Religião, Política e Direitos humanos

Autores

  • João Luiz Moura de Sá
  • Pedro Henrique Cavalcante de Medeiros
  • Cristina Borges
  • Elen Sabrina Assis Costa
  • Monique Machado Rodrigues Sobral
  • Claudia de Faria Barbosa
  • Nara de Jesus Nascimento
  • Diego Carlos Ferreira
  • Mário Zan de Almeida Viana

DOI:

https://doi.org/10.34019/2237-6151.2018.v15.27044

Palavras-chave:

Religião e direitos humanos, Democracia, Igreja e sociedade, Justiça Social

Resumo

A ideia de que seres humanos possuem o direito de serem tratados com dignidade encontra fundamento no que a teologia cristã chama de imagem e semelhança. A expressão dignidade humana ou sacralidade da vida, segundo o pesquisador Jung MoSung, “éuma criação de religiões universais [...] Em nome da sacralidade da vida ou da vida humana como critério último e o bem maior, o Ocidente criou e assumiu a noção de que todos os seres humanos possuem certos direitos básicos” (SUNG, 2017. p 236). Nesse sentido, faz-se necessária uma análise criteriosa acerca do papel das religiões na promoção (ou não) de direitos humanos. Se por um lado as religiões em suas faces hegemônicas articulam-se na criação de bancadas, leis e eleições para cargos no executivo e legislativo, a fim de fazerem circular seus discursos fundamentalistas “contra as ideologias que querem destruir a família brasileira”, o que o pesquisador Boaventura de Sousa Santos chamou de “Teologia Política Fundamentalista” (BOAVENTURA, 2014, p. 38); por outro, pessoas, organizações e movimentos sociais religiosos estão lutando por garantia de direitos, dignidade e justiça social, ou nas palavras de Boaventura, uma “Teologia Política Progressista” (BOAVENTURA, 2014, p. 38). Portanto, a presente proposta de GT pretende receber pesquisas que refletem a participação de religiosos na política partidária e qual influência esses atores exercem na produção, reprodução, garantia ou rejeição de direitos. Ou ainda, conhecer, reconhecer e dar visibilidade a pessoas e/ou iniciativas religiosas que estão a margem de disputas políticas partidárias, mas na luta pelo reconhecimento da dignidade humana em todos os seus aspectos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Atlas da Violência 2018. Disponível em
http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=33410&Ite
mid=432 acesso em 04 de dez. 2018.
ALDUNATE, José (org). Direitos humanos, direitos dos pobres. São Paulo: Vozes, 1990,
207p.
Comissão Nacional da Verdade. Relatório Vol. II. Textos Temáticos. Disponível em
http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/images/pdf/relatorio/volume_2_digital.pdf acesso em 17
de nov. 2018
CHAGAS, Paulo Victor. Seis bilionários têm mesma riqueza que 100 mi de brasileiros mais
pobres. Disponível em http://www.ihu.unisinos.br/186-noticias/noticias-2017/572047-seisbilionarios-tem-mesma-riqueza-que-100-mi-de-brasileiros-mais-pobres acesso em 22 de nov.
2018
Folha de São Paulo. Cada jovem morto faz país perder R$ 550 mil: estudo inédito calculou
quanto a violência custou ao Brasil em 20 anos. Disponível em
https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/06/cada-jovem-morto-faz-pais-perder-r-550-
mil.shtml acesso em 10 de set. 2018
G1. Cresce o nº de mulheres vítimas de homicídio no Brasil; dados de feminicídio são
subnotificados. Disponível em https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/cresce-n-demulheres-vitimas-de-homicidio-no-brasil-dados-de-feminicidio-sao-subnotificados.ghtml
acesso em 16 de nov. 2018
GUTIÉRREZ, Gustavo. O Deus da vida. São Paulo: Edições Loyola, 1992, 239p.
Instituto Ipsos. Disponível em: <https://www.terra.com.br/amp/noticias/brasil/dois-em-cadatres-brasileiros-acham-que-direitos-humanos-defendem-mais-os-bandidos-dizpesquisa,b81eaff36b47ae327aac690846ef4a84rf13nyxq.html> acesso em 16 de maio de 2018
NEDER, Renata. Ataques letais mas evitáveis: assassinatos e desaparecimentos forçados
