Espiritualidades Contemporâneas, (Neo)paganismo, Esoterismo, Nova Era

  • Jessica Freire Pereira de Aquino
  • Grazyelle de Carvalho Fonseca
  • Gabrielly Merlo de Souza
  • Maria Roseli Sousa Santos
  • Dartagnan Abdias Silva
Palavras-chave: Paganismo, Espiritualidades contemporâneas, Esoterismo, Nova Era, Reencantamento

Resumo

O mundo moderno trouxe as identidades e as fixações perante as “ofertas” disponíveis no Campo Religioso, como resposta a esse movimento, a errância religiosa e os vários circuitos se conectaram criando uma complexa teia de vivências, espiritualidades, experimentações, conceituações. Eventualmente, os errantes encontram pontos de permanência em suas jornadas, pontos que podem ou não representar o futuro de suas jornadas espirituais e religiosas. Como consequência, mais de um ponto de permanência pode ser encontrado. Dentre esses movimentos, nosso grupo focal são aqueles que estudam a complexidade das correntes esotéricas, da Nova Era e do (Neo)paganismo, que trazem consigo um (novo) olhar “encantado” sobre o mundo “secularizado”, ao mesmo tempo que parecem se difundir facilmente ao contemplarem, em vários âmbitos, as demandas e correntes sociais da contemporaneidade como: liberdade para a errância religiosa e espiritual, uma privatização religiosa enquanto se propõe a viver ou se experimenta uma consciência coletiva, resgate natural e culto a terra, empoderamento feminino, entre outros tantos tópicos que podemos listar. O presente Grupo de Trabalho visa criar um espaço de discussão essas religiosidades e espiritualidades, através de trabalhos (comunicações orais e banners) que se proponham a alçar tais debates e compreensões.

 

 

