Resistências religiosas afro-brasileiras e indígenas contra a intolerância e o racismo no Brasil

  • Monica Abud Perez de Cerqueira Luz
  • Vanessa Gomes de Castro
  • Gilmara Santos Mariosa
  • Claudia Mayorga
  • Anderson Rodrigues Teixeira
  • Lavini Castro
  • Mariana Gino
  • Amurí Amaral Ribeiro
Palavras-chave: Religião, Racismo, Intolerância

Resumo

O Brasil é um país hibrido constituído através dos processos sociais e históricos entre as culturas religiosas afro-luso -americano. Americano, por sua posição geográfica e sua população indígena; lusitano, por ter sido colonizado pelos católicos portugueses; e africano, por ter aqui aportado os negros escravizados, em vários países africanos, que traziam consigo seus costumes, suas tradições e principalmente suas religiões e suas experiências religiosa. E fazer entender e compreender que estas experiências religiosas afro-brasileiras e indígenas são, também, manifestações do sagrado é um dos maiores desafios em prol da liberdade religiosa, para o fim do racismo e o reestabelecimento da tolerância entre os indivíduos segregados religiosamente. Assim, Grupo de trabalho tem por objetivo promover e fomentar um debate coeso sobre " Resistências religiosas  afro-brasileiras e indígenas contra a intolerância e o racismo no Brasil "