daqueles que defendem direitos humanos. Disponível em: < https://anistia.org.br/direitoshumanos/publicacoes/ataques-letais-mas-evitaveis-assassinatos-e-desaparecimentos-forcadosdaqueles-que-defendem-direitos-humanos/> acesso em 24 de março de 2018
OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Ética, direito e democracia. São Paulo: Paulus, 2010.
Oxfam. Recompensem o trabalho, não a riqueza. Disponível em
https://www.oxfam.org.br/sites/default/files/arquivos/2018_recompensem_o_trabalho_nao_a_
riqueza_resumo_word_0.pdf acesso em 15 de nov. 2018
PIXLEY, Jorge / BOFF, Clodovis. Opção pelos pobres. Petrópolis: Vozes, 1986, 280p.
PIKETTY, Thomas. Brasil não cresce se não reduzir sua desigualdade. Disponível em
http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/572137-brasil-nao-cresce-se-nao-reduzir-suadesigualdade-diz-thomas-piketty acesso em 23 de nov. 2018
SANTOS, Boaventura de Sousa. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo:
Cortez, 2014.
SUNG, Jung Mo . Sujeito e sociedades complexas: para repensar os horizontes utópicos.
Petrópolis: Editora Vozes, 2002.
_________, A idolatria do capital. São Paulo: Paulinas, 1989, 152p.
_________, Se Deus existe, por que há pobreza? São Paulo: Reflexão, 2008, 117p.
_________, A graça de Deus e a loucura do mundo. São Paulo: Reflexão, 2015, 191p.
_________, Cristianismo de libertação: espiritualidade e luta social. São Paulo: Paulus,
2008, 168p.
ALBUQUERQUE, Felix Maria de Freitas e. Circular. O Apóstolo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 22,
03 jun. 1866. Disponível em: <
http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=343951>. Acesso em: 18 nov. 2018.
BARROSO, José Liberato. Discurso do conselheiro Liberato Barroso sobre a liberdade de
cultos, proferido na conferencia radical em 4 de abril de 1869, Imprensa Evangélica, Rio de
Janeiro, v. 5, n. 9, 1º maio 1869, supplemento ao n. 9 do vol. 5, p. 1. Disponível em:
<http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=376582>. Acesso em: 18 nov. 2018.
BASILE, Marcello. O Império brasileiro: panorama político. In: LINHARES, Maria Yedda
(org.). História geral do Brasil. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1990.
BASTOS, Aureliano Cândido Tavares. A província: estudo sobre a descentralização no
Brasil. 3 ed. São Paulo: Nacional / Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1975.
__________. Cartas do Solitário. 3ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.
__________. Memória sobre Imigração. In: BASTOS, Aureliano Cândido Tavares. Os
malesdo presente e as esperanças do futuro: estudos brasileiros. 2 ed. São Paulo: Cia
EditoraNacional; Brasília: INL, 1976.
__________. Reforma Eleitoral e Parlamentar e Constituição da Magistratura. In: BASTOS,
Aureliano Cândido Tavares.Os malesdo presente e as esperanças do futuro: estudos
brasileiros. 2 ed. São Paulo: Cia EditoraNacional; Brasília: INL, 1976.
BOLETIM DO GRANDE ORIENTE DO BRASIL. Rio de Janeiro: Typ. do Grande Oriente
de Pinheiro &Cª., 1872. Disponível em:
<http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=709441>. Acesso em: 18 nov. 2018.
CARVALHO, José Murilo de. A vida política. In: CARVALHO, José Murilo (coord.). A
construção nacional: 1830-1889, v. 2. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.
CHAVANTE, Esdras. Do monopólio à livre concorrência: a liberdade religiosa no
pensamento de Tavares Bastos (1839-1875). Dissertação (mestrado em História)
Universidade Estadual Paulista, Assis/SP, 2013.
EPHRAIM. Doze proposições sobre a legitimidade religiosa da verdadeira tolerância dos
cultos. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1864.
GUGLIOTA, Alexandre Carlos, Entre trabalhadores imigrantes e nacionais: Tavares Bastos
e seus projetos para a nação. Dissertação (mestrado em História Social) Universidade Federal
Fluminense, Niterói/RJ, 2007.
IMPRENSA EVANGÉLICA. Rio de Janeiro: Typographia Perseverança, 1866-1872.
Disponível em: <http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=376582>. Acesso em:
18 nov. 2018.
MEDEIROS, Pedro H. C. de. Pelo progresso da sociedade: a imprensa protestante no Rio de
Janeiro imperial (1864-1873). Dissertação de mestrado em História. Seropédica / Nova
Iguaçu: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2014.
__________. A imprensa religiosa como espaço de afirmação da identidade do protestantismo
nacional: a missão presbiteriana e o jornal Imprensa Evangélica. In: BESSONE, Tânia [et. al].
Imprensa, livros e política no oitocentos. São Paulo: Alameda, 2018.
MELASPOROS. Exposição dos verdadeiros princípios sobre que se basêa a liberdade
religiosa, demonstrando ser a separação entre a Igreja e o Estado uma medida de direito
absoluto e de summa utilidade. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1866.
MISSIONÁRIO CATHÓLICO. Rio de Janeiro: Typ. Industria Nacional de Cotrim &
Campos, 1865. Disponível em:
<http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=228460>. Acesso em: 18 nov. 2018.
PEREIRA, Rodrigo da Nóbrega M. A primeira das liberdades: o debate político sobre a
liberdade religiosa no Brasil imperial. Desigualdade & Diversidade: Revista de Ciências
Sociais da PUC-Rio, v. 1, n. 1, jul./dez. 2007, p. 107. Disponível em:
<http://desigualdadediversidade.soc.puc-rio.br/media/Pereira_desdiv_n1ano1.pdf>. Acesso
em: 18 nov. 2018.
SOARES, Antônio Joaquim de Macedo. Da liberdade religiosa no Brazil: estudo de Direito
Constitucional. Rio de Janeiro: Typographia Universal de E. & H. Laemmert, 1879.
ARROYO, Miguel González. A pedagogia multirracial popular e o sistema escolar. In:
Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais / organizado por Nilma Lino
Gomes. – 1. ed., 1. Reimp. – Belo Horizonte: Autêntica, 2010.
BATISTA, Leônidas Pimentel. Aspectos históricos do sistema educacional no Brasil e seus
paradigmas na busca da qualidade. Revista Trabalho e Sociedade – Fortaleza, v. 2, Jul/Dez,
2014, p.43-57.
BORGES, Cristina. Umbanda Sertaneja: cultura e religiosidade no serão norte-mineiro /
Cristina Borges. – Montes Claros, MG :Unimontes, 2011.
BRASIL. Ação Direta de Inconstitucionalidade n° 4439. Disponível em:
https://luisrobertobarroso.com.br/wp-content/uploads/2017/08/ADI-4439-vers%C3%A3ofinal.pdf. Acesso em 18/05/2018.
________. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília:
Senado, 1988.
________. Decreto nº 7107. Decretado em 11 de fevereiro de 2010 publicada no Diário
Oficial da União, em 22.02.2010.
________. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Sancionada em 20 de
dezembro de 1996 publicada no Diário Oficial da União, em 23.12.1996.
________. Lei nº 9.475. Sancionada em 22 de julho de 1997 publicada no Diário Oficial da
União, em 23.07.1997.
CANDAU, Vera Maria Ferrão; OLIVEIRA, Luiz Fernandes de. Pedagogia decolonial e
educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista | Belo Horizonte |
v.26 | n.01 | p.15-40 | abr. 2010.
FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas / Frantz Fanon ; tradução de Renato da
Silveira . - Salvador : EDUFBA, 2008.
FORNET-BITANCOURT, Raúl. Religião e interculturalidade.RaúlFornet-Bitancourt;
traduzido por Antônio Sidekum. –São Leopoldo : Nova Harmonia; Sinodal, 2007.
PASSOS. Ensino Religioso: mediações epistemológicas e finalidades pedagógicas. IN: Sena,
Luiza (Org.). Ensino religioso e formação docente: ciência da religião e ensino religioso
em diálogo. São Paulo: Paulinas, 2007.
QUIJANO, Anibal. A colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: A
colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas.
Buenos Aires. CLACSO – ConsejoLatinoamericano de CienciasSociales. 2005. (p. 117-142)
QUIJANO, Aníbal. "Colonialidad y Modernidad-racionalidad". In: BONILLO, Heraclio
(comp.). Los conquistados. Bogotá: Tercer Mundo Ediciones; FLACSO, 1992, pp. 437-449.
Tradução de Wanderson flor do nascimento.
RODRIGUES, Elisa. Ciência da Religião e Ensino Religioso. Efeitos de definições e