Referências

ASSMANN, Hugo. A Igreja Eletrônica e seu impacto na América Latina. Petrópolis:
Vozes, 1986.
BENVENISTE, E. A forma e o sentido na linguagem. In: Problemas de linguística geral.
Campinas: Pontes, 2006.
BERGER, Christa. Tensão entre os campos religioso e midiático. In: MELO, José Marques
de; GOBBI, Maria Cristina; ENDO, Ana Claudia Braun. Mídia e Religião na Sociedade do
Espetáculo. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2007. Cap. 1, p.
23-32.
BITTENCOURT FILHO, José. Matriz religiosa brasileira: religiosidade e mudança social.
Petrópolis: Editora Vozes, 2003. BOBSIN, Oneide. Tendências religiosas e transversalidade: hipóteses sobre a
transgressão de fronteiras. Estudos Teológicos, v. 39, n. 2, p. 105-122, 1999.
CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.
CUNHA, Magali do Nascimento. O conceito de religiosidade midiática como atualização
do conceito de Igreja Eletrônica em tempos de cultura gospel. Anais do XXV Congresso
Brasileiro de Ciências da Comunicação. Disponível em:
http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2002/Congresso2002_Anais/2002_NP1cunha.pd
f . Acesso em 19/09/2018.
DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. São Paulo: Contraponto Editora, 1997.
DURKHEIM, Émile. As formas elementares de vida religiosa: o sistema totêmico na
Austrália. São Paulo: Edições Paulinas, 1989.
ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins
Fontes, 2001.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.
GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Editora Vozes,
1975.
IBGE. Disponível em:
https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm. Acesso em
22/06/2016.
INDURSKY, Freda. A fala dos quartéis e as outras vozes. São Paulo: Editora da
UNICAMP, 2013.
LANG, Alice Beatriz da Silva Gordo. Espiritismo no Brasil. Cadernos CERU, v. 19, n. 2, p.
171-185, 2008.
MAINGUENEAU, Dominique. Discurso e análise do discurso. São Paulo: Parábola
Editorial, 2015.
MARTINO, Luis Mauro Sá. Mídia e Poder Simbólico. São Paulo: Paulus, 2003.
ORLANDI, EniPulcinelli. O Discurso Religioso. In: A Linguagem e seu Funcionamento. As
Formas do Discurso. Campinas, São Paulo: Pontes, 1987.
______. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Editora Pontes, 2009.
______. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Editora Pontes,
2005.
______. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Editora
Pontes, 1996.
OTTO, Rudolf. O sagrado. Lisboa: Edições 70, 1992.
PATERNOSTRO, Vera. O texto na TV: manual de telejornalismo. Rio de Janeiro: Elsevier
Brasil, 2013.
PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Editora Pontes,
2008.
______.Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da
Unicamp, 1975.
PIERUCCI, Antônio Flávio; PRANDI, Reginaldo. A realidade social das religiões no
Brasil: Religião, sociedade e política. São Paulo: Editora Hucitec, 1996.
PRANDI, Reginaldo. Religião, biografia e conversão: escolhas e mudanças. Rio de Janeiro:
Tempo e Presença,Koinonia, nº 310, p. 34-42, 2000.
SCHWARTZENBERG, Roger-Gerárd. O Estado Espetáculo: ensaio sobre o star system
em política. São Paulo: Círculo do Livro, 1977.
THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis:
Vozes, 1998.
ARRIBAS, Célia da Graça. No princípio era o verbo: espíritas e espiritismos na
modernidade religiosa brasileira. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia,
Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014.
BERGER, Peter. O riso redentor: a dimensão cômica da experiência humana. Petrópolis:
VOZES, 2017.
CAVALVANTI, Maria Laura V. C. O mundo invisível: cosmologia, sistema virtual e noção
de pessoa no espiritismo. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social, 2008. (ebook)
COMPANHIA AMIGOS DA LUZ. Sinopse da peça Morrendo e Aprendendo. Disponível
em: https://www.amigosdaluz.com/morrendo-e-aprendendo (último acesso em outubro de
2018).
HERTZ, Robert. Death and the right hand. Great Britain: University Press Alberdeen, 1960.
KARDEC, Allan. Obras póstumas. Araraquara: IDE, 2008.
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Araraquara: IDE, 2009.
LUCA, Fábio de. Entrevista Companhia Amigos da Luz – Sidney Grillo e Fábio de Luca. [jul.
2018] Entrevistadora: Grazyelle Fonseca. Rio de Janeiro, 2018. 1 arquivo .mp3 (47:30).
MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora Unesp, 2003.
POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n.
10, 1992, p. 200 – 212.
PRADO, Décio. A personagem do teatro. In: CÂNDIDO, Antônio [et. al]. A personagem de
