Iconografia xamânica ameríndia na Amazônia antiga

  • Luis Paulo dos Santos de Castro UEPA
Palavras-chave: Xamanismo, Amazônia, Iconografia, Cerâmica

Resumo

Este artigo apresenta os caminhos e resultados de uma pesquisa sobre a arte na cultura material indígena da Amazônia do período pré-colonial, que foi encontrada por arqueólogos na região do município de Oriximiná (PA), local este que foi compreendido como cerimonial. Este artigo analisa a iconografia desta cerâmica para compreender as relações da arte ameríndia com as práticas xamânicas na Amazônia, no artefato aqui estudado, notou-se a forte relação das cosmologias amazônicas com universo aquático, um destaque aqui para o peixe Tucunaré, que é representado com forma zooantropomorfa, ou seja, uma mistura de humano com animal, algo comum nas culturas dos povos indígenas sul-americanos.

Referências

BARCELOS NETO, Aristóteles. Processo criativo e apreciação estética no grafismo wauja. Cadernos de campo USP, nº12, 2005.

__________________________. Yawari: um ritual funerário no tempo das plêiades. Ensaio fotográfico publicado na Revista Amazônia 3 (1): 202-209, 2011.

BARRETO, Cristina. Meios místicos de reprodução social: arte e estilo na cerâmica funerária da Amazônia Antiga. Tese no Programa de Pós-graduação em Arqueologia do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

BARRETO, Cristina; LIMA, Helena; BETANCOURT, Carla Jaimes (org.). Cerâmica Arqueológica da Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN: Ministério da Cultura, 2016.

BARS, Cássia Rodrigues. Semiótica aplicada à arqueologia- um estudo de caso na área andina. Revista de História da Arte e Arqueologia, n. 14, 2010, p. 21-37.

CASTRO, Luis Paulo dos Santos. Eurocentrismo dos clássicos em Ciências da Religião. Revista Labirinto, Ano XVIII, volume 26, 2017, p. 72-90.

CESARINO, Pedro de Niemeyer. Oniska: A poética da morte e do mundo entre os Marúbo da Amazônia ocidental. Rio de Janeiro, PPGAS-MN/UFRJ, 2008.

CHMYZ, Igor. Terminologia Arqueológica Brasileira para Cerâmica. Curitiba. Centro de Ensino e Pesquisas Arqueológicas. Manuais de Arqueologia n°1. 1966.

CUNHA, Carneiro da et all. História dos Índios no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

DOLMATOFF, Gerardo Reichel. Amazonian Cosmos: the sexual and religious symbolism of the Tukano Indians. The University of Chicago Press Chicago and London, 1971.

ELIADE, Mircea. Aspectos do mito. Lisboa: Edições 70, [s/d], p.9-25, 2000.

_____________. O xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. Martins Fontes, São Paulo. 2002.

_____________. Tratado de História das Religiões. Trad. Fernando Tomaz e Natália Nunes. Martins Fontes: São Paulo, 2008.

_____________. História das crenças e das ideias religiosas Vol. 1: da idade da pedra aos mistérios de Elêuseis. Trad. Roberto de Cortes Lacerda. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

FERNANDES & FERNANDES, A mitologia sagrada dos Dessana Vol. 02. Cucura do Igarapé Cucura, Amazonas, Brasil: UNIRT, 1996.

FIDALGO, Antônio. Semiótica: A lógica da Comunicação. Universidade da Beira Interior. Corvilhão, 1998.

FRANCHETTO, Bruna. Arte gráfica dos povos Karibe do alto Xingú. Museu do Indio-FUNAI. Rio de Janeiro. 2003.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOMES, Denise. M. C. Cerâmica Arqueológica da Amazônia: vasilhas da coleção tapajônica MAE-USP. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

GOMES, Denise Maria Cavalcante. Os contextos e os significados da arte cerâmica dos Tapajó. In: PEREIRA, E.; GUAPINDAIA, V. L. C. (Orgs.). Arqueologia amazônica. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, SECULT, IPHAN, v. 1, 2010, p. 213-234.

___________________. O perspectivismo ameríndio e a ideia de uma estética americana. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 7, n. 1, p. 133-159, jan.-abr. 2012.

GUAPINDAIA, V. L. C. Além da Margem do Rio - A Ocupação Konduri e Pocó na Região de Porto Trombetas, PA. 194 f. Tese (Doutorado em Arqueologia) São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, 2008.

GUAPINDAIA, Vera; MAGALHÃES, Marcos P.; AIRES DA FONSECA, João. Programa de Estudos Arqueológicos em Porto Trombetas. Ms. Inédito, 31f. MPEG, Belém, Março/2010.
HILBERT, Peter Paul. A cerâmica arqueológica da região de Oriximiná. Vol. 9. Belém, Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará, 1955 a.

HILBERT, Peter Paul, HILBERT, Klaus. Resultados preliminares da pesquisa arqueológica nos rios Nhamundá e Trombetas, Baixo Amazonas. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, Belém, (Nova série Antropologia), 1980.

INSOLL, Timothy. Archeology, ritual, religion. Routledge, London, 2004.
KÊHÍRI, Tõrãmü. Antes o mundo não existia: mitologia dos antigos Desana-Kêhíripõrã, Umusí Pãrõkumu; desenhos de Luiz e Feliciano Lana. - 2. ed. São João Batista do Rio Tiquié : UNIRT; São Gabriel da Cachoeira: FOIRN, 1995.