indefinições na construção dos campos. In Rever, ano 15, n. 2, jul/dez 2015.
SEEHABER, Liliana C.; MACHADO, Léo Marcelo Plantes. Cultura, cidadania e ensino
religioso. Religião & Cultura. São Paulo, Vol. VI, Nº 11. P. 83-97. Jan/Jun 2007.
WIRTH, Lauri Emílio. Religião e epistemologias pós-coloniais. IN: Compendio de ciência
da religião / João Décio Passos; Frank Usarski, (organizadores). – São Paulo : Paulinas :
Paulus, 2013.
ALVES, Francisco Cordeiro. Diário - um contributo para o desenvolvimento profissional
dos professores e estudo dos seus dilemas. Repositório Científico do Instituto Politécnico de
Viseu. Revista Millenium RE - Número 29 - Junho de 2004. p. 222-239. Disponível em:
<http://repositorio.ipv.pt/handle/10400.19/578>. Acesso em 28 out 2018.
BAHIA. Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização social do Estado da
Bahia. Disponível em: <http://www.seap.ba.gov.br/sites/default/files/dados/2018-11/PRESOS%20CONDENADOS%20E%20PROVIS%C3%93RIOS%20-%2005-11-
2018.pdf>. Acesso em 07 nov. 2018.
BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de direito penal. 19 ed. SP: Saraiva, 2013.
BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Comissão Parlamentar de Inquérito
do Sistema Carcerário. CPI sistema carcerário. – Brasília; Câmara dos Deputados, Edições
Câmara, 2009. 620 p. – (Série ação parlamentar; n. 384).
______. Conselho Nacional de Justiça. Regras de Mandela: Regras Mínimas das Nações
Unidas para o Tratamento de Presos– 1. Ed – Brasília, 2016.
______. Conselho Nacional de Justiça/IPEA. Reincidência Criminal no Brasil Relatório de
Pesquisa.Rio de Janeiro, 2015.
______. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em 23
out.2018.
______. Lei de Execução Penal (1984). Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7210.htm>. Acesso em 17 out 2018.
______. Levantamento Nacional de informações Penitenciárias: INFOPEN Atualização –
junho de 2016 / organização Thandara Santos; colaboração Marlene Inês da Rosa, et al –
Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional,
2017.
BUCH, João Marcos. Prisões brasileiras são o abismo que a sociedade precisa enxergar.
PorRevista Pazes – maio 6, 2018. Texto da Revista Justificando. Disponível em:
<https://www.revistapazes.com/prisoes-brasileiras-abismo-joao-buch/>. Acesso em 24
set.2018.
DUARTE, Ivo Carlos. O Papel da Religião no Processo de Reintegração do Preso à
Sociedade, Contextualizando a Penitenciária Estadual de Londrina.Paraná: Universidade
Federal do Paraná (Londrina), 2002. Disponível em: <www.depen.pr.gov.brmonografia_ivo>.
Acesso em 15 nov. 2018.
FOUCAULT, Michel. A Verdade e as Formas jurídicas. Tradução Eduardo Jardim e
Roberto Machado. Rio de Janeiro; Nau, 2013.
______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis,
Vozes, 2012.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo:Atlas, 2002.
GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo. Perspectiva, 1999.
LIVRAMENTO, André Mota do; ROSA, Edinete Maria. Homens no cárcere: estratégias de
vida na prisão. Pesqui. Prát. Psicossociais, São João del-Rei, v. 11, n. 2, p. 412-426, dez.
2016 . Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-
89082016000200011&lng=pt&nrm=iso>. Acessos em 09 nov 2018.
LOBO, Edileuza Santana. Católicos e Evangélicos em prisões do Rio de Janeiro. In:
Lobo,Edileuza Santana.Prisões e Religião. Comunicações do ISER, n. 61, ano 24, Rio de
Janeiro, 2005. p. 22-29.
MIRABETI, Júlio.Execução penal: comentários à Lei n. 7.210.11. ed. Rev. e atual. São
Paulo, Atlas.
MORAES, Paulo Augusto Costivelli de; DALGALARRONDO, Paulo. Mulheres
encarceradas em São Paulo:Saúde mental e religiosidade. J. bras. Psiquiatr. Rio de Janeiro,
v. 55, n. 1, p. 50-56, 2006. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0047-
20852006000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 12 nov. 2018.
MOREIRA, Sueli Aparecida. Alimentação e comensalidade: aspectos históricos e
