Avaliação da integralidade da atenção primária à saúde de crianças e adolescentes com HIV: experiência dos profissionais

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Avaliação de Serviços de Saúde, Saúde da Criança, Saúde do Adolescente, HIV

Resumo

Objetivo: Avaliar o atributo integralidade da Atenção Primária à Saúde, com foco em crianças e adolescentes vivendo com HIV, na experiência de profissionais, comparando unidades dos modelos tradicional e Estratégia Saúde da Família (ESF). Método: Estudo transversal com 527 profissionais em 25 municípios de procedência da população em acompanhamento em serviço especializado no Rio Grande do Sul (Brasil). Entrevistas desenvolvidas de março a agosto de 2014, com o instrumento Primary Care Assessment Tool-Brasil. Resultados: Somente a ESF alcançou alto escore geral (7,42), inclusive para serviços disponíveis (7,18) e prestados (7,67). Variáveis que contribuíram para o alto escore: clínico geral (p =  0,05), ≤ 15 anos/formação (p = 0,001) e pós-graduação (p < 0,001). Conclusão: A atenção primária é capaz de oferecer atenção integral a crianças e adolescentes que vivem com HIV. É necessária superação das unidades do modelo tradicional, incentivo à pós-graduação dos profissionais e manutenção de um vínculo empregatício.

Biografia do Autor

Rafael da Silva Oliveira, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Enfermeiro. Mestre em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Raquel Einloft Kleinubing, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Enfermeira. Doutora em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Stela Maris de Mello Padoin, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora Associada no Departamento de Enfermagem e Docente no Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Cristiane Cardoso de Paula, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora Associada no Departamento de Enfermagem e Docente no Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Publicado
2020-06-22
Seção
Artigos Originais