Mulher e folia, trajetória e história

as religiões afro-brasileiras como via de empoderamento feminino em espaços androcêntricos

  • Andiara Neder UFJF
Palavras-chave: Mulher, Folia de Reis, Umbanda, Catolicismo

Resumo

Este artigo tem por objetivo observar e discutir os deslocamentos já ocorridos e os que ainda estão em curso no contexto da Folia de Reis, no tocante ao papel e lugar das mulheres. Importa apresentar como as representantes femininas da folia, sobretudo as umbandistas, estão adentrando este universo antes destinado apenas aos homens, discutindo como é encarada a participação feminina nas folias umbandistas e nas católicas. Para isso, torna-se necessário traçar um histórico sobre a trajetória das mulheres e sua contribuição na constituição da Umbanda e do Cristianismo, para daí compreender como se dá o processo de reprodução de uma estrutura religiosa dentro das folias.

Referências

BASTIDE, Roger. Os Candomblés da Bahia. São Paulo: Companhia das Leras, 2001.

BELLOTTI, Karina Kosicki. Gênero e religião. Revista Aulas, n. 4, Campinas, p. 1- 7, abril/jul. 2007.

BERGER, Peter L..Múltiplos altares da modernidade: rumo a um paradigma da religião numa época pluralista. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BERNARDO, Teresinha. O Candomblé e o poder feminino. Revista Estudos de Religião, n.2, 2005, p. 1-21.

CARNEIRO, Edson. Candomblés na Bahia. 9º ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2008. (Raízes)

CORDOVIL, Daniela. Religiões afro: introdução, associação e políticas públicas. São Paulo: Fonte Editorial, 2014.

CRUZ, Maria Isabel da. A mulher na igreja e na política. São Paulo: Outras Expressões, 2013.

FARIA, Jacir de Freitas. As origens apócrifas do cristianismo: comentário aos evangelhos de Maria Madalena e Tomé. São Paulo: Paulinas, 2003.

GUERRA, Danilo Dourado. O anúncio feminino do Reino de Deus: perspectivas a partir de Lucas 8,1-3. In: RICHTER REIMER, Ivoni (org.) Por amor à vida!: Crenças, resistências e conquistas na Bíblia e na Atualidade. Goiânia: Ed. Da PUC Goiás, 2015. p. 111-133.

KEHL, Medard. A igreja: uma eclesiologia católica. Edições Loyola, São Paulo, Brasil, 1997.

LOPES, Noêmia de Fátima Siva, et al. Religião, família e gênero entre lideranças comunitárias católicas de Soledade/MG. Revista de Ciências Humanas, v. 11, n. 2, p. 331- 343, 2011.

MARIZ, Cecília. Catolicismo no Brasil contemporâneo reavivamento e diversidade. In: TEIXEIRA, Faustino e MENEZES, Renata (Orgs.). As Religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006. p.53-68.

MENEZES, Nilza. A violência de gênero nas religiões afro-brasileiras. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2012, 208 p.

NEDER, Andiara Barbosa. Folia de Reis em Leopoldina: uma encruzilhada religiosa, artística e cultural. Dissertação (Mestrado em Ciência da Religião) - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião, da Universidade Federal de Juiz de Fora, 2015.

NEGRÃO, Lísias Nogueira. Entre a cruz e a encruzilhada. Formação do campo umbandista em São Paulo. São Paulo, EDUSP, 1996.

OLIVEIRA, Lisa Batista de. Devassas e “mau-procedidas”: prostituição, concubinato e vivência religiosa nas Minas Gerais do século XVIII. Curitiba: Editora Prismas, 2017.

RICHTER REIMER, Ivoni. Apostolado, diaconia e missão de mulheres nas origens do Cristianismo: rever tradições para empoderar e promover cidadania plena. Revista Pós-Escrito. Rio de Janeiro, n.4, p.110-126, ago./dez. 2011.

RIVAS NETO, Francisco. Escolas das Religiões Afro-brasileiras: tradição oral e diversidade. São Paulo: Arché Editora, 2013.
ROHDEN, Fabíola. Catolicismo e protestantismo: o feminismo como uma questão emergente. Cedernos Pagu (8/9) 1997: pp.51-97.

SANCHIS, Pierre. As tramas sincréticas da história. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n.28, São Paulo, jun. 1995.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Candomblé e Umbanda: caminhos da devoção brasileira. 2ª ed. São Paulo: Selo Negro, 2005.
Publicado
2019-10-22
Como Citar
NEDER, A. Mulher e folia, trajetória e história. Sacrilegens , v. 16, n. 1, p. 339-362, 22 out. 2019.