Interfaces entre Literatura, Religião e História.

  • Lídia Maria da Costa Valle
  • Willa da Silva dos Prazeres
  • Gustavo Henriques Barreto
  • Thales Contin Fernandes
  • Deborah Vieira Pinto Aguiar
  • Marília Teles Cavalcante
  • Rafael de Castro Lins
  • José Leandro Peters
  • Flávia Alvine Carvalho
  • Tiago José Fontoura
  • Edson Munck Jr.
  • Izabella Maddaleno
  • André Rocha Cordeiro
  • Olavo Augusto Pereira Azambuja
  • Ciomara Breder Krempser
  • Adriana Helena de Oliveira Albano
  • Mariana Aparecida Venâncio
Palavras-chave: Interfaces, Diálogos, História, Literatura, Religião

Resumo

O enfoque desse GT é reunir trabalhos interessados na interface entre os três campos: literatura, religião e história. Na linha teórica da Nova História Cultural, consideramos que os textos literários dialogam com as experiências e as expectativas dos seus autores, constituindo-se em representações do passado, presente e futuro que objetivam atingir um determinado público alvo. Esse por sua vez pode se apropriar das ideias defendidas pelos autores de modos variados. Nos diversos textos literários é possível encontrar vestígios da religiosidade de um indivíduo ou de uma sociedade porque o homem quando elabora o seu discurso o faz de um determinado lugar, com objetivos específicos, voltando-o para um público alvo e assim reflete a sua representação do mundo, da sociedade e da fé. Logo, sua produção é o suporte de um sentido transmitido pela imagem ou pelo texto que pode ser lido e apropriado sob uma gama infinita de concepções ao longo do tempo. Nesse processo contínuo de apropriação e representação do real e do imaginário, concepções e conceitos religiosos são forjados, defendidos e difundidos. Desse modo, os textos literários são fontes importantíssimas para o estudo do fenômeno histórico e religioso. Sendo assim o GT tem o interesse em receber e discutir trabalhos que se propõem a estudar o fenômeno religioso a partir de textos literários ou tomam os textos literários como fontes para estudo de temáticas relacionadas à religiosidade.

Referências

BRIZOTTO, Bruno; BERTUSSI, Lisana Teresinha. Hans Robert Jauss e a
hermenêutica literária. Revista Letrônica, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 735-752, jul./dez.,
2013
CABOT, Laurie. O poder da bruxa – a terra, a Lua e o caminho mágico feminino.
Rio de Janeiro: Campus, 1992.
CAMARGO, Pamella Louise; BENATTE, Antonio Paulo. A recepção literária na
invenção da Wicca: um panorama contextual. Revista Ateliê de História UEPG, n.1
v.3, p. 137-164, 2015.
CUNHA, Hugo de Araujo Gonçalves Da. Mulher e magia em Medeia. Revista
Soletras, Rio de Janeiro, v. 1, n. 25, p. 160-176, jan.-jun. 2013
GRIMASSI, Raven. Mistérios Wiccanos – antigas origens e ensinamentos. São
Paulo: Gaia, 2002.
JAUSS, Hans Robert. A estética da recepção: colocações gerais. In: ______ et al. A
literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1979.
______. Pequeña apología de la experiencia estética. Barcelona: Paidós, 2002.
JOSGRILBERG, Rui. Que é hermenêutica?Revista Internacional d’ Humanitats 39
jun-abr 2017. CEMOr-Feusp/Universidade Autônoma de Barcelona. Disponível
em:. Acesso em: 24/01/2018.
__________________. O que é um texto? – A vida e o mundo nas tramas de
sentido de um texto. Revista Internacional d’ Humanitats 39 jun-abr 2017. CEMOrFeusp/Universidade Autônoma de Barcelona. Disponível
em:. Acesso em: 24/01/2018.
MÉNARD, Réne. Mitologia greco-romana. Volume I. São Paulo: Opus, 1991.
MICHELET, Jules. A Feiticeira. São Paulo: Círculo do livro, S/D.
NOGUEIRA, Carlos Roberto Figueiredo. Bruxaria e História. As práticas mágicas no
ocidente cristão. São Paulo: EDUSC, 2004.
