Os deuses dançam no Quilombo dos Palmares

as dimensões de análise no espaço sagrado na Serra da Barriga em Alagoas

Autores

  • Rafael de Lima Silva Universidade Estadual de Alagoas
  • José Lidemberg de Souza Lopes

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2020.v17.31814

Palavras-chave:

Serra da barriga, Quilombo dos Palmares, Mito, Rito, Espaço sagrado

Resumo

Os estudos sobre o fenômeno religioso têm sido relevantes para compreender esferas entrelaçadas ao sagrado, tais como: economia, política e cultura. A apropriação dos espaços faz parte de um ethos construído e modelado por uma gama de discursos que são oriundos do transcendente, ou como muitos preferem, do espaço sagrado. Nosso artigo tem como objetivo a efetivação de uma hermenêutica do sagrado, tanto em termos descritivos como normativos, instrumentalizada para compreender o eixo da religião de matriz africana no evento anual na Serra da Barriga, no município de União dos Palmares – AL. Como fundamentos metodológicos, utilizamos a junção das teorias geográficas locacional e epistemológica, de Zeny Rosendahl (2018) e Gil Filho (2008), bem como outros nomes na Ciência e História das Religiões, e também na Teologia. Culminando na pesquisa dos anos 2017, 2018 e 2019.

