Neopaganismo e Bruxaria Moderna

A Preservação do Meio Ambiente Através do Culto à Natureza

Autores

  • Thaís Chianca Bessa Ribeiro do Valle UNICAP

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2020.v17.32664

Palavras-chave:

Neopaganismo; Wicca; Política; Meio Ambiente

Resumo

O Neopaganismo é um fenômeno religioso que surge como movimento de retomada a antigos cultos da natureza, tendo encontrado solo fértil para seu ressurgimento em decorrência do Romantismo do século XIX, o qual resistia ao racionalismo, o ceticismo e o cientificismo do final do século XVIII. No século XIX, Jules Michelet, ao publicar “A Feiticeira”, passa a argumentar a favor da bruxaria enquanto reminiscência de uma religião pagã de culto à fertilidade da terra e adoração à natureza, e que se dá através de movimentos de protesto por parte de camponeses, possibilitando o surgimento da Bruxaria Moderna e da Wicca. O presente artigo tem por objetivo analisar a Bruxaria Moderna em suas origens, e como esta, enquanto manifestação de uma religião da natureza, se posiciona em relação à preservação do meio ambiente.

Palavras-chave: Neopaganismo; Wicca; Política; Meio Ambiente.

Referências

BARROS, Maria Nazareth Alvim de. As deusas, as bruxas e a igreja: séculos de perseguição. 2. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2004.

BEZERRA, Karina Oliveira. Wicca no Brasil: magia, adesão e permanência. São Paulo: Fonte Editorial, 2017.

CABOT, Laurie. O poder da bruxa: a terra, a lua e o caminho mágico feminino. 13. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

CLARK, Stuart. Pensando com demônios: a ideia de bruxaria no princípio da Europa Moderna. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

EISLER, Riane. O cálice e a espada: nosso passado, nosso futuro. São Paulo: PalasAthena, 2007.

EVANS-PRITCHARD, E. E. Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

FRAZER, Sir George James. O ramo de ouro. São Paulo: Círculo do Livro, 1978..

GARDNER, Gerald B. O significado da bruxaria. São Paulo: Madras, 2003.

GINZBURG, Carlo. Os andarilhos do bem: feitiçaria e cultos agrários nos séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

GINZBURG, Carlo. História Noturna: decifrando o sabá. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

GRAVES, Robert. A deusa branca: uma gramática histórica do mito poético. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

GRIMASSI, Raven. Os mistérios wiccanos: antigas origens e ensinamentos. 3. ed. São Paulo: Gaia, 2002.

HUTTON, Ronald. The Witch: a history of fear, from ancient times to the presente. London:Yale University, 2018.

LAVALLE, Adrian Gurza (org). O horizonte da política: questões emergentes e agendas de pesquisa. São Paulo: Editora Unesp: Cebrap: CEM, 2012.

LELAND, Charles G. Aradia: O Evangelho das Bruxas. 2. ed. São Paulo: Madras, 2016.

MICHELET, Jules. A feiticeira. São Paulo: Aquariana, 2003.

MURRAY, Margaret. O Culto das Bruxas na Europa Ocidental. São Paulo: Madras, 2003.

OGDEN, Daniel; LUCK, Georg; GORDON, Richard; FLINT, Valerie. Bruxaria e magia na Europa: Grécia Antiga e Roma. São Paulo: Madras, 2004.

PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. O que é contracultura. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 1992.

RUSSELL, Jeffrey B.; ALEXANDER, Brooks. História da Bruxaria. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2019.

SANDERS, Alex. Born to be king: a glimpse into the apprenticeship of the witch and magician. London: Rose Ankh Publishing Ltd, 2019.

STARHAWK. A dança cósmica das feiticeiras: guia de rituais para celebrar a Deusa. 8. ed. Rio de Janeiro: Nova Era, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

CHIANCA BESSA RIBEIRO DO VALLE, T. Neopaganismo e Bruxaria Moderna: A Preservação do Meio Ambiente Através do Culto à Natureza. Sacrilegens , [S. l.], v. 17, n. 2, p. 68–81, 2020. DOI: 10.34019/2237-6151.2020.v17.32664. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/32664. Acesso em: 15 abr. 2021.