LAGROU, Els. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

LARAIA, Roque de Barros. As religiões indígenas: o caso tupi-guarani. Revista USP, São Paulo, n.67, p. 6-13, setembro/novembro 2005.

LEGASTE, Anne. El animal em El mundo mítico Tairona. Fundacione de Investigaciones arqueológicas nacionales nº 33. Banco de La República de Bogotá, 1987.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Tradução: Tânia Pellegrini - Campinas, SP: Papirus, 1989.

___________________.O cru e o cozido. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac & Naify, 2004a. (Mitológicas, 1).

____________________. Do mel às cinzas. Tradução de Carlos Eugênio Marcondes de Moura, Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2004b. (Mitológicas, 2).

MARTINS, Cristiane Maria Pires. Arqueologia do baixo tapajós: ocupação humana na periferia do domínio tapajônico. Dissertação de mestrado PPGA-UFPA, Belém, 2012.

MARTINS, Maria Cristina Bohn. Descobrir e redescobrir o rio das amazonas. Revista de História, vol. 156 (1º semestre de 2007), p. 31-57.

MAGALHÃES, Marcos P. Território cultural e a transformação da floresta em artefato social. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 8, n. 1, p. 113-128, jan.-abr. 2013.

____________________. (org.). Amazônia antropogênica. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2016.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo, Cosac Naify, 2003.

MAUSS, Marcel; HENRI, Hubert. Sobre o Sacrifício. Trad. Paulo Neves. Cosac Naify, 2005.

MAUÉS, Raimundo Heraldo; VILLACORTA, Gisela Macambira, (org.). Pajelanças e religiões africanas na Amazônia, Belém: EDUFPA, 2008.

MELLO, Maria Ignez. Música e mito entre os Wauja do Alto Xingu. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999.

MONTAGNE, Delvair. A Morada das Almas: representações das doenças e das terapêuticas entre os Marúbo. Coleção Eduardo Galvão-Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, Pará, 1996.

PORRO, Antônio. O povo das águas. Ensaios de etno-história amazônica. RJ, ed. Vozes, Petrópolis, 1996.

_______________. Arte e simbolismo xamânico na Amazônia. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 5, n. 1, p. 129-144, jan.- abr. 2010.
PROUS, André. Arqueologia Brasileira. 1ª. ed. Editora da Universidade de Brasília: Brasília, 1992.

REDE, Marcelo. História a partir das coisas: tendências recentes nos estudos de cultura material. Anais do Museu Paulista. São Paulo. N.Sér.v.4 p.265-82 jan./dez. 1996.

RIBEIRO & RIBEIRO, Berta Gleizer, Darcy. Suma etnológica brasileira: arte indígena. Ed vozes, 1986.

ROWAN, Yorke M. Beyound Belief: the archeology of religion and ritual. Archeologycal papers of the American anthropological association, Vol. 21, Issue 1, 2012, p. 01-10.

SANTOS; Gilton Mendes dos; SANTOS, Geraldo Mendes dos. Homens, peixes e espíritos: a pesca ritual dos Enawene-Nawe. Tellus, ano 8, n. 14, abr. 2008, p. 39-59.

SCHAAN, Denise Pahl. A linguagem iconográfica da cerâmica marajoara. Dissertação de Mestrado, Porto Alegre. Maio 1996.

___________________. Uma janela para a história pré-colonial da Amazônia: olhando além – e apesar – das fases e tradições. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 2, n. 1, p. 77-89, jan-abr. 2007.

___________________. Os filhos da serpente: rito, mito e subsistência nos cacicados da Ilha de Marajó. Inter. J. South American Archaeol. 1: 50-56, 2007.

SCHIMIDIT, Morgan J. A formação da terra preta: análises de sedimentos e solos no contexto arqueológico. In. MAGALHÃES, Marcos P. (org.). Amazônia antropogênica. Belém: Museu Paraense Emilio Goeldi, 2016.

SILVA, Maria Isabel Cardoso da. Cosmologia, Perspectivismo e Agência Social na Arte Ameríndia: Estudos de três casos etnográficos. 2008. 164f. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

SOARES, Débora Leonel. Xamanismo e Cosmovisão Andina: um estudo sobre práticas de curandeirismo mochica expressas na cerâmica ritual. Dissertação no Programa de Pós-graduação em Arqueologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

TAUSSING, Michael. Xamanismo, Colonialismo e o Homem Selvagem. Um estudo sobre o terror e a cura. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1993.

TUGNY, Rosângela Pereira de. Escuta e poder na estética Tikmu’um maxakali. Série monografias. Museu do Indio-FUNAI. Rio de Janeiro, 2011.

VELTHEM, Lucia Hussak van. Os Wayana, ás águas, os peixes e a pesca. Bol.Mus. Para. EmIlio Goeldi, sér.Antropol., 6 (1),1990.

_________________________. A Pele de Teluperê: uma etnografia dos trançados Wayana. Ilustração de Guilherme Leite. Belém: Museu Paraense Emílio Goledi, 1998.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Arewete: Os deuses canibais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. , 1986.

____________________________. A inconstância da alma selvagem: e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2011.
Publicado
2020-02-28
Como Citar
DOS SANTOS DE CASTRO, L. P. Iconografia xamânica ameríndia na Amazônia antiga. Sacrilegens , v. 16, n. 2, p. 118-143, 28 fev. 2020.