Dimensões Históricas do Fenômeno Religioso

  • Nívea Maria Leite Mendonça
  • Daniel Salomão Silva
  • Luiz Cambraia Karat Gouvêa da Silva
Palavras-chave: ; história; religião; sagrado;sociedade, Cultura, História, Religião, Sagrado, Sociedade

Resumo

O sagrado e suas especificidades acompanham o homem desde tempos imemoriais. O contato com a natureza inóspita revelava um mundo animado de seres e de condições pouco favoráveis à sobrevivência do indivíduo, o qual, diante de forças descomunais, subjugava-se e se protegia a partir de rituais e de comportamentos padronizados. As civilizações antigas dedicavam grandes empreendimentos para o contato e a reverência ao seu mundo sagrado. As várias religiões que inauguraram a humanidade atravessaram séculos e continuam a determinar o modo de ver e de tratar as relações na sociedade. Houve um tempo em que se pensava que a religião e as formas do sagrado estariam em franca decadência, e que a ciência substituiria as crenças eternas. O crescente conhecimento daria lugar à racionalidade exacerbada e as crenças supersticiosas não teriam qualquer papel na sociedade. Durkheim, Weber, Freud, Berger, entre outros, dedicaram parte de seus estudos a fim de mostrar o valor da religião para o homem. Diante da importância que assume a experiência do sagrado, propomos uma discussão sobre ela e as expressões resultantes da reflexão histórica, sociológica, filosófica e científica. Essa proposta justifica-se, uma vez que a história mostra-nos que o mundo atual, desde o surgimento do pensamento científico até as altas performances tecnológicas, não serviram para livrar o homem do sagrado. Podemos notar o avanço das mais diversas formas de contato com o sagrado vivido no mundo atual a partir da liquidez das crenças no espaço urbano.

