Religiões e religiosidades ameríndias: Regimes de saber, diversidade e mediações na experiência religiosa em contextos indígenas

  • Siloeh Cerqueira Lopes Piermatei
  • Kátia Moraes de Almeida
  • Alfredo Ferreira de Souza
  • Willian Dias da Silva
Palavras-chave: religiões ameríndias, saberes tradicionais, xamanismo, mediações

Resumo

O presente GT objetiva reunirpesquisas relacionadas à religiosidade dos povos indígenas em seus diversos aspectos, a partir de olhares multidisciplinares, pretendendo dar conta de uma lacuna presente nas pesquisas acadêmicas de forma geral e, em especial, na área de Ciência da Religião. Desta forma, trabalhos que envolvam as cosmovisões e os regimes de saber e de conhecimento tradicionais indígenas relacionados aos aspectos sagrados serão contemplados pelo GT. Diante de um contexto de multiplicidade de realidades religiosas indígenas, pretende-se dar espaço para pesquisas voltadas para as mediações, encontros e confrontos entre os regimes de saber tradicionais e as religiões “outras”, contemplando também as diversas expressões das missões em áreas indígenas e as reconfigurações religiosas originárias do contato inter-étnico, tanto em uma perspectiva histórica quanto contemporânea. O GT se abre igualmente a pesquisas pautadas por horizontes epistemologicos pos e decoloniais que compreendam as relações ameríndias com o universo simbólico-religioso em suas mais diversas formas. Serão aceitos também trabalhos que tenham como tema novas espiritualidades que reelaboram o saber xamânico a partir de outras perspectivas religiosas (neo-xamanismos). A presente proposta de GT está ligada ao Grupo de Pesquisas em Religiões e Religiosidades Ameríndias e pretende contribuir para a ampliação das pesquisas relacionadas aos contextos indígenas e suas interfaces com o religioso, possibilitando uma maior inserção do conhecimento sobre os povos indígenas no ambiente acadêmico.

 

Referências

BALDUS, Herbert: TAPIRAPÉ – Tribo Tupi no Brasil Central. São Paulo: Companhia
Editora Nacional, 1970.
BESSONE, Magali. Do eu aos nós. In: MONTANDON, Alain (Dir.) O livro da
hospitalidade: acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São Paulo: SENAC, 2011.
BINET-MONTANDON, Chistiane. Uma construção do vínculo social. In: MONTANDON,
Alain (Dir.). O Livro da Hospitalidade: acolhida ao estrangeiro na história e nas culturas. São
Paulo: Senac, 2011.p. 1171-1184.
BOLETIM Verde, Jesus Caritas.s.n.t.
BOFF, Leonardo: Hospitalidade, direito e dever de todos. Petrópolis: Vozes, 2005;
______ . Convivência. Respeito e tolerância. Petrópolis: Vozes, 2006;
______ . Comer e beber juntos e viver em paz. Petrópolis: Vozes, 2006;
BRANDÃO, Carlos; Inculturação e Libertação. A linha 2 da Comissão Episcopal da CNBB /
CIMI. São Paulo: Edições Paulinas, 1986.
IRZ, MADALENA DE JESUS, Jesus é o Deus do impossível. França, Le Livre Ouvert, 1991.
IRZ, ANNIE, de Jesus. Irmãzinha Madalena de Jesus, A experiência de Belém, até os confins
do mundo, São Paulo: Cidade Nova, 2012.
IRMÃZINHAS DE JESUS, Contemplativas em plena massa humana, disponível em:
http://www.hermanitasdejesus.org/brasil/brasil_nuestra_historia.htm
KATHRYN, Spink. O chamado do Deserto, Biografia de Irz. Madalena de Jesus, São Paulo:
Loyola, 1997.
MACEDO, Maria Suzana F.A.: EM TERRA ESTRANGEIRA: hospitalidade e diálogo interreligioso. Tese, UFJF 2017.
MIRANDA, Mario de F. INCULTURAÇÃO DA FÉ Uma abordagem teológica. São Paulo:
Edições Loyola, 2001.
PANIKKAR, Raimon. O Diálogo indispensável, paz entre as religiões, Portugal: Zéfiro,
2007.
