Mito, Identidade Africana e a Política de Reconhecimento: um paradigma e uma reflexão epistemológica em busca do afro-nacionalismo

  • Hinervo Chico Marqueza
Palavras-chave: Mito, Identidade Africana, Multiculturalismo, Reconhecimento

Resumo

Mito, Identidade e Política de Reconhecimento no Pensamento Africano é um tema que se insere no contexto da Filosofia da Cultura. Trata-se de uma reflexão sobre a personalidade e emancipação africana, inconcebível fora da identidade cultural africana. E, apesar da necessidade de redefinirmos o papel do mito-identidade na emancipação do afro-nacionalismo, sem que isso signifique necessariamente uma tentativa de justificar a colonização da mente passiva da maioria dos africanos sob véu da ignorância, tencionamos com esta reflexão, mesmo contra a vontade do ocidente “conservador”, que resiste ao reconhecimento da afirmação emancipatória do continente negro e do afro-nacionalismo, através de escritos como esse e demais debates filosóficos, fazer soar incessantemente o eco da voz e do clamor do homem negro-africano pelo seu devido reconhecimento e emancipação como um ser humano e um povo digno, com identidade e história própria e autêntica (pura) que, entre expectativas e receios, um futuro vislumbrante.

Referências

ASIWAJU, Anthony, Africanos Parcionados: Relações Étnicas entre as Fronteiras Inernacionais de África, Editora da Universidade de Lagos, Lagos, 1984.
BARNETT, Michel. Identity and Alliances in the Middle East. In.: KATZENSTEIN, P. J. (Ed.). The Culture of Natural Security: norms and identity in world politics. New York: Columbia University Press, 1996.
BIAYA,Tshikala. Sociedades Paralelas na República Democrática do Congo, Editora do conselho de investigação, Pretória, 2001.
BRUNSCHWIG, Henri. A Descolonização da África Negra Fancesa, Editora Yale, Londres, 1982.
COQUERY-VIDROVICH. Perspectivas sobre o Passado Africano, Editora Litle Brown, Nova Iorque, 1972.
COSTA, Sérgio e WERLE, Denílson Luís. Multiculturalismo, Diversidade e Direito, Lisboa: Editora da UFSC e Socius, 2000.
DAVIDSON, Basil. The Black Man’s Burden: Africa and the course of the nation-state. New York: Three Rivers Press, 1993.
________________. A busca pela África: uma história em formação, Editora: Sa da Costa, 1993.
________________. A Descoberta do Passado de Africa, Editora: Sa da Costa, 1993.
DENG, Francis et al. Sovereignty as Responsibility: conflict management in Africa. Washington, DC: The Brookings Institution, 1996.
ERIKSON, Maria e PALMBERG, Mai. O mesmo e o Outro: negociando a identidade africana na produção cultural, Editora do Instituto africano nórdico, Estocolmo, 2001.
FANON, Frantz, Os Condenados da Terra, Editora Ulmeiro, Lisboa, Portugal, 1953.
_____________, De Peles Negras e Máscaras Brancas, Editora Ulmeiro, 1965.
____________, Sobre a Revolução Africana, Editora Pelicano, Londres, Inglaterra, 1975.
FLIGHT, Colin. Árvores e Armadilhas, História em África, Editora de Estudos Sociais, Addis Abeba, 1981.
GARCETTI, Eric. Civic and Ethnic Allegiances: competing visions of nationalist discourse in the Horn of Africa. In.: 40th ANNUAL CONVENTION, INTERNATIONAL STUDIES ASSOCIATION, Washington, 1997.
GIDDENS, Anthony. A terceira via: reflexões sobre o impasse político actual e o futuro da social-democracia. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 1998.
HASSEN. Mohamed, Os Horomo da Etiópia: Uma História, 1570-1860, Editora Trenton, Adisa- Abeba, 1994.
HERBST, Jeffrey. States and Power in Africa: comparative lessons in authority and control. New Jersey: Princeton University Press, 2000.
LESCH, A. Mosley. Sudão: Identidades Contestadas, Editora Oxford, Oxford, 1998.
LÉVI-STRAUSS, Claude, Mito e Significado, São Paulo: Edições 70, Brasil, 1978.
MAALOUF, Amin. Identidades Assassinas, Trad. Susana Serras Pereira, 2ª ed., Miraflores: Difel, 2002.
MANDANI, Mahmood. Quando as Vítimas se Tornam Assassinas: colonialismo, nativismo, e o genocídeo no Ruanda, Editora Princeton, Londres, 1996.
MERID, Aregay. Sul da Etiópia e o Reino Cristão, Editora Oxford, 1971.
MORGAN, L.H. “Os Períodos Étnicos”, in A sociedade primitiva I, Presença, 1978.
OLIVEIRA, Roberto C. de. Identidade, Etnia e Estrutura Social. Sao Paulo: Thomson Learning, 1976.
OMER-COOPER, J. História da África Austral, Ediora Heinemann, Londres, 1987.
PERSON, Yves. Descolonização da África Ocidental Francesa, Editora Yale, Londres, 1982.
POSTIOMA, Adalberto da, Filosofia Africana, 2ª Edição, Editora Paulinas, São Paulo, Brasil.
POUTIGNAT, Philippe & STREIFFFENART,Jocelyne. Teorias da Etnicidade. Seguido de Grupos Étnicos e suas Fronteiras de Fredrik Barth. Sao Paulo: UNESP, Brasil, 1998.
PRUNIER, Gérard. A Crise Ruandesa: história de um genocídio, Editora Hurst, Londres, 1987.
SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 2003.
SILVA, Joana Aparecida Fernandes (org.). Dossiê: Identidade indígena e território. Sociedade e Cultura: revista de pesquisas e debates em ciências sociais, v. 6, n. 2, jul/dez de 2003. Goiânia: Departamento de Ciências Sociais, FCHF/UFG, 2005. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fchf/issue/view/397.
SILVA, Tomaz Tadeu da (org.), Identidade e diferença, Petrópolis: Vozes, 2000.
SPEAR, Thomas O Passado de Kénia, Editora Longman, Londres, 1981.
TAYLOR, Charles. As fontes do “self”. A Construção Moderna da Identidade. São Paulo: Loyola, 1997.
_______________. Multiculturalism. Princeton: Princeton University Press, 1994.
_______________. A Política de Reconhecimento, Lisboa: Instituto Piaget, 1993.
ZAHAR, R. Colonialismo e Alienação, Editora Ulmeiro, Lisboa, Portugal, 1976.
Publicado
2019-10-22
Como Citar
CHICO MARQUEZA, H. Mito, Identidade Africana e a Política de Reconhecimento: um paradigma e uma reflexão epistemológica em busca do afro-nacionalismo. Sacrilegens , v. 16, n. 1, p. 180-198, 22 out. 2019.