TENSÃO ENTRE MODELO BIOMÉDICO E ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÕES DOS TRABALHADORES DE SAÚDE

Autores

  • Geordany Rose de Oliveira Viana Esmeraldo
  • Lúcia Conde de Oliveira Universidade Estadual do Ceará
  • Carlos Eduardo Esmeraldo Filho Fanor/Devry
  • Danielly Maia de Queiroz Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

DOI:

https://doi.org/10.34019/1809-8363.2017.v20.15786

Palavras-chave:

, Estratégia de Saúde da Família, Atenção Primária à Saúde, Sistema Único de Saúde.

Resumo

Objetiva-se analisar os modelos de atenção existentes na atenção básica e suas repercussões no processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família (ESF).  Trata-se de uma pesquisa qualitativa realizada no município de Fortaleza-CE, com catorze sujeitos, dentre eles, trabalhadores da saúde, coordenadores e informantes-chave. Para coleta de dados, utilizou-se entrevista semiestruturada e análise documental, e para análise dos dados, o método de Análise de Conteúdo. Os resultados revelaram a coexistência do modelo biomédico tradicional e da ESF, cujas práticas ainda não correspondem em sua plenitude à proposta substitutiva de reorganização do modelo. Diferentemente da percepção dos trabalhadores de saúde, os coordenadores ainda se norteavam por concepções do modelo biomédico tradicional hegemônico, alicerçadas em práticas restritamente assistencialistas. Considera-se que é necessário alinhar essas percepções, para possibilitar novas formas de gestão e de intervenção em saúde, de modo que a organização do processo de trabalho das equipes esteja em consonância com as diretrizes da ESF, permitindo a concretização da longitudinalidade do cuidado e o reordenamento da rede de atenção, funções expressamente assumidas pela atenção básica.

Biografia do Autor

Lúcia Conde de Oliveira, Universidade Estadual do Ceará

Professora adjunta da Universidade Estadual de Ceará, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, curso de serviço social e mestrado acadêmico de Saúde Pública, Doutora em Saúde Coletiva (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Carlos Eduardo Esmeraldo Filho, Fanor/Devry

Professor da Fanor/Devry, curso de Psicologia, Mestre em Saúde Pública (Universidade Estadual do Ceará)

Danielly Maia de Queiroz, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Professora substituta da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Curso de Enfermagem, Mestre em Saúde Coletiva (Universidade Estadual do Ceará)

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2017-07-31

Edição

Seção

Artigos Originais