Referências

ANDREOTTI, G. Paisagens culturais. – tradutores Ana Paula Bellenzier... [et al.]; revisão da tradução Giuliana Andreotti e Iria Zanoni Gomes. – [Curitiba, PR]: Editora UFPR, 2013.
BALLESTER, C. dos Santos [et al.]. Dossiê de Candidatura da Serra da Barriga, Parte Mais Alcantilada – Quilombo dos Palmares a Patrimônio Cultural do MERCOSUL. Organizadoras, Candice dos Santos Ballester, Greciene Lopes dos Santos. Colaboradores, Aruá Lima [et al.]. Fidelity Translations LTDA, tradutor. – São Carlos: Editora Cubo, 2017.
BERQUE, Augustin. Geogramas, por uma ontologia dos fatos geográficos. – Traduzido por Nécio Turra Neto. IN: Geograficidade | v. 1, n. 1, 2012.
CARLOS, A. F. A. Condição espacial. – São Paulo: Contexto, 2011.
CORRÊA, A. M. “Não acredito em deuses que não saibam dançar”: a festa do candomblé, território encarnador da cultura. IN: Geografia cultural: uma antologia, volume II. Organização, Roberto Lobato Corrêa, Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.
CUNHA JUNIOR, H. Quilombo: patrimônio histórico e cultural. IN: Revista Espaço Acadêmico – N° 129 – Fevereiro de 2012. p. 158-167.
DARDEL, E. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. – tradução Werther Holzer. – São Paulo: Perspectiva, 2015.
DEBRAY, Régis. Deus, um itinerário: material para a história do eterno no Ocidente. – Tradução Jônatas Batista Neto. – São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
DEFFONTAINES, Pierre. Géographie et religions. – 10. ed. – Librairie Gallimard, 1948.
ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. A essência das religiões. – [tradução Rogério Fernandes]. – São Paulo: Martins Fontes, 1992.
FICKELER, P. Questões fundamentais na Geografia da Religião. Espaço e Cultura, Rio de Janeiro, n. 7, p. 7-35, jan./jun. 1999.
GERTLER, M.S. Uma geografia econômica cultural da produção. IN: Economia, cultura e espaço. – Organização, Roberto Lobato Corrêa e Zeny Rosendahl. – Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.
GIL FILHO, S. F. Espaço sagrado: estudos em geografia da religião. – Curitiba: Ibpes, 2008.
GUSDORF, G. Mito e metafísica. – tradução de Hugo di Primio Paz. – São Paulo: Convívio, 1979.
HEIDEGGER, M. Fenomenologia da vida religiosa. – tradução de Enio Paulo Giachini, Jairo Ferrandin, Renato Kirchner – Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
______________. Ser e tempo. – tradução revisada e apresentação de Marcia Sá Cavalcante; posfácio de Emmanuel Carneiro Leão. 10. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2015.
HOLZER, W. Mundo e Lugar: ensaio de geografia fenomenológica. IN: Qual o espaço do lugar?: geografia, epistemologia, fenomenologia. – organização de Eduardo Marandola Jr., Werther Holzer, Lívia de Oliveira. – São Paulo: Perspectiva, 2014.
HUSSERL, E. A ideia da fenomenologia. – tradução Artur Morão. – Edições 70, LDA: Lisboa, 2018.
LAMBERT, Y. O nascimento das religiões – da pré-história às religiões universalistas. – tradução: Mariana Paolozzi Sérvulo da Cunha. – Edições Loyola: São Paulo, 2011.
LOPES, N. Kitábu: O livro do saber e do espirito negro-africanos. – Rio de Janeiro: Editora Senac Rio, 2005.
LUCHIARI, M.T.D.P. A (re) significação da paisagem no período contemporâneo. IN: Paisagem, imaginário e espaço. – Organizadores, Zeny Rosendahl, Roberto Lobato Corrêa. – Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.
MEINIG, D. W. O olho que observa: dez versões da mesma cena. IN: Espaço e cultura. – UERJ, RJ, N. 13, P. 35-46, 2002.
NIETZSCHE, F. Assim falava Zaratustra; livro para toda a gente e para ninguém. – tradução José Mendes de Souza; Elisabeth Föster-Nietzsche (apêndices), Geir Campos (prefácio). – Edição Especial. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.
OLIVEIRA, L. O Sentido de Lugar. IN: Qual o espaço do lugar?: geografia, epistemologia, fenomenologia. – organização de Eduardo Marandola Jr., Werther Holzer, Lívia de Oliveira. – São Paulo: Perspectiva, 2014.
OLIVEIRA, J. R. de. A Igreja Católica e a difusão da fé na hipermodernidade: o exemplo do Mass media e as online communities. IN: Espaço e Cultura, UERJ, RJ, N. 35, p. 89-105. JAN/JUN, 2014.
PARK, C. C. Sacred Worlds: An introduction to geography and religion. – First published 1994; by Routledge, this edition published in the Taylor & Francis e-Library, 2003.
RELPH, E. Reflexões Sobre a Emergência, Aspectos e Essência de Lugar. IN: Qual o espaço do lugar?: geografia, epistemologia, fenomenologia. – organização de Eduardo Marandola Jr., Werther Holzer, Lívia de Oliveira. – São Paulo: Perspectiva, 2014.
RIES, J. A ciência das religiões: história, historiografia, problemas e método. – tradução de Leonardo A.R.T. dos Santos. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.
______. Vida e eternidade nas grandes religiões. – tradução de Francisco de Morás. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.
______. Mito e rito: as constantes do sagrado. – tradução Silvana Cobucci Leite. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2020.
ROSENDAHL, Zeny. Espaço e religião: uma abordagem geográfica. – Rio de Janeiro: UERJ, NEPEC, 1996.
_______________. Primeiro a obrigação, depois a devoção: estratégias espaciais da Igreja Católica no Brasil de 1500 a 2005. – Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.
_______________. Uma procissão na geografia. – Rio de Janeiro: EdUERJ, 2018.
SARTRE, J. O ser e o nada – Ensaio de ontologia fenomenológica. – tradução de Paulo Perdigão. 24. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.
SCHLEIERMACHER, F. D. E. Hermenêutica – Arte e técnica da interpretação. – tradução e apresentação de Celso Reni Braida. – Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.
_________________________. Sobre a Religião. – Tradução Daniel Costa. – Editora Novo Século: São Paulo, SP, 2000.
SOPHER, D. Geography of religions. Prentice-Hall Foundations of Cultural Geography Series. Englewood Cliffs, N.J.: 1967.
STUMP, R. W. Geography of religion: faith, place, and space. Published in the United States of America by Rowman & Littlefield Publishers, Inc. – United States of America, 2008.
SILVA, Rafael de Lima. POR UMA GEOGRAFIA DA RELIGIÃO: Espacialidade da 15ª Romaria na Hierópolis de Nossa Senhora Aparecida/Sergipe.. In: II Encontro Regional do Grupo de Estudos Territoriais - GETERRI - União dos Palmares, 2019. Disponível em: https://www.doity.com.br/anais/geterri2019/trabalho/82048 . Acesso em: 28/08/2020 às 12:20.
TUAN, Y. Paisagens do medo. – tradução Lívia de Oliveira. – São Paulo: Editora UNESP, 2005.
________. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. – tradução: Lívia de Oliveira. – Londrina: Eduel, 2013.
XAVIER, A. B.; SILVA, R. L. A SERRA DA BARRIGA EM UNIÃO DOS PALMARES – AL E A (RE)SIGNIFICAÇÃO DA PAISAGEM NOS DIAS ATUAIS. In: II Encontro Regional do Grupo de Estudos Territoriais - GETERRI - União dos Palmares, 2019. Disponível em: https://www.doity.com.br/anais/geterri2019/trabalho/82755 . Acesso em: 05/08/2020 às 01:08.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

DE LIMA SILVA, R.; LOPES, J. L. de S. Os deuses dançam no Quilombo dos Palmares: as dimensões de análise no espaço sagrado na Serra da Barriga em Alagoas. Sacrilegens , [S. l.], v. 17, n. 2, p. 181–203, 2020. DOI: 10.34019/2237-6151.2020.v17.31814. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/31814. Acesso em: 15 abr. 2021.