Decotes de linguagem

o palavrão e o pudor pela presença simbólica da nudez

Autores

  • Eugênio Paccelli Aguiar Freire
  • Maria das Graças Galvão Pinto Coelho

Palavras-chave:

Tabu linguístico, Abrandamento midiático, Pudor cristão, Comunicação midiática

Resumo

Este artigo é oriundo de uma pesquisa em desenvolvimento e pretende examinar eventuais relações entra a moral cristã e a construção de sentido dos “palavrões” neste país. Para tanto, serão examinados dados sobre o uso daqueles termos do país em paralelo ao escopo lexical relacionado aos palavrões delimitado por grandes dicionários nacionais, somado, ainda, a um breve exame de enxertos bíblicos. Tal análise expressiva será procedida a partir de um diálogo com o conceito do Baixo Corporal, de Bakhtin (2010), e com as compreensões do poder pastoral e das técnicas de si, de Foucault (2008, 2004a). O pensamento a ser desenvolvido em diálogo com aqueles autores buscará a compreensão sobre como compreensões cristãs acerca da sexualidade poderiam compor a carga afetiva associada ao uso de palavrões no Brasil, bem como constituiriam o exercício de abrandamentos para a remissão a partes corpóreas remissivas à sexualidade. Ao final, identificou-se que os palavrões, ao suscitarem a nudez genital, relacionam seus sentidos e valoração social aos pudores corpóreos cristãos, suscitando asco análogo ao do baixo corporal e recuperando, pela linguagem verbal, um constrangimento construído a partir daquele comumente associado à nudez.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-08-09

Como Citar

Paccelli Aguiar Freire, E. ., & das Graças Galvão Pinto Coelho, M. . (2022). Decotes de linguagem: o palavrão e o pudor pela presença simbólica da nudez. Tríades Em Revista: Transversalidades, Design E Linguagens, 11(1), 47–48. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/triades/article/view/42653

Edição

Seção

Artigos