Fé e Escolarização de Negros Protestantes em Salvador (1982-1920)

  • Gicélia da Cruz
  • Sueli Ribeiro Mota Souza
Palavras-chave: Negro, Protestantismo, Religiosidade, Educação

Resumo

O presente artigo tem por objetivo compreender como se deu o processo de fé e escolarização dos primeiros negros convertidos no trabalho batista em Salvador no período de 1882-1920. Convém conhecer o contexto socioeconômico, cultural, religioso e educacional que permitiu os negros batistas começarem a frequentar a Escola Bíblica Dominical onde a leitura e interpretação da Bíblia eram fundamentais no novo credo. No que se refere a educação, o estigma da escravidão negra que perdurou por quase quatro séculos, deixou marcadores social e racial onde a baixa escolaridade foi uma das consequências negativas. Quanto ao universo da fé, é importante que se ressalte também as experiências de práticas religiosas tanto nas religiões de matriz africana, catolicismo bem como de outras as quais se percebe a ressignificação da espiritualidade e fé do afro brasileiro.

Referências

ADEYEMO, Tokunboh. Comentário Bíblico Africano. São Paulo: Mundo Cristão, 2010.
ARAUJO, Dilton. Republicanismo e Classe Média em Salvador: 1870-1889. Salvador: UFBA, 1992.
BARBOSA, José Carlos. Negro não entra na igreja, espia da banda de fora. Protestantismo e escravidão no Brasil Império. Piracicaba: UNIMEP, 2002.
BARBOSA, José Carlos. Protestantismo e escravidão. Brasilia: UNB, 1988.
BOFF, Leonardo. Teologia do cativeiro e da Libertação. São Paulo: Círculo do
Livro, 1980.
Caderno de Resumos do Congresso Baiano de Pesquisadores negros – Salvador: EDUNEB, 2009
CAIRNS, Earle E. O Cristianismo através dos Séculos: Uma História da Igreja Cristã – Tradução: Israel Belo de Azevedo. São Paulo: Vida, 1995.
CÉSAR, Elben M. Lenz. História da Evangelização do Brasil – Dos Jesuítas aos Pentencostais. Viçosa: Ultimato, 2000.
FILHO, Walter Fraga. Mendigos, moleques e vadios na Bahia do Século XIX. Salvador: EDUFBA,1996.
FREIRE. Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
HALL, Stuart. Identidades e Mediações Culturais da DIÁSPORA. Belo Horizonte: UFMG, 2003.
HEYWOOD, Linda M. Diáspora Negra no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.
OLIVEIRA, Marco Davi de. A religião mais negra do Brasil. São Paulo: Mundo Cristão, 2004.
PEREIRA. J. Reis. História dos Batistas no Brasil 1882-1982. 2º edição. Rio de Janeiro: JUERP,1985.
REIS, João José. Rebelião Escrava no Brasil - A História do Levante dos Malês em 1835. São Paulo: Cia das Letras, 2003.
MODES, José Valdir. O gigante dorme – A trajetória do missionário batista Willian Buck Bagby no Brasil. - Revista Batista Pioneira - Vol. 6 – n. 2. Dez, 2017.
RIBEIRO, Boanerges. Protestantismo no Período Monárquico, 1822-1888: aspectos culturais de aceitação do protestantismo no Brasil. São Paulo: Pioneira, 1973.
SANCHES, Ana Lígia. PONCE, Osmundo. Na Força do Espírito – Os Pentencostais na AméricaLatina: um desafio às Igrejas Igrejas Históricas. São Paulo: AIPRAL, 1996.
SANTOS. Jocélio Teles dos. Geografia Religiosa Afro-baiana no século XIX. RevistaVeraCidade –Ano IV. Nº 5- Outubro de 2009.
SILVA, Elizete da. Conflitos Religiosos no Campo Baiano: Protestantes e Católicos no Século XIX. Sitientibus, Feira de Santana, n.21, p.51-67, jul./dez. 1999.
SILVA, Elizete da. Visões protestantes Sobre a Escravidão. Revista de Estudos da Religião: Nº 1/2003/
VERGER, Pierre. Fluxo e Refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todosos Santos dos séculos VII a XIX. São Paulo: Corrupio, 1987.
WERBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. 4ª Ed. São Paulo: Martin Claret, 2001.
Publicado
2019-10-22
Como Citar
DA CRUZ, G.; RIBEIRO MOTA SOUZA, S. Fé e Escolarização de Negros Protestantes em Salvador (1982-1920). Sacrilegens , v. 16, n. 1, p. 264-274, 22 out. 2019.