Gênero e religião

um olhar a partir de fiéis e ex-fiéis de igrejas pentecostais

  • Alesca Prado de Oliveira Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
  • Alessandro Enoque Universidade Federal de Uberlândia (UFU)
Palavras-chave: Gênero, Representações de Gênero, Igreja, Pentecostalismo

Resumo

Este trabalho teve, por objetivo principal, compreender as representações de gênero de fiéis e ex-fiéis de igrejas pentecostais de uma cidade do interior de Minas Gerais.  Partindo de uma abordagem qualitativa, instrumentalizada a partir da aplicação de quinze entrevistas semi-estruturadas, pôde-se constatar que a mulher é, normalmente, concebida como sendo acessória/auxiliar na perspectiva das instituições religiosas.  Seu papel, normalmente associado ao cuidado com o pastor, com a organização da igreja, bem como com o auxílio as atividades pastorais, requere uma posição passiva, que não busca destaque e é impedida de se expressar livremente.

Biografia do Autor

Alesca Prado de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEP) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Graduada no curso de Gestão em Saúde Ambiental da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Alessandro Enoque, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Professor Associado da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Geografia do Pontal (PPGEP/PONTAL) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Pós-Doutor em Sciences Humaines pela École des Sciences de la Gestion (ESQ) da Université du Québec à Montréal (UQAM). Doutor em Ciências Humanas (Sociologia e Ciência Política) pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais (FAFICH/UFMG). Mestre em Administração de Empresas (Área de Concentração: Organizações e Recursos Humanos) pela Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (FACE/UFMG). Coordenador do Núcleo de Estudos em Invisibilidade Laboral e Social (NILS) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Coordenador do Núcleo de Estudos em Organizações (NEORG) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Pesquisador do Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade (NEOS) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

ALENCAR, G. F.; FAJARDO, M. P. Pentecostalismos: uma superação da discriminação racial, de classe e de gênero? Estudos de Religião 30(2), São Paulo-SP, Universidade Metodista de São Paulo, 2016, pp. 95-112.

ALGRANTI, J. M. Tres posiciones de la mujer cristiana: estudio sobre las relaciones de género en la narrativa maestra del pentecostalismo. Ciências Sociais e Religião, 9(9), Porto Alegre-RS, Núcleo de Estudos da Religião, 2007, pp. 165-193.

ARAGÃO FILHO, I. L. Religião e gênero: o imaginário sobre o lugar da mulher na igreja neopentecostal. Dissertação de Mestrado, Ciências da Religião, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2011.

AUBRÉE, M. Brasil: as mulheres pentecostais entre 'combate' e 'libertação'. Revista ANTHROPOLÓGICAS, 25(1), Recife, 2014.

BANDINI, C. Corpos, símbolos e poder: marcadores de desigualdades sociais no espaço religioso. REVER - Revista de Estudos da Religião, 5(2), São Paulo, 2005, pp.71-86.

BANDINI, C. Gênero e poder na Igreja Universal do Reino De Deus. Horizonte - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião da PUC Minas, 13(39), Belo Horizonte, 2015, pp. 1410-1426.

BANDINI, C. Relações de gênero na Assembleia de Deus: uma análise de trajetória feminina. Ciências da Religião - História e Sociedade, 13(2), São Paulo, 2015, pp. 109-133.

BIRMAN, P. Mediação feminina e identidades pentecostais. Cadernos Pagu, Campinas, 1996, pp. 221-226.

BUSIN, V. M. Religião, sexualidades e gênero. REVER - Revista de Estudos da Religião, 11(1), São Paulo, 2011, pp. 105-124.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

BUTTELLI, F. G. K. Ritos e igualdade de gênero: uma análise da potencialidade de construção de (des)igualdade de gênero nos ritos. Horizonte - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião da PUC Minas, 6(12), Belo Horizonte, 2008, pp.127-143.

CAMPOS, C. J. G. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), Brasília, 2004, pp. 611-614.

CANDIOTTO, J.F. S. A teologia da criação na perspectiva das relações de gênero. Estudos de Religião, 24(39), São Paulo, 2010, pp. 214-234.

CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto contexto - enfermagem, 15(4), Florianópolis, 2006, pp. 679-684.

CORDOVIL, D. Sexualidade, gênero e poder: uma análise da participação feminina em políticas públicas para afrorreligiosos em Belém. PLURA - Revista de Estudos de Religião, 4(2), 2013, pp.149-163.

COSTA, P. G. A representação do feminino na mídia pentecostal: uma análise de discurso do quadro abrindo o coração. Revista Relegens Thréskeia, 3(1), 2014, pp. 55-79.

COSTA, R.; MADEIRA, M.; SILVEIRA, C. Relações de gênero e poder: tecendo caminhos para a desconstrução da subordinação feminina. In: Encontro Nacional da Rede Feminista e Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre a Mulher e Relações de Gênero, 17., 2012, João Pessoa. Anais eletrônicos… João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2012. pp. 222-240.

FONSECA, M. E. M. Religião, mulher, sexo e sexualidade: que discurso é esse? Paralellus, 2(4), Recife, 2013, pp. 213-226.

FRANCISCO, C. V. T. Passagens híbridas: relações de gênero e pentecostalismo. 2002. Dissertação de Mestrado, Sociologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP), 2002.

FREIRE, A. E. P. Epistemologia feminista: contribuições para o estudo do fenômeno religioso. Paralellus, 6(13), Recife, 2016, pp. 377-390.

GONZÁLEZ GARCIA, M. M. E. Trajetórias e passagens na vida religiosa feminina. REVER - Revista de Estudos da Religião, 14(2), São Paulo, 2014, pp. 116-135.

GOUVÊA NETO, A. L. Mulheres na Assembleia de Deus: para se pensar a categoria gênero além do estruturalismo. Numen: Revista de estudos e pesquisa da religião,18(2), Juiz de Fora, 2015, pp. 89-106.

JESUS, F. W. A cruz e o arco-Íris: refletindo sobre gênero e sexualidade a partir de uma Igreja Inclusiva no Brasil. Ciências Sociais e Religião, 12(12), Porto Alegre, 2010, pp. 131-146.

LIMA, M. L. C.; MÉLLO, R. P. As vicissitudes da noção de gênero: por uma concepção estética e antiessencialista. Gênero na Amazônia, 01, Belém, 2012, pp. 181-206.

LIMA, R. L. Diversidade, identidade de gênero e religião: algumas reflexões. Revista em Pauta, 9(28), Rio de Janeiro, 2011, pp. 165-182.

LOPES, M. Gênero e discurso religioso. Revista Relegens Thréskeia, 2(2), Curitiba, 2013, pp. 60-70.

LÓPEZ, M. M. Teología, espiritualidad y reivindicaciones de género: hacia la recuperación de la dimensión antropológica de la espiritualidad. Estudos de Religião, 27(1), São Paulo, 2013, pp. 68-86.

MACHADO, M. D. C. Representações e relações de gênero nos grupos pentecostais. Revista Estudos Feministas, 13(2), Florianópolis, 2005, pp. 387-396.

MACHADO, M. D. C. SOS mulher: a identidade feminina na mídia pentecostal. Ciencias Sociales y Religión, 1(1), Porto Alegre, 1999, pp. 167-188.

MACHADO, M. D. C; FIGUEIREDO, F. M. Gênero, religião e política: as evangélicas nas disputas eleitorais da cidade do Rio de Janeiro. Ciências Sociais e Religião, 4(4), Porto Alegre, 2002, pp. 125-148.

MADUREIRA, V. S. F. Gênero e poder. Revista Grifos, 16, Chapecó, 2004, pp.13-25.

MAFRA, C. O percurso de vida que faz o gênero: reflexões antropológicas a partir de etnografias desenvolvidas com pentecostais no Brasil e em Moçambique. Religião & Sociedade, 32(2), Rio de Janeiro, 2012, pp. 124-148.

MARCOS, S. Religión y Genero: contribuciones a su estudio en América Latina introducción al volumen religión y género. Estudos de Religião, 21(32), São Paulo, 2007, pp. 34-59.

