Cenário das doenças diarreicas agudas em Alagoas: o impacto na saúde coletiva

Autores

  • Renata Fortes Itagyba Universidade do Estado de Mato Grosso, Câmpus Universitário de Cáceres
  • Isadora Monte Serrate Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Kamila Binsfeld Finger Universidade do Estado de Mato Grosso https://orcid.org/0000-0002-7240-486X
  • Robson Gomes de Sá Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Anayana Cristina Pertile Universidade do Estado de Mato Grosso https://orcid.org/0000-0002-9658-3241

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde

Resumo

As doenças diarreicas agudas (DDA) são causa importante de morbimortalidade, relacionando-se com os níveis de salubridade coletiva. Mundialmente, é a segunda causa de morte em crianças menores de 5 anos. No Brasil, a região Nordeste apresentou índices alarmantes de DDA, sendo Alagoas o estado mais prevalente. Essa realidade destaca a importância do tratamento da água e do investimento em questões estruturais de saúde pública no estado alagoano e, especificamente, em sua capital Maceió. Objetivou-se correlacionar as principais causas de DDA em Maceió com questões fundamentais à saúde coletiva, abordando, portanto, uma temática de interesse nacional. Com isso, fez-se revisão dos dados disponíveis no DATASUS, com recorte temporal entre 2000 e 2013, período com dados mais atualizados. Ademais, para análise minuciosa, recorreu-se às informações estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Programa Nacional de Amostra por Domicílio (PNAD). Assim, em Maceió, 62,4% dos domicílios têm fossas sépticas ou rudimentares como instalação sanitária. Além disso, 74,26% das casas possuem abastecimento de água pela rede geral, enquanto o restante utiliza outras fontes, como poços ou nascentes. Isso é relevante para compreender a história natural das DDA e traçar um panorama aproximado da realidade, já que a subnotificação dificulta o real reconhecimento da situação local, impedindo ações de contenção. Nesse aspecto, na Atenção Básica, é essencial analisar não só questões clínicas intrínsecas das DDA, mas também os objetos de saúde coletiva levantados acima, visto o impacto direto no bem-estar das populações vulneráveis. Em conclusão, as DDA são provocadas, principalmente, por precárias condições de saneamento básico. Portanto, deve-se garantir que políticas públicas de melhoria no tratamento de água e coleta de esgoto estejam inter-relacionadas com promoção de saúde, por meio de ações integradas, multidisciplinares e intersetoriais que abranjam o longo prazo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Fortes Itagyba, Universidade do Estado de Mato Grosso, Câmpus Universitário de Cáceres

Pós-doutoranda em Medicina pela Universidade de São Paulo (2021-2023). Doutora em Ciências da Saúde pelo programa de Saúde Global e Sustentabilidade pela Faculdade de Saúde Pública da USP (2019). Professora da Universidade Estadual de Mato Grosso (2019). Acadêmica do curso de Medicina na Universidade Estadual de Mato Grosso (2018-2023).

Isadora Monte Serrate, Universidade do Estado de Mato Grosso

Discente de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus Universitário de Cáceres; 

Kamila Binsfeld Finger, Universidade do Estado de Mato Grosso

Discente de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus Universitário de Cáceres. 

Robson Gomes de Sá, Universidade do Estado de Mato Grosso

Discente de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus Universitário de Cáceres.

Anayana Cristina Pertile, Universidade do Estado de Mato Grosso

Orientadora e professora do curso de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus Universitário de Cáceres.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Edição

Seção

Resumos