O não-agir no Taoísmo

Autores

  • Klinger Scoralick Cap João XXIII - UFJF

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2021.v18.36075

Palavras-chave:

Taoísmo, Não-agir, Wu wei, Tao, Ética

Resumo

Este texto é uma apresentação preliminar sobre a noção de não-agir, que pertence à tradição do taoísmo. Trata-se aqui de um esforço de compreensão em forma de anotações, um mapeamento das estruturas e de caminhos possíveis para se percorrer o vasto labirinto dessa filosofia tão antiga e, em princípio, tão distante da cultura judaico-cristã. Não se tem aqui a pretensão de se propor qualquer novidade quanto ao pensamento taoísta, mas tão-somente descrever o significado do não-agir e, consequentemente, da própria noção de Tao.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, Murilo Nunes de. O olho do furacão; um panorama do pensamento do Extremo Oriente. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1973.

BERTHRONG, John. “Sábios e imortais: as religiões chinesas” In: BEAVER, R. Pierce et al. (ed.) As religiões do mundo. São Paulo, Melhoramentos, 1996, pp. 245-254.

CAVIN, Albert. Le confucianisme. Paris, Garnier Frères, 1968.

DO-DINH, Pierre. Confucius et l’humanisme chinois. Paris, Du Seuil, 1958.

DONINI, Ambrogio. “Buda, Confúcio e Maomé” In: Breve história das religiões. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1965, pp. 297-315.

ELORDUY, Carmelo. El humanismo político oriental. Madrid, La Editorial Catolica, 1976.

HODOUS, Lewis. “Confucionismo” In: JURJI, Edward J. História das grandes religiões. Rio de Janeiro, O Cruzeiro, 1956a, pp. 9-35.

____. “Taoísmo” In: JURJI, Edward J. História das grandes religiões. Rio de Janeiro, O Cruzeiro, 1956b, pp. 37-58.

KALTENMARK, Max. Lao Tseu et le Taoïsme. Paris, Du Seuil, 1965.

LAO-TSE. Tao Te King. Trad. de Huberto Rohden. São Paulo: Fundação Alvorada, 1973.

MASPERO, Henri. Le Taoïsme et les religions chinoises. Paris, Gallimard, 1971.

MASSON-OURSEL, Paul. “La Chine” In: GORCE, Maxime, MORTIER, Raoul (ed.) Histoire générale des religions. Paris, Aristide Quillet, 1948, pp. 449-465.

MERTON, Thomas. A via de Chuang Tzu. Petrópolis: Vozes, 1989.

PIAZZA, Waldomiro O. Religiões da humanidade. São Paulo, Loyola, 1991.

POTTER, Charles Francis. “Confúcio” In: ____. História das religiões. São Paulo, Universitária, 1944.

SCHIPPER, Kristofer. “O tauismo” In: DELUMEAU, Jean (ed.) As grandes religiões do mundo. Lisboa, Presença, 1997, pp. 506-550.

SE-TSIEN KAO, Juan Bautista. La filosofía social y política del confucianismo. Buenos Aires, Poblet, 1945.

SPROVIERO, Mário Bruno. “Aspectos da filosofia chinesa: Confúcio e Laozi” In: Reflexão. v. 14, n. 41, 1998, pp. 45-64.

VANDERMEERSCH, Léon. “O confucionismo” In: DELUMEAU, Jean (ed.) As grandes religiões do mundo. Lisboa, Presença, 1997, pp. 551-581.

VANDIER-NICOLAS, Nicole. Le Taoïsme. Paris, P.U.F., 1965.

WILGES, Irineu. “Religiões sapienciais” In: ____. As religiões do mundo. Petrópolis, Vozes, 1982, pp. 20-50.

ZILLES, Urbano. “Religiões sapienciais” In: ____. Religiões; crenças e crendices. Porto Alegre, EDIPCRS, 1997, 13-57.

Downloads

Publicado

2022-01-30

Como Citar

SCORALICK, K. O não-agir no Taoísmo. Sacrilegens , [S. l.], v. 18, n. 2, p. p. 270–287, 2022. DOI: 10.34019/2237-6151.2021.v18.36075. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/36075. Acesso em: 26 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Tradições e Religiões Asiáticas