ficção. São Paulo, Perspectiva, 2014.
PRIETO, Renato. Página pessoal. Disponível em:http://www.renatoprieto.com.br/comeco.html
(último acesso em: outubro de 2018).
PROPP, Vladimir. Comicidade e riso. São Paulo: Ática: 1992.
ROCHA, Cristina; VÁSQUEZ, Manuel. Introdução: O Brasil na nova cartografia global das
religiões. In: ROCHA, Cristina; VÁSQUEZ, Manuel. A diáspora das religiões brasileiras.
São Paulo: Ideias e letras, 2006.
SHECHNER, Richard.O que é performance? O Percevejo – Revista de Teatro, Crítica e
Estética, ano 11, nº 12, 2003. Unirio.
SHECHNER, Richard. Pontos de contato entre o pensamento antropológico teatral. Cadernos
de Campo, São Paulo, n. 20, p. 213 – 236, 2011.
STOLL, Sandra Jacqueline. Religião, ciência ou auto-ajuda? Revista de Antropologia, São
Paulo, USP, 2002, v. 45, nº 2.
STOLL, Sandra Jacqueline. Encenando o invisível: a construção da pessoa em ritos
mediúnicos e performances de “auto-ajuda”. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 29 (1): 13-
29, 2009.
CASTRO, Dannyel T. A festa das almas: o culto aos ancestrais no neopaganismo. Rev.
Ultimo Andar. N. 28. 2016.
__________________. Entre carvalhos e samaúmas: a espiritualidade céltica
contemporânea entre a eco-religiosidade e a identidade regional. Diversidade Religiosa, João
Pessoa. n. 7. N. 1. 2017a.
__________________. Estudos sobre o neopaganismo no Brasil. Fragmentos de cultura. V.
27. N. 3. Goiânia. 2017b.
CRUZ, Patrícia P.; PEREIRA NETO, Francisco. A Ecologia e o Sagrado: a trajetória
antropológica de uma cosmologia contemporânea. Tessituras, Pelotas, v. 2. N. 1. P. 231-250.
2014
D’ANDREA, Anthony A. F., O Self perfeito e a Nova Era. Individualidade e Reflexividade
em religiosidades pós-tradicionais. Edições Loyola. Chicago. 2000.
FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo. Ed.
Elefante. 2017
FILHO, Celso Luiz. T. A Deusa não conhece fronteiras e fala todas as línguas. Um estudo
sobre a religião Wicca nos Estados Unidos e no Brasil. Tese de Doutorado em Ciências da
Religião da Pontífica Universidade Católica de São Paulo. SP. 2016.
HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1997.
MAGNANI, José Guilherme Cantor, O Neo-esoterismo na Cidade, Revista USP, Dossiê
Magia, São Paulo, p.6-15, 1999.
OLIVEIRA, Aurénea M.; OLIVEIRA, Gustavo G. Modernidade, (des)secularização e póssecularismo nos debates atuais da sociologia da Religião. Revista Teologia e Ciências da
Religião. UNICAP. PE. V. 1. 2012
OLIVEIRA, Rosalira. Ouvindo uma Terra que fala: o renascimento do Paganismo e a
Ecologia. Rev. Nures. N. 11. SP. 2009.
OLIVEIRA, Rosalira. Religiões da terra e ética ecológica. Dossiê: Biodiversidade, Política e
Religião. Horizonte. PUC MInas. BH. V. 8. N. 17. 2010.
SÁ JUNIOR, Luiz Cesar de. Philipe Descola e a Virada Ontológica na Antropologia. Revista
ILHA. v. 16, n. 2, p. 7-36, 2014.
STARHAWK. A dança cósmica das feiticeiras: guia de rituais para celebrar a Deusa. Ed.
Nova Era. 7a ed. Rio de Janeiro. 2007.
STARHAWK. Truth or Dare: Encoumters with Power, Authority and Mystery. San
Francisco. Harper Collins Publisher. 1989.
STENGERS, Isabelle. Reativando o animismo – Belo Horizonte: Chão de Feira, 2017
BEZERRA, Karina. Esboço geral da magia na Wicca: segundo a perspectiva de Marcel
Mauss. In: IV Colóquio de História: abordagens interdiscplinares sobre a História da
sexualidade, 2010, Recife. Abordagens interdiscplinares sobre a História da sexualidade.
Recife, 2010.
CERIDWEN, Mavesper Cy. A Roda do Ano e sua Celebração (2014). Disponivel em:
https://polissemizando.wordpress.com/2014/05/07/a-roda-do-ano-e-sua-celebracao/, Acessoda
em 25/06/2017.
_____________ Mavesper Cy. Eu sou pagã hoje no Brasil.Disponivel em:
https://yingfeminino.blogspot.com/2011/08/eu-sou-paga-hoje-no-brasil-pormavesper.html?m=0 . Acessado em: 30/06/2017.
DELEUZE, Gilles. A Imanência: uma vida. Tradução de Tomaz Tadeu, do original em
francês. RevistaEducação& Realidade. 21(10-18) Julh-dez, 2002.
FRAZER, James, O Ramo Dourado. São Paulo: Círculo do Livro, 1982.
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
GARDNER. Gerald. A Bruxaria Hoje. São Paulo,: Madras, 2003.
HUTTON, Ronald. The Triumph of The Moon: A History of Modern Pagan Witchcraft.
New York: Oxford Press, 1999.
MURRAY, Margaret A. El Dios de losBrujos. México:Fondo de Cultura Económica. 2006.
NORONHA, MaressaMaelly Soares; PARRON, Stênio Ferreira. A Evolução do Conceito de
Família. Disponível em: http://uniesp.edu.br/sites/_biblioteca/revistas/20170602115104.pdf.
Acesso em 19/10/2018.
OLIVEIRA, Rosalira. Religiões da terra e ética ecológica. Horizonte, Belo Horizonte, v. 8,