Referências

AEPNSP/OP. Regra da Ordem Terceira da Mãe Santíssima e Soberana Senhora do Monte do
Carmo. Vol. 2672. Período 1790. Esta Regra pertenceu ao irmão José Álvares (Sic.).
MESTERS, Frei Carlos. Ao Redor da Fonte: círculos de oração e de meditação em torno da
Regra do Carmo.
PEREYRA DE SAN´ANNA, Joseph (O.C). Chronica dos Carmelitas da Antiga e Regular
Observância. v. I, Lisboa, (s/e), 1745-1747, p.777. Apud BAYÓN, BalbinoVelasco. História
da Ordem do Carmo em Portugal.Lisboa:Paulinas, 2001.
ROMEIRO, Adriana & BOTELHO, Angela Vianna. Dicionário Histórico das Minas GeraisPeríodo Colonial. – 3. Ed..Rev. e ampl. - Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2013.
VIEIRA, Domingos. Thesouro da Língua Portuguesa, III, Porto, 1983.
AGULHON, Maurice. Pénitents et Francs-Maçons de l’ancienne Provence-essai sur la
sociabilité Méridionale. Paris: Fayard, 1968.
BARBOSA, Gustavo Henrique. Associações religiosas de leigos e sociedade em Minas
colonial: Os membros da Ordem terceira de São Francisco de Mariana (1758-1808). 2010.
Pp.137 Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte, 2010.
BAYÓN, Balbino Velasco (O.C). História da Ordem do Carmo em Portugal.
Lisboa:Paulinas, 2001.
BOLTON, Brenda. A Reforma na Idade Média. Século XII. Lisboa: Edições 70, 1983.
BORGES, Célia Maia. Escravos e Libertos nas Irmandades do Rosário: Devoção e
solidariedade em Minas Gerais – Séculos XVII e XIX.Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.
___________________. Os Eremitas e o Ideal de Santidade no Imaginário Português: o
Deserto dos Carmelitas Descalços no séc. XVII». Lusitania Sacra, 23, jan-jun, 2011.
___________________. Espiritualidade Mística na Península Ibérica. Séculos XVI e XVII.
RevistaLócus,v. 10, n. 2, p.35-51, 2004.
BOSCHI Caio César. Os Leigos e o poder: Irmandades leigas e política colonizadora em
Minas Gerais. São Paulo: Ed. Ática, 1986.
BOXER, Charles R.Idade do Ouro do Brasil: dores de crescimento de uma sociedade
colonial. 3ºedição.São Paulo. Ed. Nova Fronteira, 2000.
______________. O Império Marítimo Português 1415-1825. São Paulo: Companhia das
Letras, 2002.
CALLOIS, Roger. O homem e o sagrado. Lisboa: Edições70, 1988.
CAMPOS, Adalgisa Arantes. A Ordem Carmelita. Per Musi, Belo Horizonte, n.24, 2011,
p.54-61.
CARVALHO, José Adriano de Freitas. O Eremitismo em Portugal na Época Moderna:
Homens e Imagens, Via Spiritus, 9, 2002.
ELIADE. Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões 3ª edição- São Paulo:
Editora WMF Martins Fontes, 2010.
EVANGELISTA, Adriana Sampaio. Pela salvação de minha alma. Vivência da fé e vida
cotidiana entre os irmãos terceiros em Minas Gerais – séc. XVIII. 2010. Pp. 337. Tese
(Doutorado em Ciência da Religião). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora,
2010.
LE GOFF, Jacques. São Francisco de Assis. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Record, 2007.
MARTINS, Willian de Souza. Membros do Corpo Místico. Ordens Terceiras no Rio de
Janeiro (C. 1700-1822). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (Edusp), 2009.
MATA, Sérgio da. Chão de Deus: Catolicismo popular, espaço e proto-urbanização em
Minas Gerais. Brasil. Séculos XVIII-XIX. Berlim: Wiss.Verl. 2002.
MENDONÇA, Nívea Maria Leite. Entre a Hierarquia e a Devoção: a dinâmica interna e o
relacionamento dos Terceiros com a Ordem Carmelita em Minas Gerais (1747-1808).Pp. 155.
Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora,
2015.
SALLES, Fritz Teixeira de. Associações Religiosas no Ciclo do Ouro: introdução ao estudo
do comportamento social das Irmandades de Minas no século XVIII. São Paulo. 2 ed. Rev. e
ampl.: Perspectiva, 2007.
SERAFIM, João Carlos G. Relíquias e propagandas Pós Trento. Via spiritus,8, 2001, 157-
184.
SOUZA, Laura de Mello e. Norma e conflito: aspectos da História de Minas no século XVIII.
Belo Horizonte. Ed. UFMG, 1999.
TRINDADE, Cônego Raimundo. São Francisco de Assis de Ouro Preto: Crônicas Narradas
pelos documentos da Ordem. Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Saúde, 1951.
(Publicações da diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n.17).
VASCONCELOS, Diogo de. História Antiga das Minas Gerais. Belo Horizonte: Edição
Itatiaia, 1999.
VAUCHEZ, André. A Espiritualidade da Idade Média Ocidental - Séc. VIII- XIII. Lisboa:
Editora Estampa, 1995.
AGOSTINHO. Confissões. São Paulo: Martin Claret, 2008.
BOGAZ, Antônio S., COUTO, Márcio A., HANSEN, João H. Patrística: caminhos da
tradição cristã. 2a
ed. São Paulo: Paulus, 2009.
CABRAL, Jimmy Sudário. Bíblia e Teologia política: escrituras, tradição e emancipação.
Rio de Janeiro: Mauad X, 2009.
