Negras memórias: tradição religiosa de matriz africana no Brasil

  • Gilmara Santos Mariosa
  • Claudia Mayorga
Palavras-chave: Religião afro, Candomblé, Memória, Mulheres negras

Resumo

Este artigo aborda a temática dasmemórias das práticas religiosas de matriz africana,principalmente o candomblé, assim com a participação das mulheres negras na preservação e construção dessas memórias.  Vivemos em uma sociedade que desvaloriza e discrimina tanto as religiões afro como as mulheres negras. Por isso,torna-se de suma importância a valorizaçãoe a visibilização do protagonismo de mulheres negras em tais práticas, bem como de suas estratégias de resistência.

Referências

ARRAES, Jarrid. Heroínas negras brasileiras: em 15 cordéis. São Paulo: Pólen, 2017.
AUGRAS, M. O Duplo e a Metamorfose. Petrópolis: Vozes, 1983.
BARROS, J. F.P. O Espaço Sagrado no Candomblé Nagô. In: LEMOS, M.T.B.;
MORAES, N. A. (Org.).Memória e identidade. Rio de Janeiro: Unirio, 2000.p. 69-79.
BARROS, J. F.P. E NAPOLEÃO, E. EweÒrisà. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.
BASTIDE. R. O Candomblé da Bahia. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
BOTAS, P.Carne do Sagrado. Petrópolis: Vozes, 1996.
BRAZIL, Érico Vital;SCHUMAHER, Schuma. Mulheres negras no Brasil. Rio de Janeiro:Senac Nacional, 2007.
CARNEIRO, E. Religiões Negras e Negros Bantos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.
CLARKE, JhonHenrik.(1984) Rainhas Guerreiras Africanas. (Romio, J. trad) Texto original: ―African Warrior Queens by John Henrik Clarke. In Sertima, Ivan Van (ed.) Black women in Antiquity. 1984.
CONNERTON, P. Como as sociedades recordam. Lisboa: Celta, 1999.
FIGUEIREDO, Luciano. Mulheres nas Minas Gerais. In: Mary Del Priori (org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2017.
GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios ao longo do século XVI. Sociedade e Estado, 31(1), 25-49.2016.
HALBWACHS, M.A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.
LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: EDUNICAMP, 1996.
LODY, R.Candomblé: Religião e Resistência Cultural. São Paulo: Ática, 1987.
MAHFOUD, M; MASSIMI, M. História, memória e processos de subjetivação para a vida da cultura de subjetivação. In:Massimi, M (org.). Psicologia, cultura e história: perspectivas em diálogos. Rio de Janeiro: outras Letras, 2012.
MARTINS, L. M. A oralitude da memória. In: FONSECA. M. N. S.Brasil Afro-brasileiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p 61 - 86.
MOURA, Roberto. Tia Ciata e a Pequena África no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, DepartamentoGeralde Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1995.
NOVAES, Priscila. Herdeiras do ganho: Mulheres negras, suas memórias transatlânticas e o mercado informal. In: Novaes, Priscila (org.). Ajeum: o sabor das deusas. São Paulo: Ciclo Contínuo Editorial, 2017. Cap.3, p. 21 - 31
OLIVEIRA. E. R. O que é Medicina Popular. São Paulo: Brasiliense, 1985.
PEREIRA, E. A. Os tambores estão frios. Juiz de Fora: Funalfa, Belo Horizonte:Mazza, 2005.
PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das letras,2011.
SÁ, C. P. A psicologia social da memória: uma sistematização teórico-conceitual. In: C.P. Sá; P.R.M. Menandro. L. A. Naiff (orgs.) Psicologia social e o estudo da Memória Histórica. Curitiba: Editora Appris, 2013,p. 13-25.
¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬SÁ, C. P. BELLO, R. A.; JODELET, D. (1998). Condições de eficácia das práticas de cura da umbanda:A Representação dos praticantes no Rio de Janeiro. Psicologia & Sociedade; [S.l.], v. 10, n. 1, p. 128-144, jan./jun. 1998.
SANTOS, J. E. Os nagô e a morte. Petrópolis: Vozes, 2001.
SILVA, V. G.Candomblé e umbanda: caminhos da devoção brasileira. São Paulo: Ática, 1994.
VERGER, Pierre. Uma rainha africana mãe de santo em São Luís. Revista USP, n. 6, 30 ago. 1990, p. 151-158.
Publicado
2019-10-22
Como Citar
SANTOS MARIOSA, G.; MAYORGA, C. Negras memórias: tradição religiosa de matriz africana no Brasil. Sacrilegens , v. 16, n. 1, p. 363-379, 22 out. 2019.