MARIANO, R. Neopentecostais, sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo, Edições Loyola, 1999.

MEDRADO, B.; LYRA, J. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Revista Estudos Feministas, 16(3), Florianópolis, 2008.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; CRUZ NETO, O.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, Vozes 2002.

MORAES, M. L. Q. Marxismo e feminismo: afinidades e diferenças. Crítica Marxista, 1(11), São Paulo, 2000, pp. 89-98.

MUSSKOPF, A. S. Haverá gênero e religião? ou Enquanto houver burguesia não vai haver poesia. Revista Relegens Thréskeia, 2(2), Curitiba, 2013, pp. 10-25.

NATIVIDADE, M. T. Cantar e dançar para Jesus: sexualidade, gênero e religião nas igrejas inclusivas pentecostais. Religião & Sociedade, 37(1), Rio de Janeiro, 2017, pp. 15-33.

PIERUCCI, A. F. Religião como solvente: uma aula. Novos estudos – CEBRAP, 75, São Paulo, 2006, pp. 111-127.

POSSAS, L. M. V. Vozes femininas na correspondência de Plínio Salgado. In: GOMES, Ângela de Castro. Escrita de si e escrita da história. Rio de Janeiro, FGV, 2004, pp. 257-277.

PRANDI, R. Converter indivíduos, mudar culturas. Tempo Social, 20(2), São Paulo, 2008, pp. 155-172.

QUEIROZ, F. M. Não se rima amor e dor: cenas cotidianas de violência contra a mulher. Mossoró, UERN, 2008.

REIMER, I. R.; SOUZA, C. B. As mulheres: modelo de seguimento no movimento de Jesus e na Igreja. Revista de Teologia e Ciências da Religião, 2(1), Recife, 2012, pp. 207-2016.

ROESE, A. Religião e feminismo descolonial: os protagonismos e os novos agenciamentos religiosos das mulheres no século XXI. Horizonte, 13(39), Belo Horizonte, 2015, pp. 1534-1558.

RUBIN, G. The Traffic in Women: Notes on the political economy of sex. In: REITER, R. Toward an Anthropology of Women. New York, Monthly Review Press, 1975, pp.157-210.

SANCHIS, P. Desencanto y formas contemporeaneas de lo religioso. Ciencias Sociales y Religión, 3(3), Porto Alegre, 2001, pp. 27-43.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Revista Educação e Realidade, 20(2), Recife, 1995, pp. 71-99.

SOUSA, L. P. DE; GUEDES, D. R. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, 30(87), São Paulo, 2016, pp. 123-139.

SOUZA, J. M. - Feminina e não feminista: a construção mediática do backlash, do consumo e dos pós-feminismos. Media & Jornalismo, 17(30), Centro de Investigação Media e Jornalismo, 2017.

SOUZA, S. D. Trânsito religioso e reinvenções femininas do sagrado na modernidade. Horizonte, 5(9), Belo Horizonte, 2006, pp. 21-29.

SOUZA, S. R. M. Experiências de mulher: técnicas de si no Pentecostalismo. Paralellus, 6(12), Recife, 2015, pp. 159-174.

TEIXEIRA, J. M. Mídia e performances de gênero na Igreja Universal: o desafio Godllywood. Religião & Sociedade, 34(2), Rio de Janeiro, 2014, pp. 232-256.

VELOZO, M. F. S. A mulher fazendo teologia. Paralellus, 1(1), Recife, 2010, pp.115-132.

VINUTO, J. A Amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, 44(22), Campinas, 2014, pp. 203-220.

WEBER, M. Rejeições religiosas do mundo e suas direções. In: WEBER, M. Max Weber: textos selecionados. São Paulo, Nova Cultural, 1997, pp. 155-190.
Publicado
2020-07-31
Como Citar
PRADO DE OLIVEIRA, A.; ENOQUE, A. Gênero e religião: um olhar a partir de fiéis e ex-fiéis de igrejas pentecostais. Sacrilegens , v. 17, n. 1, p. 7-31, 31 jul. 2020.