antropológicos. Cienc. Cult., SãoPaulo, v. 62, n. 4, p. 23-26, out. 2010. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-
67252010000400009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 05 nov. 2018.
NUCCI, Guilherme de Souza. Curso de execução penal. RJ: Forense, 2018.
PASTORAL CARCERÁRIA. O que é a pastoral carcerária. Disponível em:
<http://carceraria.org.br/a-pastoral-carceraria>. Acesso em 20 set 2018.
______.Tortura em tempos de encarceramento em massa. ASAAC. São Paulo, 2016.
Disponível em: <http://carceraria.org.br/wp-content/uploads/2017/03/Relatorio-Tortura2016.pdf. >Acesso em 20 set 2018.
QUIROGA, Ana Maria. Religiões e Prisões no Rio de Janeiro: Presença e significados. In:
Quiroga, Ana Maria. Prisões e Religião. Comunicações do ISER, n. 61, ano 24, Rio de
Janeiro, 2005 p. 13-21.
SEGATO, Rita Laura. Religião, vida carcerária e direitos humanos. In: SEGATO, Rita
Laura. Prisões e Religião. Comunicações do ISER, n. 61, ano 24, Rio de Janeiro 2005. p. 40-
45.
THOMPSON, Augusto. A questão penitenciária. 5ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.
TRINDADE, Cláudia Moraes. Para além da ordem: o cotidiano prisional da Bahia
oitocentista a partir da correspondência de presos. História, Franca, v. 28, n. 2, p. 377-420,
2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
90742009000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 09 Nov. 2018.
http://dx.doi.org/10.1590/S0101-90742009000200013.
VARGAS, Laura Ordóñez. Religiosidade:mecanismos de sobrevivência na Penitenciária
Feminina do Distrito Federal.In: Vargas, Laura Ordóñez. Prisões e Religião. Comunicações
do ISER, n. 61, ano 24, Rio de Janeiro 2005. p. 30-39.
YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010.
BOFF, Leonardo. Igreja: carisma e poder: Ensaios de uma eclesiologia militante. Rio de
Janeiro: Ática S.A. 1994.
BROWN, Andrew. A Guerra contra o Papa Francisco . 2017. Disponível em:
<https://www.publico.pt/2017/12/24/sociedade/noticia/a-guerra-contra-o-papa- francisco1796423>. Acesso em: 25 out. 2018.
CARVALHO, Maristela Moreira de. Relações de gênero e o repensar do fazer teológico
tradicional : uma proposta da teologia feminista. 2001. Disponível em:
<https://periodicos.ufsc.br/index.php/esbocos/article/viewFile/573/9846>. Acesso em: 15 nov.
2018.
ELIADE, Mircea. Aproximações: estrutura e morfologia do sagrado. In: Tratado de História
das Religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1993, p. 7 - 38)
FRAZÃO, Dilva. Papa Francisco : Religioso católico. 2011. Disponível em:
<https://www.ebiografia.com/papa_francisco/>. Acesso em: 23 out. 2018.
GEBARA, Ivone. Rompendo o silêncio: uma fenomenologia feminista do mal. Trad. De
Lúcia Mathilde Endlich Orth. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.
HERMANN, Jacqueline. História das Religiões e Religiosidades. In: CARDOSO, Ciro
Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (Org.). Dominios da História: ensaios de teoria e
metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997, p. 331.
IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, Episcopado Latino-americano da.
Evangelização no presente e no futuro da América Latina: Conclusões da III Conferência
Geral do Episcopado Latino Americano. 1979. Disponível em:
<https://spirandiopadre.wordpress.com/documento-de-puebla-texto-integral/>. Acesso em:
07 set. 2018.
______.Sagrada Congregação Para A Doutrina Da Fé. Instrução sobre alguns aspectos
da“Teologia da Libertação”. 1984. Disponível em:
<http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_do
c_19840806_theology-liberation_po.htmlgoogle.com.br/>. Acesso em: 20 set. 2018.
______. Sagrada Congregação Para A Doutrina Da Fé. Notificação sobre o livro "Igreja:
carisma e poder. Ensaios de eclesiologia militante" de Leonardo Boff, O.F.M.. 1985.
Disponível em:
<http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_faith_doc
_19850311_notif-boff_po.html>. Acesso em: 20 set. 2018.
Sagrada Congregação Para A Doutrina Da Fé. Instrução sobre alguns aspectos da “Teologia