PORTAL DAS IRMÃZINHAS DE JESUS, disponível em:
http://irmazinhasdejesusbrasil.blogspot.com.br/
REMY, Eliane. PARTEIRAS DE UM POVO 65 anos da presença das Irmãzinhas de Jesus
junto ao povo Apuãwa-Tapirapé. Goiânia: Scala Editora, 2018.
SUESS, Paulo. Queimada e semeadura: da conquista espiritual ao descobrimento de uma
nova evangelização. Petrópolis, 1988, Vozes.
TEIXEIRA, Faustino. Buscadores Cristãos no Diálogo com o Islã. São Paulo: Paulus, 2014.
TEIXEIRA, Faustino. Buscadores do diálogo itinerários inter-religiosos. São Paulo: Paulus,
2012.
TORAL, André. Instituto Socioambiental / Povos Indígenas no Brasil. Visualizada em
06/07/2018. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Tapirap%C3%A9
CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. De amigos formais e Companheiros. Escatologia
entre os Krahô. In: Cultura com Aspas. São Paulo: Cosac &Naify, 2010. P. 51-76.
CUNHA, Manuela Carneiro, (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia
das letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP, 1992. p. 311-338.
CROATTO, José Severino. As linguagens da experiência religiosa. Uma Introdução à
fenomenologia da religião. São Paulo: Paulinas, 2010. p. 86-352.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2011. p.
71.
LOPES DA SILVA, Aracy. Mitos e cosmologias indígenas no Brasil: breve introdução.
GRUPIONI, L.D.B. Índios no Brasil. Brasília: MEC, 1994. P. 75-82.
MAUSS, Marcel. Esquimo: A Study in Social Morphology. Routledge.
VIDAL, Lux, (Org.). Grafismo IndígenaEstudosdeantropologia
SãoPaulo:Edusp,2000. p. 13-189.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. MANA 8 (1):113-148, 2002.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América Indígena.
In: A inconstância da Alma Selvagem. São Paulo:Cosac&Naify, 2002. P. 347-399.
BENSON, Irene. Transcrição da entrevista feita ao autor. Boa Vista, 14 a 16 de abril de 2007,
p. 1,
CESAR, Milton. Transcrição da entrevista feita ao autor. Boa Vista, 02 a 07 de junho 2003.
FOSTER, Patrick. Transcrição da entrevista feita ao autor. Boa Vista, 1 de janeiro de 2007.
HAWKINS, Robert. Transcrição da entrevista feita ao autor. Boa Vista, 17 e 18 de setembro
de 2002.
CERTEAU, M. de A Escrita da História. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.
CERTEAU, M. A Invenção do Cotidiano – 1. Artes de Fazer. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.
COURDREAU. Olga. Voyage a la Mapuera – 21 de avril – 24 decembre 1901. Paris: Lahure
Imprimeur, 1903.
DOWDY, Homer. Christ’s witchdoctor. New York: Harper & Row, 1963.
FERREIRA DE SOUZA, Alfredo. O resgate das almas: a missão protestante entre os
Yanomami no Território Federal do Rio Branco (1956 – 1963). 2003. 174 f. Dissertação
(Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,
2003.
GOODY, Jack. A lógica da escrita e a organização da sociedade. Lisboa, Edições 70: 1987.
GOPPY, Nicholas. Wai-Wai: through the forests north of the Amazon. Londres: John Murray,
1958.
HAWKINS, Robert. [Carta]. 5 de setembro de 2007, Dallas [para] Patrick Foster, Tampa.
LEAVITT, Claude, LEAVITT, Barbara. “From darkness to light”. In: Light and Life, Bala
Cynwyd e Toronto, v. 20, n. 2, p. 8, abr./jun. 1958.
PUDNEY. Edwin. “General requirements for missionary service”. In: Light and Life, Bala
Cynwyd e Toronto, v. 20, n. 3, p. 9 – 10, jul./set. 1958.
QUEIROZ, Ruben Caixeta de. “A saga de Ewká: epidemias e evangelização entre os
Waiwai”. In WRIGHT, Robin. Transformando os deuses. Campinas: 1999.
RIEDLE, Florence. They couldn’t talk to God. In: Light and Life, Bala Cynwyd e Toronto, v.
