O erotismo presente na Bíblia: breve análise do protagonismo feminino em Cantares de Salomão

  • Fábio Alexandre Da Silva
Palavras-chave: Bíblia, Erotismo, Nova história, Sexualidade, Mulher

Resumo

Este artigo apresenta algumas reflexões sobre o erotismo presente no livro Cantares de Salomão, que integra o Antigo Testamento da Bíblia. Com base, sobretudo, nos estudos de Burke (2008), Ginzburg (2007), Alter (2007), Andrade (2008), Lima (2009), Dutra (2011) e Máximo Cavalcanti (2017), buscou-se evidenciar os aspectos de erotismo, sexualidade e sedução a partir da Bíblia como documento histórico – elementos que constituem, ainda hoje, um tabu em termos religiosos. Nesta perspectiva, cabe destacar o protagonismo assumido pela mulher nos cânticos salomônicos, nos quais Sulamita assume status de igualdade e ganha voz tal qual o seu amado Salomão, a quem é atribuída a poesia dos cantares, permeada de erotismo, paixão e desejo sexual.

Referências

ALTER, Robert. A arte da narrativa bíblica. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
ANDRADE, E. D. A Bíblia como literatura: violência, poder e erotismo na narrativa sagrada. Linguasagem – Revista Eletrônica de popularização Científica em Ciências da Linguagem, São Carlos, 3. ed., out./nov. 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 dez. 2018.
BÍBLIA. Português. A Bíblia Sagrada. Tradução de João Ferreira Almeida. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2005.
BURKE, Peter. O que é história cultural?. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
CALDEIRA, C. Hermenêutica Negra Feminista: um ensaio de interpretação de Cântico dos Cânticos 1.5-6. Estudos Feministas, Florianópolis, n. 21(3), p. 1189-1210, set./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2019.
DUTRA, D. T. C. Cânticos dos cânticos de Salomão: representação poética do idealismo amoroso. 2011. 26 f. Trabalho de Conclusão de Curso (graduação) – Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Humanidades, Departamento de Letras e Educação, Guarabira, 2011. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2019.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 13 ed. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999.
GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
LIMA, A. O. História cultural e exegese bíblica: reflexões sobre as contribuições da história cultural para a metodologia exegética. Telecomunicação, Porto Alegre, v. 39, n. 3, p. 351-365, set./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 03 dez. 2018.
MÁXIMO CAVALCANTI, M. F. M. A teologia queer e o direito a Deus à fé e à crença: uma nova perspectiva do direito humano à orientação sexual e identidade de gênero. Anais do Congresso latino-americano de gênero e religião, São Leopoldo, v. 5, p.730-745, 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2019.
TINDO, M. A questão autoral do cântico dos cânticos. REEL – Revista Eletrônica de Estudos Literários, Vitória, s. 2, ano 9, n. 12, p. 1-34, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2019.
ZILLES, U. Filosofia e teologia na Idade Média. Teocomunicação, Porto Alegre, v. 43, n. 1, p. 106-129, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2019.
Publicado
2019-10-07
Como Citar
DA SILVA, F. A. O erotismo presente na Bíblia: breve análise do protagonismo feminino em Cantares de Salomão . Sacrilegens , v. 16, n. 1, p. 38-56, 7 out. 2019.