LUCK, Georg. Bruxos, bruxas e feiticeiros na literatura clássica.(IN): OGDEN, Daniel
[et al]. Bruxaria e magia na Europa: Grécia antiga e Roma. São Paulo: Madras, 2004,
p. 103- 158.
RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa (tomo 1). Campinas - SP: Papirus, 1994.
______________. La vida: un relato en busca de narrador, ÁGORA — Papeles de
Filosofía—, US Compostela (Esp.), 2006, 25/2.
RUSSELL, Jeffrey B.; BROOKS, Alexander. História da Bruxaria. Tradução Álvaro
Cabral, William Lagos. São Paulo: Aleph, 2008.
SABIN, Thea. Wicca para iniciantes – conheça os segredos da magia e da bruxaria
em detalhes. São Paulo: Universo dos Livros, 2009.
SÉNECA. Medeia. 3ª Edição. Tradução do latim, introdução e notas: Ana Alexandra
Alves de Sousa. Lisboa: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013.
TEIXEIRA, Maria Juliana Gambogi. O pecado do historiador: para uma leitura d’A
Feiticeira, de Jules Michelet. Topoi (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 14, n. 27, p. 438-452,
jul./dez., 2013.
DIAS, Marcelo Mangini. A Feiticeira De Michelet e o Ideal Romântico de
Heroísmo.Revista Cadernos de Clio, Paraná, v 1, p. 98-107, 2010.
AGNOLIN, Adone. História das Religiões: perspectiva histórico-comparativa. São
Paulo: Paulinas, 2013.
BENATTE, Antônio Paulo. A História Cultural das Religiões: contribuições a um
debate historiográfico. In. ALMEIDA, Néri de Barros; SILVA, Eliane Moura da.
(Orgs). Missão e Pregação: a comunicação religiosa entre a História da Igreja e a
História das Religiões. São Paulo: FAP-UNIFESP, 2014.
BRELICH, Angelo. Prolegómenos a una historia de las religiones. In: PUECH, HenriCharles (comp.). Historia de las Religiones - Volume 1: Las Religiones Antiguas 1,
Siglo XXI, Madrid, 1977.
CHARTIER, Roger. História Cultural – Entre práticas e representações. Lisboa/Rio
de Janeiro: Difel/Bertrand Brasil, 1990.
COSTA, Alexandre José Barboza da. Das coisas maravilhosas e bestiais do Brasil:um
estudo sobre o gênero histórico em Pero de Magalhães de Gandavo. 2017. Tese
(Doutorado em Literatura Brasileira) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências
Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em:
2018-05-17.
CORAL, Carlos Jokubauskas. O último Avis:D. Antônio, o antonismo e a crise
dinástica portuguesa (1540-1640). 2010. Dissertação (Mestrado em História Social) -
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São
Paulo, 2010. doi:10.11606/D.8.2010.tde-24092010-121750. Acesso em: 2018-04-10.
DARNTON, Robert. O grande massacre dos gatos. 2 ed., Rio de Janeiro: ForenseUniversitária, 1987.
GASBARRO, Nicola. Missões: A civilização cristã em ação. In: MONTEIRO, Paula.
Deus na aldeia: missionários, índios e mediação cultural. São Paulo: Ed. Globo, 2006.
HIRSCH, Elisabeth Feist. Damião de Góis. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian, 2002.
LIMA, Lizânias de Souza; PEDRO, Antonio. “A expansão europeia e a América antes
da conquista”. In: História da civilização ocidental. São Paulo: FTD, 20051
RODRIGUES, Manuel Augusto. Do Humanismo À Contra-Reforma em Portugal.
Coimbra, 1981.
MOTA CURTO, Pedro. História dos Portugueses na Etiópia(1490-1640). 1ª. ed.
Porto: Campo das Letras, 2008. 601 p. v. único.
PETTAZZONI, Raffaele. Il metodo comparativo. Numen, v. 6, fasc. 1, p. 1-14,
1959.
RENAUOET, Préréforme et humanisme à Paris pendant les premiéres guerres
d'italie (1497-1517), 2.a ed., Paris, 1953.