da Libertação”. 1984. Disponível em:
<http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_do
c_19840806_theology-liberation_po.htmlgoogle.com.br/>. Acesso em: 20 set. 2018.
______. Carta Apostólica de Sua Santidade Bento XVI. Summorum Pontificum. 2007.
Disponível em: <https://w2.vatican.va/content/benedictxvi/pt/motu_proprio/documents/hf_ben-xvi_motu-proprio_20070707_summorumpontificum.html>. Acesso em: 14 nov. 2018.
LANTERNARI, Vittorio. As Religiões dos Oprimidos. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974,
p. 11.
LOPES, Adriana Dias. ?Se um gay busca Deus, quem sou eu para julgar?, diz papa . 2013.
Disponível em: <https://veja.abril.com.br/mundo/se-um-gay-busca-deus-quem- sou-eu-parajulgar-diz-papa/>. Acesso em: 16 nov. 2018.
LOPES, Mauro. João Paulo II: anos de terror na Igreja. 2017. Disponível em:
<http://ihu.unisinos.br/186-noticias/noticias-2017/568973-joao-paulo-ii-os-anos-terror- naigreja>. Acesso em: 29 set. 2018
MAQUEO SJ, Roberto Oliveros. História Breve de la Teologia de la Libertación (1962-
1990). 1990. Disponível em: <http://servicioskoinonia.org/relat/300.htm>. Acesso
em: 07 set. 2018.
SBARDELOTTO, Moisés. Tradicionalismo e conservadorismo católicos: as ideologias em
jogo. : Entrevista especial com Rodrigo Coppe Caldeira. 2011. Disponível em:
<http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/45840-tradicionalismo-e-conservadorismo- catolicosas-ideologias-em-jogo-entrevista-especial-com-rodrigo-coppe-caldeira>.
Acesso em: 23 out. 2018.
SCHWARCZ, Lilia M.; STARLING, Heloisa M. Brasil: Uma Biografia. 1ª. ed. São Paulo:
Companhia das Letras, 2015. p. 451.
CUNHA, Magali do Nascimento. A explosão Gospel: um olhar das ciências humanas
sobre o cenário evangélico no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X/Instituto Miysterium,
2007.GIUMBELLI, Emerson. A presença do religioso no espaço público:
Modalidades no Brasil. Relig.soc. vol.28 no.2 Rio de Janeiro 2008. Disponível em:
<http://dx.doi.org/10.1590/S010085872008000200005>. Acesso em 04 jul. 2016, 17:25.
LIMA, Marcos Costa. O humanismo crítico de Edward W. Said. Lua Nova, nº 73, 2008,
pp. 71- 94.
ORO, Ari Pedro. A política da Igreja Universal e Seus Reflexos nos Campos Religioso e
Político Brasileiros. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2003, vol.18, n.53, pp.53-69. ISSN 0102-
6909. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092003000300004> Acesso em
21ago. 2018, 11:00.
ROCHA, A. ;TEPEDINO, A.M., Vindos desde as margens do mundo. Uma leitura do
pentecostalismo a partir das teorias da marginalidade (artigo), in: Perspectiva Teológica
43, n. 119, Belo Horizonte, FAJE, Jan.-Abr. 2011, pp. 37-53.
SAID, Edward W. Cultura e Imperialismo. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo:
Companhia das Letras, 2011.
SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno Falar? Tradução de Sandra Regina
Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora
UFMG, 2010.
TRIBUNA DE MINAS. Mensagens bíblicas em contracheque. Disponível em:
https://tribunademinas.com.br/politica/26/10/2011> Acesso em 18/06/2018 13hs:10min
SITE DA CÂMARA MUINICIPAL DE JUIZ DE FORA. Atos do Legislativo. Disponível
em http://www.camarajf.mg.gov.br/sal/proposicao.php?num=38572> Acesso em 18/06/2018
15hs: 40min
VITAL, Christina; LOPES, Paulo Victor Leite. Religião e Política: uma análise da
atuação de parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e de LGBT’s no
Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll, 2012.

Downloads

Como Citar

MOURA DE SÁ, J. L. .; CAVALCANTE DE MEDEIROS, P. H. .; BORGES, C. .; ASSIS COSTA, E. S. .; MACHADO RODRIGUES SOBRAL, M. .; DE FARIA BARBOSA, C. .; DE JESUS NASCIMENTO, N. .; FERREIRA, D. C. .; ZAN DE ALMEIDA VIANA , M. . Religião, Política e Direitos humanos. Sacrilegens , [S. l.], v. 15, n. 2, 2018. DOI: 10.34019/2237-6151.2018.v15.27044. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/27044. Acesso em: 23 fev. 2024.