Luteranismo de imigração no Brasil

O impacto da liderança feminina no luteranismo de imigração alemã no Brasil: uma diferença positivada pelo feminismo na contemporaneidade

  • Joyce Pires Universidade Estadual Paulista, UNESP - Brasil. Programa de pós graduação em Ciências Sociais.
Palavras-chave: Mulheres. Hierarquia eclesiástica. Religião teuto-brasileira de imigração.

Resumo

Este artigo discutirá o tema sobre a construção da hierarquia eclesiástica na Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). Nos últimos cinquenta anos, mulheres construíram acessos à justiça de gênero na igreja e na sociedade brasileira e tem na gênese do luteranismo no Brasil aspectos que mobilizaram possibilidades de ação para o aparecimento da mulher na hierarquia eclesiástica. Por meio de reivindicações, queixas e reelaborações teológicas, importantes para uma consolidação da chamada justiça de gênero desde a hierarquia eclesiástica, uma reconfiguração do reconhecimento e representatividade da mulher nesta denominação está em curso. As análises dos processos de mudanças históricas relativos ao aparecimento da mulher em lugares de poder e status serão desenvolvidas, a partir de depoimentos, conversas informais com pastoras luteranas e revisão bibliográfica acerca do tema.

 

Referências

ABU-LUGHOD, L. “As bases morais da hierarquia” in FASSIN, Didier & LEZÉ, Samuel (org). A questão moral: uma antologia crítica. Campinas: Editora da Unicamp, 2018.

ANJOS, Gabriele dos. Mulheres todas santas: participação de mulheres em organizações religiosas e definições de condição feminina em igrejas cristãs no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE, 2009.

BLASI, M; STREECK, V. Schmiedt. Questões de gênero e a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. Estudos Teológicos. São Leopoldo, v. 49, n. 2. Jul/dez. 2009, p. 222-240.

BURITY, J. A onda conservadora na política brasileira traz o fundamentalismo ao poder? In: Conservadorismos, fascismo e fundamentalismos: análises conjunturais. ALMEIDA, Ronaldo de; TONIOL, Rodringo (Org.). Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2018.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

______. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARRARA, S. Moralidades, Racionalidades e Políticas Sexuais no Brasil Contemporâneo. Mana: Estudos de Antropologia Social, 2015, vol.21, n.2, pp.323-345.

DREHER, M. N. Igreja e Germanidade. Estudo crítico da história da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. Editora Sinodal, 1984.

FRESTON, P. Protestantes e política no Brasil: da Constituinte ao Impeachment (tese de doutorado), Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais, Universidade de Campinas, 1993.

______. Dilemas de naturalização do protestantismo étnico: a igreja luterana no Brasil. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis v.16 n. 24, p. 61-73, out, 1998.

KLIEWER, G. U. Uma comunidade evangélica frente aos problemas sociais e à atuação sócio-política da Igreja. Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 17, n. 1, 1977.

GOMES, C. de C. Corpo e emoção no protesto feminista: a Marcha das Vadias do Rio de Janeiro. Sexualidad, Salud y Sociedad, no.25, Rio de Janeiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, jan-abr. 2017.

JESUS, F. W. de. As mulheres sem tranças: uma etnografia do Ministério Pastoral Feminino na IECLB. Dissertação (mestrado em Antropologia), Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, 2003.

______. A cruz e o arco-íris: refletindo sobre gênero e sexualidade a partir de uma “Igreja inclusiva” no brasil. Ciências sociais e religião, Porto Alegre, ano 12, n. 12, out, p. 131-146, 2010.

MACHADO, M. das D. C.; FIGUEIREDO, F. Religião, gênero e política: as evangélicas nas disputas eleitorais da cidade do Rio de Janeiro. Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, UFRGS, v. 4, p. 125-148, 2002.

MACIEL, M. Gauchismo busca integrar diferentes grupos, e não representar a diversidade. Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Edição 493. Set, 2016.

MAHMOOD, S. "Teoria Feminista, agência e sujeito liberatório: algumas reflexões sobre o revivalismo islâmico no Egito”. Etnográfica, vol 10, maio de 2006.

MAY, M. Prática de Transformação: nas pegadas das mulheres em postos de liderança religiosa. Concilium v. 281, n. 3, p.101-116, 1999.

MENDONÇA, A. G. O protestantismo no Brasil e suas encruzilhadas. Revista USP, São Paulo, n.67, p. 48-67, setembro/novembro, 2005.

MOORE, H. A passion for difference: Essays in anthropology and gender. Bloomington, Indiana University Press, 1994.

______. “Understanding sex and gender”, in Tim Ingold (ed.), Companion Encyclopedia of Anthropology. Londres, Routledge, 1997, p. 813-830.

NETO, A. L. G. O uso político da religião e o uso religioso da política: como a defesa de pautas morais indica uma compreensão de gênero. Interações, Belo horizonte, Brasil, v.12 n.22, p. 323-342, ago./dez, 2017.

NUNES, M. J. R. (Org.). Gênero, feminismo e religião: Sobre um campo em constituição, 1. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2015.

OASE. OASE: Quê? Como? – Guia de comunhão, testemunho e serviço, 2000.

ORTNER, S. Subjetividade e crítica cultural. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 13, n. 28, p. 375-405, jul./dez, 2007.

PHILIPPSEN, R. As origens do fórum de reflexão da mulher luterana e relações de poder entre mulheres da IECLB. Anais do Congresso Internacional da Faculdades EST. São Leopoldo: EST, v. 3, 2016.

RANDELL, K. Lutero e a Reforma Alemã. São Paulo: Ática, 1995.

REILY, D. A. História documental do protestantismo no Brasil. São Paulo: ASTE, 1984.

ROHDEN, F. Catolicismo e protestantismo: o feminismo como uma questão emergente. Cadernos pagu (8/9), pp. 51-97, 1997.

RÖLKE, H. Raízes da Imigração Alemã: história e cultura alemã no Estado do Espírito Santo. Vitória (ES): Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2016.

ROTH, V. L; SCHERER, H. C. Mulher, deixa a chama acesa e não tema a transformação: Deus te ama 100%. História dos 20 anos do Fórum de Reflexão da Mulher Luterana da IECLB. Porto Alegre: Odisseia, 2010.

SANTOS, E. S. dos. História, Geografia e Organização Social e Política do Município de Domingos Martins. Brasília Editora, 1992.

SCAVONE, L. Religiões, gênero e feminismo. Rever, revista Estudos da Religião, dezembro, 2008. [Disponível em: https://www.pucsp.br/rever/rv4_2008/t_scavone.pdf].

SCHÜSSLER FIORENZA, E. S. Discipulado de iguais: Uma ekklesia-logia feminista crítica da libertação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

STOLCKE, V. Está o sexo para o gênero assim como a raça está para a etnicidade? Estudos Afro-Asiáticos, v. 20, Rio de Janeiro, junho de 1991 [p. 101-119].
Publicado
2020-07-31
Como Citar
PIRES, J. Luteranismo de imigração no Brasil: O impacto da liderança feminina no luteranismo de imigração alemã no Brasil: uma diferença positivada pelo feminismo na contemporaneidade. Sacrilegens , v. 17, n. 1, p. 91-108, 31 jul. 2020.