RODRIGUES, Rui Luis. Entre o dito e o maldito: humanismo erasmiano, ortodoxia e
heresia nos processos de confessionalização do Ocidente, 1530-1685. 2012. Tese
(Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas,
Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. doi:10.11606/T.8.2012.tde-06112012-
092834. Acesso em: 2018-04-10.
ROSSI, Paolo. Naufrágios sem espectador:a ideia de progresso. São Paulo: editora
UNESP, 2000.
SEEBOHM, The Oxford Reformers, John ColeI, Erasmus and Thomas
More,Londres, 1867, 4.a ed., 1911.
VAINFAS, Ronaldo. “História das Mentalidades e História Cultural”. In: CARDOSO,
Ciro Flamarion & VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História: Ensaios de Teoria e
metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.
WABERSKI, Maria Lúcia de Amorim. O casamento de D.Manuel I: D. Manuel, ser
rei à ventura é ter a ventura de ser rei?. 2015. Dissertação (Mestrado em Literatura
Portuguesa) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São
Paulo, São Paulo, 2015. doi:10.11606/D.8.2015.tde-11112015-142605. Acesso em:
2018-05-17.
AZZI, Riolando. O altar unido ao trono: um projeto conservador. São Paulo,
Edições Paulinas. 1992.
BORGES, Célia Maia. Os leigos e a administração do sagrado:O Irmão Lourenço de N.
S.ra e a Irmandade de Nossa Senhora Mão dos Homens – Minas Gerais séc XVIII.
Locus: revista de história, Juiz de Fora, v. 21, 2015.
CAMELLO, Maurílio José de Oliveira.Dom Antônio Ferreira Viçoso e a reforma do
clero em Minas Gerais no século XIX. 1986. Tese (Doutorado) – Universidade de São
Paulo, São Paulo, 1986.
CARRATO, José Ferreira. O Caraça Português.Tese (Livre Docência) – Universidade
de São Paulo, São Paulo. 1970.
CHARTIER, Roger.A mão do autor e a mente do editor. Trad: George Schlesinger.
São Paulo: Ed. UNESP, 2014.
COELHO, Tatiana Costa. Discursos ultramontanos no Brasil do século XIX:os
bispos de Minas Gerais, São Paulo e Rio de janeiro. Tese de Doutorado apresentada ao
Departamento de História da Universidade Federal Fluminense, 2016.
DODIN, André. Francisco de Sales Vicente de Paulo dois amigos: São Paulo:
Edições Loyola, [sem data].
FORRESTAL, Alison. Vincent de Paul, the Lazarist Mission, and French Catholic
Reform. New York: Oxford University Press, 2017.
FREITAS, Cônego Dr. José Higino de. Aplicação no Brasil do decreto tridentino
sobre os seminários até 1889. Belo Horizonte: Editora S. Vicente, 1979.
LEITE, Augusto da Costa. Saudades e lembranças do Caraça. São Paulo: Empresa
Gráfica da Tribuna de Minas LTDA, 1941.
MARIN, Jérri Roberto. História e historiografia da romanização: reflexões provisórias.
Revista de Ciências humanas, Florianópolis, n. 30, p, 150 -151. Outubro de 2001.
MICELI, Sérgio. A elite eclesiástica brasileira. Rio de Janeiro: editora Bertrand Brasil.
1988.
MULLETT, Michel. A Contra-Reforma: e a Reforma Católica nos Princípios da Idade
Moderna Europeia. Lisboa: Gradiva. 1985.
NETO, Luciano Dutra. Das terras baixas da Holanda às montanhas de Minas. Uma
contribuição à história das missões redentoristas, durante os primeiros trinta anos de
trabalho em Minas Gerais. Juiz de Fora, Tese de Doutorado apresentada ao Depto. de
História da Universidade Federal de Juiz de Fora, 2006.
OLIVERIA, Gustavo de Souza. Aspectos do ultramontanismo oitocentista: Antônio
Ferreira Viçoso e a Congregação da Missão em Portugal e no Brasil (1811 – 1875).
