Matriarcado no campo do Asè

A importância de Ialorixás para experiências horizontais nos terreiros

Autores

  • Beatriz Alves Vasconcelos Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2022.v19.37426

Palavras-chave:

afrocentricidade, religião, terreiro, matriarcado

Resumo

A práxis no campo da afrocentricidade se destaca pela liderança feminina, à frente das organizações públicas e privadas. Contrariando o pensamento ocidental patriarcal, o presente artigo busca refletir sobre o prestígio de mulheres e como suas posições são elementares para a religiosidade em terreiros. Para tanto, pensadores afrocentristas serão utilizados para auxiliar no desenvolvimento deste artigo, como Asante (1988), Hudson-Weems (2019) e Nogueira (2019), haja visto grande relevância científica dos mesmos para um campo cada vez menos eurocentrado. Com a contribuição dessa bibliografia, entende-se que o posicionamento das Ialorixás nos terreiros é divergente para a constituição de nossa sociedade patriarcal e, justamente por isso, apresenta-se como necessária para desfazer a intensa reprodução de desigualdade de gênero, raça e classe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASANTE, M. Afrocentricidade. Philadelphia: Afrocentricity International, 2014.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007[1979].

_______. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011[1982].

_______. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 17ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2020[1998].

BERNARDO, T. O Candomblé e o Poder Feminino. Revista de Estudos da Religião Nº 2 / 2005 / pp. 1-21.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. Boitempo Editorial, 2021.

CARVALHO, M. Interseccionalidade: um exercício teórico a partir de uma pesquisa empírica. Cadernos de Pesquisa [online]. 2020, v. 50, n. 176 [Acessado 18 Novembro 2021] , pp. 360-374. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/198053147068>. Epub 07 Set 2020. ISSN 1980-5314..

CERQUEIRA, D. Atlas da Violência 2021. São Paulo: FBSP, 2021.

FEDERICI, S. O ponto zero da revolução. Trabalho doméstico, reprodução e luta

feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FONSECA, D. Negros Corpos (I)maculados: Mulher, Catolicismo e Testemunho. Dissertação de Doutorado. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2000.

FONTES, M. Anais IV DESFAZENDO GÊNERO. Campina Grande: Realize Editora, 2019. Disponível em: <https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/64271>. Acesso em: 10/11/2021 17:33.

GOMES, E; OLIVEIRA, L. C. Memórias documentadas do grupo “Tradição dos Orixás”: reações, resistência e ressonâncias afro-brasileiras dos anos 1980. Religião & Sociedade [online]. 2021, v. 41, n. 03 [Acessado 22 Março 2022] , pp. 25-50. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/0100-85872021v41n3cap01>. Epub 09 Mar 2022. ISSN 1984-0438. https://doi.org/10.1590/0100-85872021v41n3cap01.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social [online]. 2014, v. 26, n. 1 [Acessado 12 Novembro 2021] , pp. 61-73. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0103-20702014000100005>. Epub 30 Jul 2014. ISSN 1809-4554.

HUDSON-WEEMS, C. Africana womanism: Reclaiming ourselves. Routledge, 2019.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Rio de Janeiro: 2018.

MANZI, M.; ANJOS, M. E. S. C. O corpo, a casa e a cidade: territorialidades de mulheres negras no Brasil. Revista brasileira de estudos urbanos e regionais. Dossiê Território, Gênero e Interseccionalidades. v. 23, E202132pt, 2021. DOI 10.22296/2317- 1529.rbeur.202132pt

MBEMBE, A. Sortir de la grand nuit: essai sur l’Afrique décolonisée. Paris: La Découverte, 2010, p.172.

NASCIMENTO, E. Guerreiras de natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. Vol. 3. Grupo Editorial Summus, 2008.

_______. A matriz africana no mundo. Vol. 1. Selo Negro Edições, 2012

_______. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. Vol. 4. Selo Negro, 2013.

NOGUEIRA, G. “Na minha casa mando eu”: Mães de santo, comunidades de terreiro e Estado. Dissertação de Doutorado. Brasília: Universidade de Brasília, 2019.

NOGUEIRA, S. B. Intolerância religiosa. São Paulo: Pólen, 2020.

PASSOS, M. Oiá Bethânia: Amálgama de mitos. 2004. Tese (graduação em Comunicação Social) – Universidade Estadual da Bahia, BA.

PINTO, F. Umbanda religião brasileira: guia para leigos e iniciantes. Rio de Janeiro: Pallas, 2014.

_______. Salve o matriarcado: manual da mulher búfala. Fundamentos de Axé, 2021.

ROSA, L. “No terreiro predomina mais a mulher, porque a mulher tem mais carisma”: Música, gênero, raça, sexualidade e cotidiano no culto da Jurema (Olinda, PE). Fazendo Gênero, v. 9, 2010.

Downloads

Publicado

2022-08-26

Como Citar

ALVES VASCONCELOS, B. Matriarcado no campo do Asè: A importância de Ialorixás para experiências horizontais nos terreiros. Sacrilegens , [S. l.], v. 19, n. 1, 2022. DOI: 10.34019/2237-6151.2022.v19.37426. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/37426. Acesso em: 26 set. 2022.