Cuidado Paliativo nos idosos assistidos pela Atenção Primária à Saúde

Autores

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Cuidados paliativos, Prevenção primária, Saúde do Idoso Institucionalizado

Resumo

Envelhecer é um processo dinâmico do ser humano, envolvendo fatores biopsicossociais. Devido a longevidade, há uma maior prevalência de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) e incuráveis. Sendo assim, o cuidado paliativo (CP) é uma forma multidisciplinar de atenção integral a pacientes com doenças em fase avançada ou terminal, acometendo os idosos. Ademais, a Atenção Primária à Saúde (APS) possibilita o acesso longitudinal e integral a essa modalidade, a fim de melhorar experiências ao final da vida. Objetivou-se compreender as dificuldades dos CP na APS para os idosos. Trata-se de uma revisão de literatura de artigos publicados nos últimos 05 anos nas bases Medline, Lilacs, PubMed e Scielo, com os DECS: “Atenção Primária à Saúde”; “Saúde do Idoso Institucionalizado” e “Cuidados Paliativos”. A senescência é caracterizada pela queda do sistema funcional do indivíduo, como declínio dos sistemas imunológico, endócrino e neurológico. As DCNT, como a doença cardiovascular, diabetes, câncer e entre outras, são algumas das principais causas de mortalidade no Brasil, e a demanda de pessoas acometidas aumenta. Tais condições, em estágios avançados, exigem cuidados contínuos e progressivos, com amplo acesso aos CP. Porém, o paliar ainda está concentrado em centros de medicina especializada, dificultando o acesso e sendo restrito a uma pequena parcela da população. Entretanto, a APS está disponível à toda população brasileira, porém, faltam incentivos políticos para a inclusão desta. Notavelmente, a APS pode ofertar uma assistência ao CP, de forma não especializada, promovendo saúde, amenizando os sintomas e proporcionando um acompanhamento da equipe, família e paciente, efetivando o cuidado a quem enfrenta condições de saúde incuráveis. Por fim, constatou-se na APS um déficit na inserção do CP, sendo necessário uma reformulação na política pública para que haja uma melhor eficiência da técnica a quem necessita, possibilitando um melhor manejo dos pacientes em fase terminal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa da Silva Chini, Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto (CUERP)

Acadêmica de Medicina de Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, São Paulo.

Gabriela Benedini Strini Portinari Beja, Centro Universitário Barão de Mauá-CBM

Ensino Superior Completo. Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo, 2012. Acadêmica de Medicina do Centro Universitário Barão de Mauá-CBM. Ribeirão Preto, São Paulo.

Larissa de Menezes Cabral, Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto, CUERP

Ensino Superior Completo Universidade Paulista, 1999. Acadêmica de Medicina do Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto, CUERP- SP.

Marilene Ferraz Cavalieri, Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto

Ensino superior completo: faculdade Pitàgoras de Belo Horizonte, 2010. Acadêmica de medicina do Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto . Ribeirão Preto , São Paulo.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Edição

Seção

Resumos