Campinas, Tese de Doutorado apresentada ao Depto. de História da Universidade
Estadual de Campinas, 2015.
PASQUIER, Eugênio. Os Primórdios da Congregação da Missão no Brasil e a
Companhia das Filhas da Caridade (1819-1849). Vol I. Rio de Janeiro: Ed. Vozes,
sem data.
PETERS, José Leandro. Entre a exteriorização e a internalização da fé: os
redentoristas e a reforma católica no Brasil (1890 – 1920). Juiz de Fora, Tese de
Doutorado apresentada ao Depto. de História da Universidade Federal de Juiz de Fora,
2017.
PIMENTA, D. Silvério G. Vida de D. Antônio Ferreira Viçoso, Bispo de Mariana,
Conde da Conceição. 3°. Edição. Mariana, Tipografia Arquiepiscopal, 1920.
SANTIROCCHI, Ítalo Domingos. Questão de Consciência: os ultramontanos no
Brasil e o realismo do segundo reinado (1840 – 1889). Belo Horizonte: Fino Traço
Editora. 2015.
VAUCHEZ, André. A espiritualidade da Idade Média Ocidental:(séculos VIII a XIII):
Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.
BÍBLIA SAGRADA. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e
atualizada no Brasil. 2. Ed. São Paulo, Sociedade Bíblica do Brasil, 2008.
BORGES, Jorge Luis. Obras completas de Jorge Luis Borges.Vol. 1. São Paulo:
Globo, 1999.
_____. Ficções. São Paulo: Cia das Letras, 2007.
_____. O outro, o mesmo. Cia. das Letras. São Paulo. 2009.
_____. Nove ensaios dantescos & a memória de Shakespeare. São Paulo: Cia. Das
Letras, 2011.
CERTEAU, Michel de. A Escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
Trad. Maria de Lourdes Menezes, 1982.
CHEVALIER, Jean. Dicionário de símbolos. 27. ed. Rio de Janeiro: José Olympio
2015.
DE QUINCEY, Thomas. De Quincey’s collected writings vol. XIII Tales and Prose
Phantasies. 1845. Disponível em:
olXIII/TheCollectedWritingsOfThomasDeQuinceyVolXIII.pdf>. Acesso em: 01 jul. de
2016.
HALBWACHS, Maurice. Memória coletiva e memória histórica. In: A memória
coletiva. São Paulo: Edição Revista dos Tribunais LTDA., 1990.
POLLACK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio: estudos históricos. Rio de
Janeiro: vol. 2, n. 3, 1989.
BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Trad. João Ferreira de Almeida. 2. ed. Barueri:
Sociedade Bíblica do Brasil, 2011. Edição revista e atualizada no Brasil.
CAMUS, A. Calígula; O Equívoco. Trad. Raul de Carvalho. Lisboa: Edição Livros do
Brasil, [19--].
_____. Essais. Paris: Gallimard, 1965.
_____. Estado de sítio; O estrangeiro. Trad. Maria Jacintha e Antônio Quadros. São
Paulo: Abril Cultural, 1979.
_____. O avesso e o direito. Trad. Valerie Rumjanek. 3. edRio de Janeiro: Record,
1996.
_____. O mito de Sísifo. Trad. Ari Roitman e Paulina Watch. 3. ed. Rio de Janeiro:
BestBolso, 2013a.
_____. A peste.Trad. Valerie Rumjanek. 22. ed.Rio de Janeiro: Record, 2013b.
_____. O estrangeiro. Trad. Valerie Rumjanek.4. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2013c.
KIERKEGAARD, S. O desespero humano. Trad.Carlos Grifo, Maria José Marinho,
Adolfo Casais Monteiro. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
_____. Temor e tremor. Trad. Elisabete M. de Sousa. Lisboa: Relógio D’Água, 2009.
PASCAL, B. Pensamentos. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
BLOCH, Marc. Os Reis Taumaturgos: o caráter sobrenatural do poder régio – França
e Inglaterra. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
BRUSTOLONI. J. Coletânea de documentos e crônicas da Capela de Nossa
Senhora Aparecida (1717 – 1917). Aparecida: ACMA, 1978. Folha 102.
