A casa de candomblé: família e negociações de domesticidade

  • Diogo Coutinho Iendrick
Palavras-chave: Domesticidade, Candomblé, Gênero

Resumo

A especificidade litúrgica do candomblé faz com que os adeptos se integrem à comunidade-terreiro de forma particular: dormem com frequência na "casa de candomblé", realizam refeições juntos, esperam em filas para uso do banheiro, chamam-se de irmãos, pais, tios e avós. O convívio prolongado em rotina doméstica suscita conflitos e tensões entre diferentes entendimentos do que é uma casa e uma família. Apresento neste artigo uma breve reflexão acerca dos diferentes engajamentos de domesticidade constitutivos da experiência em um terreiro de candomblé, caracterizando sua formação e compreendendo como as representações e negociações elaboradas são sinalizadoras de visões de mundo e institucionalidades que se concretizam nos próprios termos empregados.

Referências

BARROS, José Flávio Pessoa de. Na minha casa: preces aos orixás e ancestrais. Rio de Janeiro: Pallas, 2010.
BASTIDE, Roger. Candomblé da Bahia: rito nagô. 2. ed. São Paulo: Ed. Nacional; Brasília: INL, 1978.
BENISTE, José. As águas de Oxalá: (àwonomiÓsàlá). 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.
BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 32. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.
BERNARDO, Teresinha. O candomblé e o poder feminino. Revista de Estudos da Religião, São Paulo, n. 2, p 1-21, 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2018.
BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.
BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.
CARNEIRO, Edison. Candomblés da Bahia. 9. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2008.
FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família sob o regime da economia patriarcal. 51. ed. São Paulo: Global, 2006.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2017.
GILLIS, Stacy; HOLLOWS, Joanne. Introduction. In: Feminism, domesticity, and popular culture. New York; Oxon: Routledge, 2009.
HAREVEN, Tamara. “The Home and Family in Historical Perspective.” Understand- ing Everyday Life. Ed. Tony Bennett and Diane Watson. Oxford: Blackwell, 2002. 34–39.
HOBSBAWN, Eric. Introdução: a invenção das tradições. In: ______; RANGER, Terence. (org.). A invenção das tradições. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.
LENOIR, Remi. Objetsociologique et problème social. In: CHAMPAGNE, P. et. al. Iniciation à la pratique sociologique. Paris: Dunot, 1990.
LÉPINE, Claude. Os estereótipos da personalidade no candomblé nagô. In: MOURA, Carlos Eugênio M. de Moura. (org.). Candomblé, religião do corpo e da alma: tipos psicológicos na religiões afro-brasileiras. Rio de Janeiro: Pallas, 2000.
LIMA, Vivaldo da Costa. A família de santo nos candomblés jejes-nagôs da Bahia: um estudo de relações intragrupais. 2. ed. Salvador: Corrupio, 2003.
LODY, Raul. Agô. In: CARNEIRO, Edison. Candomblés da Bahia. 9. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2008.
MASSEY, Doreen. For space. London: Sage, 2005.
PINK, Sarah. Home truths: gender, domestic objects and everyday life. New York & Oxford: Berg, 2004.
RABELO, Miriam C. M. Enredos, feituras e modos de cuidado: dimensões da vida e da convivência no candomblé. Salvador: EDUFBA, 2014.
ROSADO-NUNES, Maria José. Gênero e religião. In: Estudos feministas, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 363-365, maio/ago. 2005.
RYBCZYNSKI, Witold. Casa, pequena história de uma ideia. Rio de Janeiro & São Paulo: Editora Record, 1999.
SANDOVAL, Salvador A. M. Apresentação. In: JOAQUIM, Maria Salete. O papel da liderança religiosa feminina na construção da identidade negra. Rio de Janeiro: Pallas; São Paulo: Educ, 2001. p. 13-14.
SANTOS, Maria Stella de Azevedo. Meu tempo é agora. 2. ed. Salvador: Assembleia Legislativa do Estado da Bahia, 2010.
THÉVENOT, Laurent. La acciónenpluriel: una introducción a la sociologia pragmática. Buenos Aires: Sigloveintiuno editores, 2016.
TORQUATO, Shirley Alves. Casa nova, vida nova: consumo, despesas e orçamento doméstico entre moradores do PAC do Morro do Preventório. Tese de doutorado. Niterói: PPGA/UFF, 2013.
VERGER, Pierre. Orixás: deuses iorubás na África e no novo mundo. Salvador: Fundação Pierre Verger, 2018.
VOGEL, Arno; MELLO, Marco Antônio da Silva; BARROS, José Flávio Pessoa de. A galinha d’angola: iniciação e identidade na cultura afro-brasileira. Rio de Janeiro: Pallas: FLACSO; Niterói: EDUFF, 1993.
Publicado
2019-10-22
Como Citar
COUTINHO IENDRICK, D. A casa de candomblé: família e negociações de domesticidade. Sacrilegens , v. 16, n. 1, p. 148-161, 22 out. 2019.