CHAUI, Marilena. Política em Espinoza. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
COOK, Michael J. In: BRUTEAU, Beatrice. (Org.). Jesus segundo o Judaísmo: rabinos e
estudiosos dialogam em nova perspectiva a respeito de um antigo irmão. 2a
ed. São
Paulo: Paulus, 2011.
CROSSAN, John Domenic. Quem Matou Jesus? As Raízes do Anti-semitismo na História
Evangélica da Morte de Jesus. Rio de Janeiro: Imago, 1995.
DA MATA, Sérgio. História e Religião. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.
DOS SANTOS, Samuel Nunes. Criticismo neotestamentário e os evangelhos enquanto fontes
histórico-biográficas para construção de uma Vita deJesus. Revista Jesus
Histórico, Universidade Federal do Rio de Janeiro, v. 4, 2010.
FARIA, Lair Amaro dos Santos. O quarto evangelho e sua historicidade. Revista Jesus
Histórico, Universidade Federal do Rio de Janeiro, v. 11, pp. 9 – 19, 2013.
GAGLIARDO, Vitor Orlando. Entrevista com John DominicCrossan: “Teologia e História
precisam caminhar juntas”. Revista Jesus Histórico, Universidade Federal do Rio de Janeiro,
v. 5, 2010.
GOTTWALD, Norman K. Introdução socioliterária à Bíblica Hebraica. 3a
ed. São Paulo:
Paulus, 2011.
HEIM, Manfred. Einführung in die Kirchengeschichte. München: C. H. Beck, 2000.
MAINVILLE, Odette. A Bíblia à luz da História. São Paulo: Paulinas, 1999.
MCDOWELL, Josh. Evidência Que Exige um Veredito. Evidência Histórica da Fé Cristã.
São Paulo: Candeia, 2001. v. 2.
OVERBECK, Franz. How christian is our present-day theology?Irish Theological
Quarterly, n. 66, p. 50-66, 2001.
PELLETIER, Anne-Marie. Bíblia e hermenêutica hoje. São Paulo: Edições Loyola, 2006.
RAMALHO, Jefferson. Eusébio e Constantino: início de uma igreja imperialista. São
Paulo: Fonte Editorial, 2013. pp. 94-112.
RENAN, Joseph-Ernest. Vida de Jesus. São Paulo: Martin Claret, 2006.
THEISSEN & MERZ, Gerd; MERZ, Anette. O Jesus Histórico: um manual. 2a
ed. São
Paulo: Edições Loyola, 2004.
VERMES, Geza. As Várias Faces de Jesus. Rio de Janeiro: Record, 2006.
ARMSTRONG, K. Uma história de Deus: quatro milênios de busca do judaísmo,
cristianismo e islamismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008
BELTRÁN, A. Revolución Científica, Renacimiento e Historia de la Ciencia. Madrid: Siglo
XXI de España Editores S. A., 1995.
FRANCO JR, H. A Idade Média, Nascimento do Ocidente. São Paulo: Brasiliense, 2006
GOULD, S. J. Pilares do Tempo: Ciência e Religião na Plenitude da Vida. Rio de Janeiro:
Editora Rocco LTDA., 2002.
GRANT, E. Os fundamentos da ciência moderna na Idade Média. Porto: Porto Ed., 2002.
GRANT, E. Science andReligion, 400 B. C. to A. D. 1550: fromAristotletoCopernicus.
Westport: Greenwood Press, 2004
GURTNER, C. Podcast II – Leonardo da Vinci. Escriba Café: A história, o homem, seu
mundo e o universo. 21 de dezembro de 2014
GURTNER, C. Podcast XV - A Reforma. Escriba Café: A história, o homem, seu mundo e o
universo. 1 de maio de 2017
KOYRÉ, A. Do Mundo Fechado ao Universo Infinito. Rio de Janeiro: Editora ForenseUniversitária LTDA, 1986.
KUHN, T. S. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 2013.
LE GOFF, J. A civilização do Ocidente medieval. Petrópolis: Vozes, 2016
LINDBERG, D. C. A ascensão do cristianismo foi responsável pela morte da ciência antiga In
NUMBERS, R. L. (org.). Galileu na Prisão e outros mitos sobre ciência e religião. Lisboa:
Gradiva Publicações, 2012, p. 23 - 34.
KOESTLER, A. O Homem e o Universo: Como a Concepção de Universo se Modificou,
Através dos Tempos. São Paulo: IBRASA Instituição Brasileira de Difusão Cultural LTDA,
1999.
MAGALHÃES, G. Ciência e Conflito: Ensaios sobre História e Epistemologia de Ciências e
Técnicas. 1ª edição. São Paulo: Book Express Editora, 2015.
MERTON, Robert K. Science, technology and society in Seventeenth-Century England.
Osiris, Vol. 4. 1938, p. 360 – 632
MICELI, P. História Moderna. São Paulo: Contexto, 2018.
MLODINOW, L. O Andar do Bêbado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda., 2009.
SHANK, H. M. A igreja medieval impediu o desenvolvimento da ciência InNUMBERS, R.
L. (org.). Galileu na Prisão e outros mitos sobre ciência e religião. Lisboa: Gradiva
Publicações, 2012, p. 35-43.
OLSON, R. Series Foreword In GRANT, E. Science andReligion, 400 B. C. to A. D. 1550:
fromAristotletoCopernicus.Westport: Greenwood Press,2004
SHANK, H. M. A igreja medieval impediu o desenvolvimento da ciência InNUMBERS, R.
L. (org.). Galileu na Prisão e outros mitos sobre ciência e religião. Lisboa: Gradiva
Publicações, 2012, p. 35-43.
Como Citar
LEITE MENDONÇA, N. M.; SALOMÃO SILVA, D.; CAMBRAIA KARAT GOUVÊA DA SILVA, L. Dimensões Históricas do Fenômeno Religioso. Sacrilegens , v. 15, n. 2, 11.