Cristianismo, existência e individuação na filosofia de Kierkegaard

Autores

  • Walace Alexsander Cruz Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE)

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2021.v18.34945

Palavras-chave:

Cristianismo. Absoluto. Indivíduo. Individuação. Existência.

Resumo

Søren Kierkegaard, teólogo e filósofo dinamarquês do século XIX foi um cristão que contestou o cristianismo. Assim como Lutero no século XVI, o pensador nórdico protestou contra a cristandade e, a seu modo, promoveu uma nova reforma na vida interior do cristianismo. Kierkegaard luta contra a cristandade na tentativa de resgatar o que ele denominava de crístico. Ao contrário do que se cria em seu tempo, o cristianismo não estava na institucionalidade da Igreja, tampouco, em seus clérigos. Kierkegaard relativiza até mesmo a Bíblia ao relegar a experiência cristã a uma relação em que o indivíduo está posto sozinho diante do Absoluto, sem quaisquer mediações à exceção do próprio Cristo. O pensador de Copenhague entende como tarefa central da existência tornar-se si mesmo, quer dizer, individuar-se. Mas, segundo avalia, isso só é possível no mergulho do homem no Poder Absoluto que o criou; significa que a identidade do indivíduo está no SER. Portanto, para Kierkegaard, muito além de uma religião, o cristianismo é em seu sentido mais profundo, um caminho de individuação. Nosso artigo objetiva analisar como Kierkegaard elabora essa tese.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Tradução coordenada por Alfredo Bossi. São Paulo. Editora WMF Martins Fontes, 2012.

AGOSTINHO, Santo. Confissões. Tradução Lorenzo Mammì. São Paulo. Penguin Classics Companhia das Letras, 2017.

ALMEIDA, Jorge Miranda de. VALLS, Álvaro L.M. Kierkegaard. Rio de Janeiro. Jorge Zahar, 2007.

FARAGO, France. Compreender Kierkegaard. Tradução Ephraim F. Alves. 3º Edição. Petrópolis, Rio de Janeiro. Vozes. 2011.

KIERKEGAARD, Søren. As obras do Amor: algumas considerações cristãs em forma de discursos. Tradução de Álvaro L.M. Valls- Bragança Paulista: Editora Universitária, Vozes, 2013.

_____________________Desespero humano. Tradução Adolfo Casais Monteiro. São Paulo. Editora Unesp. 2010.

_____________________ Discursos edificantes em diversos espíritos-1847. Tradução de Álvaro L.M. Valls e Else Hagelund. São Paulo: LiberArs, 2018.

_____________________Migalhas Filosóficas ou um bocadinho da filosofia de João Clímacus. Tradução de Ernani Reichmann e Álvaro Valls. Rio de Janeiro, Vozes, 2011.

_____________________O conceito de angústia: uma simples reflexão psicológico-demonstrativa direcionada ao problema dogmático do pecado hereditário. Tradução de Álvaro Luiz Monteiro Valls- Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

____________________O conceito de Ironia constantemente referido a Sócrates. Tradução Álvaro L.M. Valls. Rio de Janeiro: Vozes, 1991.

_____________________O Instante: como Cristo julga a respeito do cristianismo oficial e Imutabilidade de Deus- Um discurso. Tradução Álvaro L.M. Valls, Marcio Gimenes de Paula. São Paulo, Liber Ars, 2019.

_____________________ Pós- Escritos às Migalhas filosóficas, vol. I. Tradução de Álvaro Luiz Montenegro Valls e Marília Murta de Almeida- Petrópolis, RJ: Vozes, 2013- (Coleção Pensamento Humano).

_____________________Pós- Escritos às Migalhas filosóficas, vol. II. Tradução de Álvaro Luiz Montenegro Valls e Marília Murta de Almeida- Petrópolis, RJ: Vozes, 2016- (Coleção Pensamento Humano).

_____________________Temor e Tremor. Tradução e Prefácio Torrieri Guimarães. Rio de Janeiro, Nova Fronteira. 2012.

NOBREGA, Francisco Pereira. Compreender Hegel. 7ºEdição. Petrópolis, Rio de Janeiro. Vozes, 2011.

PAULA, Márcio Gimenes de. Kierkegaard em diálogo com a tradição filosófica. São Paulo. Editora Intermeios, 2016.

Downloads

Publicado

2022-01-30

Como Citar

CRUZ, W. A. Cristianismo, existência e individuação na filosofia de Kierkegaard. Sacrilegens , [S. l.], v. 18, n. 2, p. p. 332–343, 2022. DOI: 10.34019/2237-6151.2021.v18.34945. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/34945. Acesso em: 26 maio. 2022.