Referências

DIOUF, A. S. As tranças de Bintou. Tradução de Charles Cosac. 2. ed. São Paulo: Cosac
Naify, 2010.
FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Dominus, 1965.
____________. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de
Janeiro: Forense Universitária, 2014b.
FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2014a.
FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1987.
FREIRE, P. Educação: sonho possível. Em BRANDÃO, Carlos. Educador, vida e morte. Rio
de Janeiro: Graal, 1989.
FREYRE, G. Casa Grande & Senzala. Rio de Janeiro: Record, 2000.
JOVINO, I. da S. Literatura Infanto-juvenil com personagens negros no Brasil. In: SOUZA,
F.; LIMA, M. N. (Org.).Literatura Afro-brasileira. Salvador: Centro de estudos afroorientais; Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2006.
LIMA, H. P. Histórias da Preta. Ilustrado por Laura Beatriz. São Paulo: Companhia das
Letrinhas, 2010.
MUNANGA, K. Identidade, cidadania e democracia: algumas reflexões sobre os discursos
anti-racistas no Brasil. In: SPINK, Mary Jane Paris (Org.). A cidadania em construção: uma
reflexão transdisciplinar. São Paulo: Cortez, 1994. p. 177-188.
PEIXOTO, F. L. Literatura Afro-brasileira. Salvador: Programa A Cor da Bahia,
FFCH/UFBA, 2013.
QUIJANO, A. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas
latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 1997.
ROSEMBERG, F. Relações raciais e rendimento escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo,
n. 63, p. 19-23, nov. 1987.
RUFINO, J. Gosto de África.São Paulo: Ed. Global.1998.
SOUZA NETO, João Clemente de. Crianças e adolescentes abandonados, estratégias de
sobrevivência. São Paulo: Expressão e Arte, 2002.
TURCHI, Maria Zaira. Espaços da crítica da literatura infantil e juvenil. In: TURCHI, Vera
M. Tietzmann (Orgs.) Leitor formado, leitor em formação: leitura literária em questão. São
Paulo: Cultura Acadêmica editora, 2006.
ARTES, A.; MENA-CHALCO, J. Expansão da temática relações raciais no banco de dados
de teses e dissertações da Capes. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 1221-1238,
out./dez., 2017.
BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero; 1983.
BOURDIEU, P. Os Usos Sociais da Ciência: por uma sociologia clínica do Campo
científico. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 2003.
BRASIL. Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm Acesso em 20/04/2018.
BRASIL. Lei nº 10.678, de 23 de maio de 2003. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.678.htm Acesso em 20/04/2018.
BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm Acesso em
20/04/2018.
BRASIL. Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12288.htm. Acesso em
20/04/2018.
BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm Acesso em
20/04/2018.
BRASIL. Lei nº 12.990, de 09 de junho de 2014. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L12990.htm Acesso em
20/04/2018.
BRASIL. Lei nº 7.716, de 05 de janeiro de 1989. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7716.htm Acesso em 20/04/2018.
CARDOSO, I. A.; SANTOS, F. V. S.; RODRIGUES, T. C. Relações étnico-raciais na
produção científica do PPGE/UFSCar. Revista Eletrônica de Educação, v.11, n.1, p.68-85,
jan./maio, 2017.
CARVALHO, J. J. Exclusão racial na universidade brasileiro: um caso de ação negativa. In:
QUEIROZ, D. M. (Coord.). O negro na universidade. Programa A cor da Bahia. Salvador:
Novos Toques, n.5, p.81-99, 2002.
CARVALHO, J. J. O confinamento racial do mundo acadêmico brasileiro. Revista da USP,
São Paulo, n. 68, p. 88-103, dez./jan./fev. 2005-2006.
DOMINGUES, P. Movimento Negro Brasileiro: alguns apontamentos históricos. Revista
Tempo, Rio de Janeiro, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007.
FICSHER B., GRINBERG, K E MATTOS, H. Direito, silêncio e racialização das
desigualdades na História afro-brasileira. No Prelo, Cambridge, 2018.
HERINGER, R. Desigualdades raciais no Brasil: síntese de indicadores e desafios no Campo
das políticas públicas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, p. 57-65, 2002.
LIMA, M. Desigualdades raciais e políticas públicas: ações afirmativas no governo Lula.
Novos Estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 87, p. 77-85, jul. 2010.
MELATTI, J. C. A Antropologia no Brasil: Um Roteiro. Boletim Informativo em Ciências
Sociais. Rio de Janeiro: n° 17, p. 3-52, 1° sem. 1984.
RODRIGUES, C.; MONAGREDA, J.; PORTO, N. Estudos sobre raça, racismo e etnicidade
na Ciência Política brasileira: uma análise do Campo a partir de seu estado da arte. Anais do
41° Encontro Anual da ANPOCS. 23 a 27 de outubro de 2017 – Caxambu, MG.
SANTOS, S. S; SANTOS, J. F. Reflexões a respeito das pesquisas desenvolvidas sobre temas
raciais: a luz da política de cotas e da Lei 10.639/03 na Universidade Federal de Sergipe
(UFS). Revista Convergência Crítica. Dossiê: Questão Racial, n. 8, 2016.
THEODORO, M. A formação do mercado de trabalho e a questão racial no Brasil. In:
THEODORO, M. (Org.); JACCOUD, L.; OSÓRIO, R.; SOARES, S. As políticas públicas e
a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília: IPEA, 2008. p. 15-44.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Programa de Pós-Graduação em
Ciência da Religião. Disponível em http://www.ufjf.br/ppcir/ Acesso em 20/04/2018.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Pró-Reitoria de Pós-Graduação e
Pesquisa. Disponível em http://www.ufjf.br/propp/pos-graduacao/cursos/stricto-sensu/