21, n. 3, p. 5, jul./set. 1959.
WAIWAI, Yakuta. Entrevista concedida no dia 10 de fevereiro de 1996 e publicada por
SABATINI, S. Massacre. São Paulo: Loyola, 1998.
ABREU, Capistrano de. Capítulos de história colonial (1500-1800): os caminhos antigos e
o povoamento do Brasil. 5ª edição. Rio de Janeiro: Sociedade Capistrano de Abreu, 1969.
ANDRADE, Maristela Oliveira de. 500 anos de catolicismos e sincretismos no Brasil. João
Pessoa. Editora Universitária, 2002.
AZZI, Riolando. A Cristandade Colonial: Mito e Ideologia. Petrópolis, RJ: Editora Vozes,
1987
BALDUS, Herbert. O xamanismo. Revista do Museu Paulista. N. S. vol. 16, São Paulo.
1965/66.
BITTENCOURT, F.J. Matriz religiosa brasileira: Religiosidade e mudança social.
Petrópolis, RJ: Vozes. 2003.
CALASANS, José. Fernão Cabral de Ataíde e a Santidade de Jaguaripe. Salvador:
EDUFBA, 2013.
CASTRO, Josué Tomasini. Sincretismo como cruzar de memórias em contextos africanos:
em defesa da precisão in: Ciências da Religião: história e sociedade, São Paulo, v. 12, n. 1,
p. 56-80, jun. 2014.
CLASTRES, Hélène. La Terre sans Mal: le prophétisme tupi-guarani. Paris: Seuil. 1975.
CONSTITUIÇÕES da Companhia de Jesus: normas complementares. São Paulo: Editora
Loyola. 2004.
COSTA, Célio Juvenal. A racionalidade jesuítica em tempos de arredondamento do
mundo: o Império Português (1540-1599). Tese de Doutoramento. Piracicaba: Unimep, 2004.
CRUZ, Carlos Henrique A. Inquéritos nativos: os pajés frente à Inquisição. Dissertação
(Mestrado) - Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia,
Departamento de História, 2013, p.66.
DROOGERS, André. "Sincretismo." Estudos Teológicos 21.3 (1981): 139-150. Disponível
em: < http://periodicos.est.edu.br/index.php/estudos_teologicos/article/view/1335>Acesso
em: 26. Ago. 2016.
ECHANÍZ, Ignácio. Paixão e glória: História da Companhia de Jesus em corpo e alma.
São Paulo: Loyola, 2006. 4 tomos
ELIADE, Mircea. El chamanismo y Ias técnicas arcaicas dei extasis. México. Ed. Fondo de
Cultura Econômica. 1960.
FERRETTI, Sérgio Figueiredo. Repensando o sincretismo: estudo sobre a casa de minas.
São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; São Luís: FAPEMA, 1995.
FILHO, José Bittencourt. Matriz Religiosa Brasileira: Religiosidade e Mudança Social.
Petrópolis, RJ, Editora Vozes: 2003.
GRUZINSKI, Serge. A Cristianização do Imaginário. In: A Colonização do Imaginário:
sociedades indígenas e ocidentalização no México espanhol. Séculos: XVI- XVIII. São
Paulo: Companhia das Letras, 2003, p. 271-294.
__________. Os mundos misturados das monarquias católicas e outras connected
historiem. Topoi, Rio de Janeiro, 2001, pp. 175-195.
JESUS, Edvaldo Nascimento de. Antagonismo Colonial: A santidade de Jaguaripe e a
Construção da liberdade no século XVI no recôncavo baiano. In: II Simpósio
Internacional de Estudos Inquisitoriais: 2013 UFRB. Salvador. Disponível em:
Texto_Edvaldo_Nascimento.pdf. >Acesso em: 23/08/2016.
LARROYO, Francisco. História Geral da Pedagogia. São Paulo: Mestre Jou, 1982. t 1.
MANSO, M. D. B. História da Companhia de Jesus em Portugal. Lisboa Ed. Parsifal. 2016.
METRAUX, Alfred. “Messias índios”, in Religion y magias indigenas de América del sur.
Espanha, Aguilar, 1973.
MIRANDA, Mário França. Inculturação da fé e sincretismo religioso. In: Inculturação da
fé: uma abordagem teológica. São Paulo: Loyola, 2001.