n. 17, p.26-44, abr./jun.. 2010.
PRIETO, Claudiney.Ritos de Passagem, Celebrando o nascimento, vida e a morte na
Wicca, de Claudiney Prieto. São Paulo: Editora Gaia, 2006.
_____________. Wicca para todos. Edição do autor, 2009. Disponível em:
http://stoa.usp.br/briannaloch/files/2564/13921/Wicca-Para-Todos.pdf . Acesso em: 09 de
março, 2015.
RICOUER, Paul. O conflito das interpretações. Porto: Rés-Editora, 1998b.
SANTOS, Roseli S, A religião da Deusa: espiritualidade e saberes da tradição das famílias
neopagãs na terra brasilis. Revista Observatório da Religião, Programa de Pós-Graduação em
Ciências da Religião-UEPA. N1, V 03, Jan-Jun-2016.
TERZETTI FILHO. Celso Luiz.“A institucionalização da Wicca no Brasil: entrevista com
a bruxa wiccanianaMavesper Cy Ceridwen”. REVER, vol. 14, n° 2: 279-290. 2014.
AMARAL, Leila. Carnaval da Alma:comunidade essência e sincretismo na Nova Era.
Petrópolis: Editora Vozes, 2000.
______. Nova Era: um movimento de caminhos cruzados. In: AMARAL, Leila. Nova Era:
um desafio para os cristãos. São Paulo: Editora Paulina, 1994, p.13-50.
BERGER, Peter L.Modernidade, pluralismo e crise de sentido: a orientação do homem
moderno. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.
CAMPBELL, Colin. A Orientalização do Ocidente: reflexões sobre uma nova teodiceia para
um novo milênio. In:Revista Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, vol. 18, n. 1, 1997, pp.
05-29.
CAROZZI, Maria Julia. Nova Era: a autonomia como religião. In: CAROZZI, Maria Julia
(org.). A Nova Era no Mercosul. Petrópolis: Editora Vozes, 1999, p. 149-190.
CARVALHO, José Jorge de. Características do fenômeno religioso na sociedade
contemporânea. In: BINGEMER, Maria Clara Lucchetti. O impacto da modernidade sobre
a religião. São Paulo: Edições Loyola, 1992, pp. 133-161.
______.O encontro de velhas e novas religiões Esboço de uma Teoria dos Estilos de
Espiritualidade. In: MOREIRA, Alberto & ZICMAN, Renée (orgs.). Misticismo e novas
religiões. Petrópolis: Vozes, 1994, pp. 67-99.
HERVIEU-LÉGER, Danièle. Representam os surtos emocionais contemporâneos o fim da
secularização ou o fim da religião? Tradução de Pierre Sanchis. In: Revista Religião e
Sociedade, vol. 18, n. 1, 1997, p. 31-47.
HESELTON, Philip. Witchfather: A Life of Gerald Gardner. Vol 1: Into the Witch Cult.
Loughborough, Leicestershire: Thoth Publications, 2012a.
______. Witchfather: A Life of Gerald Gardner. Vol 2: From Witch Cult to Wicca.
Loughborough, Leicestershire: Thoth Publications, 2012b.
LIMA, Ligia Amaral. Wicca: a religião dos bruxos. Rio de Janeiro: Nova Era, 2006.
MAGNAMI, José Guilherme Cantor. O Neo-esoterismo na cidade. In: Revista USP, “Dossiê
de magia”, n. 31, 1986.
______.Mystica Urbe. São Paulo: Studio Nobel, 1999.
OSÓRIO, Andréa.Bruxas Modernas na rede virtual: a internet como espaço de sociabilidade e
disputas entre praticantes da Wicca no Brasil. In: Revista Sociedade e Cultura, Goiânia, janjun., ano/vol. 8, n. 001, p. 127-139, 2005.
PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciências sociais e religião: A religião como ruptura. In:
TEIXEIRA, Faustino & MENEZES, Renata (orgs.). As religiões no Brasil – Continuidades e
rupturas. Petrópolis: Vozes, 2011, pp. 17-34.
RIBEIRO, Alessandra StremelPesce. Wicca: paganismo urbano e religiosidade
contemporânea. 2003. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná, Curitiba.
RUSSELL, Jeffrey B. & ALEXANDER, Brooks. História da Bruxaria. Tradução de Álvaro
Cabral & William Lagos. São Paulo: Aleph, 2008.
SANCHIS, Pierre. O campo religioso contemporâneo no Brasil. In: ORO, Ari Pedro &
STEIL, Carlos Alberto (orgs.). Globalização e Religião. Petrópolis: Vozes, 1997, pp. 103-
115.
______.O campo religioso será ainda hoje o campo das religiões? In: HOORHAERT,
Eduardo (org.). História da Igreja na América Latina e no Caribe: o debate metodológico.
Petrópolis: Vozes, 1995, pp. 81-131.
SILVA, Dartagnan Abdias. Há bruxas na cidade: a Wicca a partir da representação da
UWB. 2017. Dissertação de Mestrado. Mestrado em Ciência da Religião, Universidade
Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora.
STEIL, Carlos Alberto. Pluralismo, modernidade e tradição – transformações do campo
religioso.In:Revista Ciências Sociais e Religião. Porto Alegre, ano 3, n. 3, 2001, pp. 115-
129.
Como Citar
FREIRE PEREIRA DE AQUINO, J.; DE CARVALHO FONSECA, G.; MERLO DE SOUZA, G.; SOUSA SANTOS, M. R.; ABDIAS SILVA, D. Espiritualidades Contemporâneas, (Neo)paganismo, Esoterismo, Nova Era. Sacrilegens , v. 15, n. 2, 11.