Acesso em 20/04/2018.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Site da Universidade Federal de Juiz de
Fora. Notícias: Campanha da UFJF viraliza nas redes sociais em 04/02/2016. Disponível em
http://www.ufjf.br/noticias/2016/02/04/campanha-da-ufjf-viraliza-nas-redes-sociais/ Acesso
em 20/04/2018.
A CIDADE das mulheres. Direção Lázaro Faria. Produção: Lázaro Faria. Participação: Mãe
Stella de Oxóssi e outros. Roteiro: Cléo Martins. Salvador: X-Filmes, 2005. 1 vídeo-disco
NTSC: son., color.(78 min.).
ARRAES, Jarrid. Heroínas negras brasileiras: em 15 cordéis. São Paulo: Pólen, 2017.
AUGRAS, Monique. O Duplo e a Metamorfose: a identidade mítica em comunidades nagô.
Petrópolis: Vozes, 1983.
CLARKE, Jhon .Henrik. (1984) Rainhas Guerreiras Africanas. (Romio, J. trad) Texto
original: ―African Warrior Queens by John Henrik Clarke. In Sertima, Ivan Van (ed.) Black
women in Antiquity. 1984.
FERRETTI, Mundicarmo. Matriarcado em terreiros de Mina do Maranhão - realidade ou
ilusão? Revista Ciências Humanas: Dossiê Religião e religiosidade. V.5, nº1, jul./dez.
2005, p.11-20.
GOMES, Elaine Cristina Marcelina. Mãe Regina de Bamboxê: diálogos entre Rio de
Janeiro e Salvador, uma história social do axé. Dissertação (Mestrado em História)
Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Salgado de Oliveira. Niterói, p. 151.
2012.
LANDES, Ruth. A cidade das mulheres. Rio de janeiro: Editora UFRJ, 2002.
MOURA, Roberto. Tia Ciata e a Pequena África no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro:
Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação
Cultural, Divisão de Editoração, 1995.
SANTOS, Giselle Cristina dos Anjos. Somos Todas Rainhas. São Paulo: Associação Frida
Kahlo e Articulação Política de Juventudes Negras, 2011.
SILVA, Vagner Gonçalves da. Candomblé e Umbanda. São Paulo: Ática, 1994.
VERGER, P. Uma rainha africana mãe de santo em São Luís. Revista USP, n. 6, 30 ago.
1990, p. 151-158.
YEMONJÁ, Mãe Beata de. Primeiras palavras. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. (org.)
Guerreiras da natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro,
2008. p. 21-22
YEMONJÁ, Mãe Beata de. Tradição e religiosidade. In: Werneck, Jurema; Mendonça, Maisa;
White, Evelyn C. (orgs) O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vem de
longe. Rio de Janeiro: Pallas/Criola, 2006. p. 16-19.
BARROS, José Flávio Pessoa de. Na minha casa: preces aos orixás e ancestrais. Rio de
Janeiro: Pallas, 2010.
BASTIDE, Roger. Estudos afro-brasileiros. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.
______. O candomblé da Bahia: rito nagô. São Paulo: Companhia das Letras 2001.
FONSECA, Denise Pini Rosalem; GIACOMINI, Sonia Maria. A presença do axé:
mapeando terreiros no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2013.
SANTOS, Babalawô Ivanir... [et al.] (Organizadores). Intolerância religiosa no Brasil:
relatório e balanço. Rio de Janeiro: Kline: CEAP, 2016.
SANTOS, Juana Elbein dos. Os nagô e a morte: pàde, àsèsè e o culto égun na Bahia.11.ed.
Petrópolis: Vozes, 2002.
SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. Petrópolis: Vozes,
1988.
ANJOS, JOSÉ CARLOS GOMES DOS e ORO, ARI PEDRO. Festa de Nossa Senhora dos
Navegantes em Porto Alegre: sincretismo entre Maria e Iemanjá. Porto Alegre: SMC, 2009
[Capítulo 5, parte I] e [Capítulos 1 a 6, Parte II].
GOLDMAN, MARCIO. Contra discursos afroindígenas sobre mistura, sincretismo e
mestiçagem estudos etnográficos. Revista de Antropologia da FUSCar, São Paulo, vol 9, n.2,
p 11-28, jul./dez. 2017.
MUNANGA, Kabengele. Negritude. Usos e sentidos. Belo Horizonte: Autêntica Editora,
2012
ORTIZ, FERNANDO. Los negros brujos. Miami: Ediciones Universal, Colección Ebano y
Canela 2, 1973.
REINA, Morgane Laure. Pentecostalismo e a questão racial no Brasil: desafios e
possibilidades do ser negro na Igreja evangélica. Plural, Revista do Programa de Pósgraduação em Sociologia da USP, São Paulo, v 24.2, 2017, p. 253-275.
RODRIGUES, RAIMUNDO NINA. O animismo fetichista dos negros bahianos. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1935.
SERRA, ORDEP. “Sincretismo e Separação” [Capítulo 2]. In: SERRA, ORDEP. Águas do
rei. Petrópolis/Rio de Janeiro: Vozes e Koinonia, 1997, p. 191-287.
BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Simbólicas. Perspectiva. 2005.
_____. A Distinção: crítica social do julgamento. Zouk. 2011.
ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L.. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das
relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.
ENGLER, Steven; GARDINER, Marq. A filosofia semântica e o problema insider/outsider.
Rever. Revista de Estudos da Religião. setembro. 2010. p. 89 – 105.
SILVA, Vagner Gonçalves. O antropólogo e sua magia: Trabalho de campo e texto
etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. São Paulo: Editora
da Universidade de São Paulo (EDUSP), 2015.
_____ et al. Intolerância Religiosa: impactos do neopentecostalismo no campo religioso
afro-brasileiro. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.
TURNER, Victor. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópoles (RJ): Vozes. 2013.
Como Citar
ABUD PEREZ DE CERQUEIRA LUZ, M.; GOMES DE CASTRO, V.; SANTOS MARIOSA, G.; MAYORGA, C.; RODRIGUES TEIXEIRA, A.; CASTRO , L.; GINO , M.; AMARAL RIBEIRO, A. Resistências religiosas afro-brasileiras e indígenas contra a intolerância e o racismo no Brasil. Sacrilegens , v. 15, n. 2, 11.