Axé do meu axé:

Uma Perspectiva Freiriana sobre o Papel do Candomblé em uma Educação Libertadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2023.v20.40356

Palavras-chave:

Educação Libertadora, Paulo Freire, Candomblé

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo geral compreender o papel do Candomblé em uma educação libertadora. Para tanto, tomando como base teórica o escrito “O Papel Educativo das Igrejas na América Latina” de Paulo Freire, é traçada uma relação de ferramentas que uma religião possui nesse processo de libertação através da educação. Esta pesquisa será aplicada em um Barracão de Candomblé localizado em uma cidade no interior do Estado do Rio de Janeiro. Mediante um estudo observacional participativo, busca-se depreender as dinâmicas da transmissão de ensinamentos dentro do Candomblé e também o comportamento de seus participantes na construção de saberes, além da forma como concebem a transcendência e sua relação com o mundo, bem como o seu papel nesta relação. Ao final do estudo, o papel presente e seu “inédito viável” do Candomblé em uma educação libertadora são analisados através dos dados obtidos.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Paulo Maurano Savedra, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutorando em Sociologia no Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP/UERJ), mestre em Teoria e Filosofia do Direito pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGD/UERJ), pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Direito e Ciências Sociais (DECISO) do IESP-UERJ, pós-graduado em Gestão Jurídica e Processo Civil pelo Instituto Brasileiro de Mercados e Capitais (IBMEC) e graduado em Direito pela Universidade Estácio de Sá (UNESA). Advogado, professor convidado na Universidade Castelo Branco (UCB), na Universidade de Vassouras (UNIVASSOURAS) e do Curso de Direito de Trânsito na Prática no Instituto Abreu Bindé (IAB), articulista e palestrante. | Tel.: (21) 99118-0926 | E-mail: alan@savedraedanille.com.br

 

Priscilla Portella Pereira Danille, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Mestranda em Direito Penal na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Pós-graduada em Gestão Jurídica e Processo Civil pelo Instituto Brasileiro de Mercados e Capitais (IBMEC), Especializada no Curso Livre da Fundação Escola Superior da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (FESUDEPERJ) e graduado pela Universidade Estácio de Sá (UNESA). Advogada, membra do Conselho Comunitário de Segurança Pública de Maricá.

Referências

ABÍLIO, Francisco José Pegado; SILVA, Maria Conceição; SILVA, Dayane Santos. Relações com e na natureza nos Terreiros de Candomblé Obá Ogunté e Nosso Senhor do Bonfim, PE: espaços educativos de ser e estar no mundo. Educação e Cultura Contemporânea, [S.L.], v. 17, n. 48, p. 495-512, 2020. GN1 Genesis Network. http://dx.doi.org/10.5935/2238-1279.20200045.

BASTIDE, R. Estudos afro-brasileiros. São Paulo: Perspectiva, 1973.

BATISTA, Mariana; DOMINGOS, Amanda. MAIS QUE BOAS INTENÇÕES: técnicas quantitativas e qualitativas na avaliação de impacto de políticas públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 1-24, jul. 2017. Semestral. Disponível em: https://doi.org/10.17666/329414/2017. Acesso em: 20 dez. 2021.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em ciências sociais. Em Tese: Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, [s. l], v. 2, n. 1, p. 68-80, maio 2005. Semestral. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/view/18027/16976. Acesso em: 19 jan. 2022.

BRAGA, Júlio S. Na gamela do feitiço: repressão e resistência nos candomblés da Bahia. Salvador: EDUFBA, 1995

FALCÃO, Christiane Rocha. A idade do santo. Crianças e autoridade ritual no candomblé. Horizontes Antropológicos: quadrimestral, Porto Alegre, v. 27, n. 60, p. 379-403, ago. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-71832021000200013. Acesso em: 05 maio 2022.

FONTAINHA, Fernando de Castro. Um pesquisador na EMERJ: negociações de uma postura de pesquisa em um mundo institucionalizado. Revista de Estudos Empíricos em Direito, [S.L.], v. 2, n. 1, p. 93-111, 31 jan. 2015. Fluxo Contínuo. Instituto Rede de Pesquisa Empirica em Direito (REED). http://dx.doi.org/10.19092/reed.v2i1.55. Disponível em: https://doi.org/10.19092/reed.v2i1.55. Acesso em: 01 jun. 2022.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 50. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. 4 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992

FREIRE, Paulo. Os Cristãos e a Libertação dos Oprimidos. Lisboa: Edições Base, 1978. 52 p.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 12a ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

HOOKS, Bell. A teoria como prática libertadora. In: HOOKS, Bell. Ensinado a Transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013. Cap. 5. p. 83-104.

IYAGUNÃ, Dalzira Maria Aparecida; DANTAS, Luis Thiago Freire. A criança e o Candomblé: considerações acerca de uma educação decolonial. Momento: diálogos em educação, Rio Grande, v. 28, n. 1, p. 42-56, jan/abr, 2019.

JAGUN, Márcio de. Orí: A Cabeça como Divindade: história, cultura, filosofia e religiosidade africana. Rio de Janeiro: Litteris, 2015. 248 p.

MEMMI, Albert. Retrato do Colonizado Precedido de Retrato do Colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. 190 p.

RABELO, Miriam C. M.. Obrigações e a construção de vínculos no candomblé. Mana, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 1-31, 30 abr. 2020. Quadrimestral. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1678-49442020v26n1a201. Acesso em: 04 jun. 2022.

REIS NETO, João Augusto dos. A Pedagogia de Exu: educar para resistir e (r)existir. Revista Calundu, Brasília, v. 3, n. 2, p. 7-33, 30 dez. 2019. Semestral. Disponível em: http://dx.doi.org/10.26512/revistacalundu.v3i2.27476. Acesso em: 31 maio 2022.

SANTOS, Jefferson da Silva; GEHLEN, Simoni Tormöhlen. As relações teórico-metodológicas entre Freire e Dussel e suas contribuições para uma práxis axiológico-transformadora. Pro-Posições, Campinas, v. 33, n. 33, p. 1-27, 03 nov. 2020. Anual. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-6248-2020-0022. Acesso em: 01 abr. 2022.

SCORSOLINI-COMIN, Fabio; RIBEIRO, Ariadne Christie Silva; GAIA, Ronan da Silva Parreira. TRADIÇÃO E SOCIALIZAÇÃO NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE UBERABA-MG: análise bioecológica dos percursos religiosos. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 32, p. 1-18, 2020. Fluxo Contínuo. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1807-0310/2020v32223042. Acesso em: 25 maio 2022.

VERGER, Pierre; CARYBÉ, Hector J. Lendas Africanas dos Orixás. 4. ed. Salvador:

Corrupio, 2011.

XAVIER, José Roberto Franco (org.). Algumas notas sobre a entrevista qualitativa de pesquisa. In: MACHADO, Maíra Rocha (org.). Pesquisar Empiricamente o Direito. São Paulo: Rede de Estudos Empíricos em Direito, 2017. Cap. 4. p. 119-160.

Downloads

Publicado

2023-08-18

Como Citar

MAURANO SAVEDRA, A. P.; PORTELLA PEREIRA DANILLE, P. Axé do meu axé: : Uma Perspectiva Freiriana sobre o Papel do Candomblé em uma Educação Libertadora. Sacrilegens , [S. l.], v. 20, n. 1, 2023. DOI: 10.34019/2237-6151.2023.v20.40356. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/40356. Acesso em: 16 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Modernidade e Religião