MONTERO, Paula (org.). Deus na Aldeia: missionários, índios e mediação
cultural. São Paulo, Globo, 2006.
NÓBREGA, Manuel da. Cartas do Brasil 1549-1560.Rio de
Janeiro, Publicações da Academia Brasileira de Letras, 1931. (Biblioteca de Cultura
Nacional, História - II. Cartas Jesuíticas — 1.)
NUNES, Antonieta d’Aguiar. “Centenário de elevação da primeira vila do Recôncavo
baiano (Jaguaripe) a cidade.” In: Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia,
Salvador, v. 95, 2000, pp. 153-196.
POMPA, Cristina 2006. "Para uma antropologia histórica das missões". In: P. Montero
(org.). Deus na aldeia. Missionários, índios e mediação cultural.
__________. “Profetas e santidades selvagens: missionários e caraíbas no Brasil
Colonial”. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 21, nº 40, 2001, p. 188-189.
__________. O profetismo tupi-guarani: a construção de um objeto antropológico. In
Revista de Índias. São Paulo, CEBRAP, vol. LXIV nº 230,2004 P.141-174,
PRADO JÚNIOR, Caio. Evolução Política do Brasil e outros estudos. 7. Ed. São Paulo:
Brasiliense, 1971.
RAMINELLI, Ronald. Imagens da colonização:a representação do índio deCaminha a Vieir
a. Rio de Janeiro:Jorge Zahar Ed., 1996.
RAMOS, Fábio Pestana; MORAIS, Marcus Vinícius. Eles formaram o Brasil. São Paulo:
Contexto, 2010.
RODRIGUES, Francisco. História da Companhia de Jesus na Assistência de Portugal.
Tomo I, volume 1. Porto: Apostolado da Imprensa, 1931a.
SANCHIS, Pierre. As tramas Sincréticas da História: sincretismo e modernidades no
espaço luso brasileiro, Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 28, São Paulo, pp. 123-138,
junho. 1995.
_________.. “O Campo Religioso no Brasil”. In: Ari Pedro Oro, STEIL, Carlos
Alberto. Globalização e religião. 1997. Petrópolis: Vozes, pp.103-117.
__________. Pra não dizer que não falei de sincretismo. In: Comunicações do ISER, Rio
de Janeiro, n. 45, p. 5-11, 1994.
SAVIANI, Dermeval. A História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores
Associados, 2007.
SILVA, Isabelle Braz Peixoto do. A santidade de Jaguaripe. Revista de Ciências Sociais, nº:
1-2, v.26, p. 65-70. 1995.
VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios: catolicismo e rebeldia no Brasil Colonial. São
Paulo: Companhia das Letras, 1995.
__________, Ronaldo. SOUZA, Juliana Beatriz de. Brasil de todos os Santos. 1ª edição. Rio
de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.
VIEIRA, Antônio Sermão do Espírito Santo (1657). Apud. CASTRO, Eduardo Viveiros de.
A Inconstância da Alma Selvagem e Outros Ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac &
Naify, 2002, pp. 183-184.
SILVA, Isabelle Braz Peixoto da. A santidade de Jaguaripe:Catolicismo ou Religião
popular Revista de Ciências Sociais v.26 n.l/2 1995. pp. 65- 70
SILVA, Willian Dias da. MAIA, Letícia D. “Resistência e Sincretismo Religioso: A Santidade
de Jaguaripe no Tribunal Inquisitorial”. In: Anais da XXXII Semana de História da
Universidade Federal de Juiz de Fora. “O papel social do historiador: desafios
contemporâneos para a escrita da História”, Juiz de Fora, 2017, p.1209-1223 Disponível em:
Acesso em:
23/03/2018.
VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B.. A Inconstância da Alma Selvagem e Outros
Ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify. 552 pp. 2002.
Como Citar
CERQUEIRA LOPES PIERMATEI, S.; MORAES DE ALMEIDA, K.; FERREIRA DE SOUZA, A.; DIAS DA SILVA, W. Religiões e religiosidades ameríndias: Regimes de saber, diversidade e mediações na experiência religiosa em contextos indígenas . Sacrilegens , v. 15, n. 2, 11.