na diminuição dos determinantes de risco para a sua saúde. Assim, através de uma metodologia que envolve problematização e discussões, os grupos operativos ofertam um processo de educação continuada, fundamental para a promoção da saúde e fortalecimento da APS. Conclui-se que os grupos operativos são fundamentais para a oferta de um serviço de saúde integral, emancipador e humanizado à população. Por isso, acredita-se ser indispensável a capacitação dos profissionais de saúde para a realização dessas atividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Layze de Freitas Sá, Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE)

Graduanda em Medicina.

Paloma de Jesus Souza, Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE), Montes Claros-MG

Graduanda em Medicina.

Myrna Rocha de Sales, Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE)

Graduanda em Medicina.

Mônica Prates Queiroz, Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMoc)

Especialista em Saúde Mental e Atenção Psicossocial.

Jamile Pereira Dias dos Anjos, Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMoc)

Especialista em Medicina de Família e Comunidade; Professora do Curso de Graduação em Medicina.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Edição

Seção

Resumos