BURKE, Peter. Cultura Popular na Idade Moderna: Europa 1500-1800. São Paulo:
Companhia das Letras, 2010.
DELUMEAU, Jean. O Pecado e o Medo:a culpabilização no Ocidente (séculos 13 –
18). 2 vols. Bauru, SP: EDUSC, 2003.
DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os Irmãos Karamazov. 2 vols. (Coleção Leste). São Paulo:
Editora 34, 2008.
GINZBURG, Carlo. Os Andarilhos do Bem: feitiçarias e cultos agrários nos séculos
XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
__________. História Noturna: decifrando o sabá. São Paulo: Companhia das Letras,
1991.
__________. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido
pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006
HUIZINGA, J.. O Outono da Idade Média: estudo sobre as formas de vida e de
pensamento dos séculos XIV e XV na França e nos Países Baixos. São Paulo: Cosac
Naify, 2010.
MONTES, Maria Lúcia. As figuras do Sagrado: entre o público e o privado na
religiosidade brasileira. In: NOVAIS, Fernando A. (Dir.). História da Vida Privada no
Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. Vol. 04.
PASSOS, Mauro. “A mística do catolicismo popular – a tradição e o sagrado”.In:
Simpósio da ABHR, 12, 2011. Anais. Disponível em http:
. Acesso em: 05 jun.
2016.
SUASSUNA, Ariano. Auto da Compadecida. Rio de Janeiro: Agir Editora, 2008.
THOMAS, Kheith. A Religião e o declínio da magia - Crenças populares na Inglaterra,
séculos XVII e XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 1991
VAUCHEZ, André. A Espiritualidade na Idade Média Ocidental: (séculos VIII a
XIII). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.
AMMERMAN, Nancy T. Altares modernos na vida cotidiana. In: BERGER, Peter
L. Os múltiplos altares da modernidade: Rumo a um paradigma da religião numa
época pluralista. Petrópolis: Editora Vozes, 2017. p. 184-213.
BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Liquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
BARBOSA, Maria Raquel; MATOS, Paula Mena; COSTA, Maria Emília. UM OLHAR
SOBRE O CORPO: O CORPO ONTEM E HOJE. Psicologia & Sociedade, Porto, v. 1, n. 23,
p.24-34, 2011
BETIATO, Mario Antonio. Religião e Religiosidade ontem e hoje. In: ROSSI, Luiz
Alexandre Solano; KUZMA, Cesar. Cultura, religião e sociedade: um diálogo entre
diferentes saberes. Curitiba: Champgnat Pucpr, 2010. p. 13-22.
BERGER, Peter L. Os múltiplos altares da modernidade: Rumo a um paradigma da
religião numa época pluralista. Petrópolis: Vozes, 2017.
DELAHAY, Matti. Imaginary Things: Morden myth in Neil Gaiman's American
Gods. 2009. 105 f. Tese (Doutorado) - Curso de Languagues, Languagues, University
Of JyvÄskylÄ, JyvÄskylÄ, 2009.
GAIMAN, Neil. Deuses Americanos: edição preferida do autor. Rio de Janeiro:
Intrínseca, 2016.
GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.
KUZMA, Cesar. Ecumenismo, diálogo inter-religioso e pluralismo religioso. In:
ROSSI, Luiz Alexandre Solano; KUZMA, Cesar. Cultura, religião e sociedade: um
diálogo entre diferentes saberes. Curitiba: Champgnat Pucpr, 2010. p. 23-36.
MARIN, Hebe Tocci; ROSSI, Aparecido Donizete. Deuses novos, frustrantes e
frustrados: os novos caminhos da ficção científica através da secularização da
fé. Guavira Letras, Três Lagoas, v. 1, n. 26, p.263-276, 2018.
MANZATTO, Antonio. Em torno da questão da verdade. Dossiê: Religião e
Literatura, Belo Horizonte, v. 10, n. 5, p.12-28, 2012.
TAKEHANA, Eduardo Yukio; SILVA, Neide A. O realismo, a magia e a fantasia na
narrativa contemporânea Deuses Americanos de Neil Gaiman. Alpha, Pato de Minas, v.
