O caráter religioso do judiciário: uma reflexão a partir de René Girard

Autores

  • Maiara Rubia Miguel UFJF

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2021.v18.34115

Palavras-chave:

sagrado; vingança; justiça; religioso; René Girard.

Resumo

René Girard entende a mimesis como impulso básico do ser humano. Esse impulso pode levar à rivalidade desembocando uma violência de todos contra um. A solução para esse conflito se situa no âmbito do religioso, conforme A violência e o sagrado (1990). O remediar dessa violência depende de sacrificio, ou seja, do uso de certas propriedades da violência para que seja possível colocar a vingança para fora, pois quando desencadeada gera um ciclo violento. No âmbito das sociedades não-complexas, há critérios dentro de um rito sacrificial que objetiva eliminar a vingança pelo desvio da violência. Já no caso da sociedade secularizada, a violência é regulada por uma instituição: o sistema judiciário. O sistema judiciário baliza os critérios para que não haja. Aqui está o problema que esse artigo pretende analisar: como o sistema judiciário pode prevenir a vingança sem recorrer ao ritual religioso do sacrifício? A partir da análise bibliográfica das obras girardianas, esse artigo pretende compreender como o religioso está na função da justiça e do ato sacrificial em nossa sociedade secularizada segundo René Girard.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANSPACH, Mark R. Anatomia da vingança: figuras elementares da reciprocidade. São Paulo: É Realizações, 2012.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal. São Paulo: Saraiva Educação, 2018. p. 819-820

BRASIL. Decreto-Lei nº. 2848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 de dez. 1940.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 1990.

____________. Mentira romântica e verdade romanesca. São Paulo: É Realizações, 2009.

____________. O bode expiatório. São Paulo: Paulus, 2004.

____________. Rematar Clausewitz: além da guerra. São Paulo: É Realizações, 2011.

____________ . Coisas Ocultas Desde a Fundação do Mundo: a revelação destruidora do mecanismo vitimário. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

____________. A voz desconhecida do real: uma teoria dos mitos arcaicos e modernos. Lisboa: Instituto Piaget, 2007.

GRECO, Rogério. Código Penal Comentado. Niterói, RJ: Impetus, 2018. p. 229-230

KIRWAN, Michael. Teoria Mimética: conceitos fundamentais. São Paulo: É Realizações, 2015

MARTINS, José de Sousa. Linchamento, o lado sombrio da mente conservadora. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 8(2): 11-26, outubro de 1996

MORAES, Márcia Elayne B. A ocultação da violência canalizada para o processo penal. IN: Sistema Penal & Violência, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 122-136, 2016.

SCHELER, Max. Da Reviravolta dos valores. Petrópolis: Vozes, 1994.

Downloads

Publicado

2021-09-08

Como Citar

MIGUEL, M. R. O caráter religioso do judiciário: uma reflexão a partir de René Girard. Sacrilegens , [S. l.], v. 18, n. 1, p. p. 10–29, 2021. DOI: 10.34019/2237-6151.2021.v18.34115. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/34115. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: Religião e Violência