2, n. 16, p.192-200, 2015.
TEIXEIRA, Faustino. O fundamentalismo em tempos de pluralismo religioso. In:
MOREIRA, Alberto da Silva; OLIVEIRA, Irene Dias de. O futuro da religião na
sociedade global: Uma perspectiva multicultural. São Paulo: Paulinas, 2008. p. 69-80.
SANTOS, Joe Marçal Gonçalves dos. Literatura e religião: a relação buscando um
método. Dossiê: Religião e Literatura, Belo Horizonte, v. 10, n. 25, p.29-52, 2012.
STEIL, Carlos Alberto. Oferta simbólica e mercado religioso na sociedade global. In:
MOREIRA, Alberto da Silva; OLIVEIRA, Irene Dias de. O futuro da religião na
sociedade global: Uma perspectiva multicultural. São Paulo: Paulinas, 2008. p. 7-16.
VIVIAN, Ilse Maria da Rosa; BUZATTO, Guilherme. A (des)construção do sujeito: a
arqueologia da personagem em Deuses Americanos, de Neil Gaiman. Língua &
Literatura, Rio Grande do Sul, v. 19, n. 33, p.328-341, 2017.
AMARAL, Leila. Carnaval da Alma. Petrópolis/RJ: Vozes, 2000.
BETTO, Frei. A crise da racionalidade e a emergência do espiritual. In: Mística e
Espiritualidade. BETTO, Frei, BOFF, Leonardo. Petrópolis/RJ: Vozes, 2010.
COELHO, Paulo. O Alquimista. 17ª ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.
_______________O Diário de Um Mago. 10ª ed. Lisboa: Editora Pergaminho, 2004.
_______________O Manual do Guerreiro da Luz. Rio de Janeiro: Sextante, 2013.
SEMÁN, Pablo. Literatura e religião na sociedade contemporânea. Disponível em:
http://www.equiponaya.com.ar/congreso2002/ponencias/pablo_seman.htm. Acesso em
30/10/2014.
TEIXEIRA, Jerônimo. MARTHE, Marcelo. MENDES, Mário. Um país de leitores – e
autores. Revista Veja. Nº 2258. 29 fev 2012
ALVES, Rubem. O que é religião? São Paulo: Ars Poetica, 1996.
BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. Modernidade, pluralism e crise de
sentido: a orientação do homem moderno. Trad. Edgar Orth. Petrópolis: Vozez, 2012.
_____. Os múltiplos altares da modernidade: rumo a um paradigma da religião numa
época pluralista. Trad. Noéli Correia de Melho Sobrinho. Petrópolis: Vozes, 2017.
CLARKE, Margaret Anne. O resgate do logos na época moderna: a poesia religiosa
de T.S. Eliot e Murilo Mendes (2000). Disponível em:
Acesso em 25 set.
2016.
GROSS, Eduardo (Org.). Manifestações literárias do sagrado. Juiz de Fora: UFJF,
2002.
____. Modelos hermenêuticos para a percepção do religioso na literatura. In: HUFF
JÚNIOR, Arnaldo Érico; RODRIGUES, Elisa (Orgs.). Experiências e interpretações
do sagrado: interfaces entre saberes acadêmicos e religiosos. São Paulo: Paulinas,
2012. p. 99-115.
MENDES, Murilo. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.
PAZ, Octavio. Os filhos do barro. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1984.
_____. O arco e a lira. Trad. Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify,
2012.
_____. Poetry and Modernity. Trad. Eliot Weinberger. The Tanner Lectures on
Human Values. The University of Utah, October 18-20, 1989. Disponível em:
. Acesso em: 30 set.
2018.
TORRES QUEIRUGA, Andrés. Fim do Cristianismo pré-moderno: desafios para um
novo horizonte. Trad. Afonso Maria Ligorio Soares. São Paulo: Paulus, 2003.
ALVAREZ, Aurora Gedra Ruiz. O século XIX sob o olhar machadiano. Itinerários,
Araraquara, n.29, p. 393-404, 2009. Disponível em:
. Acesso em: 15 abril 2018.
ASSIS, Machado.Obra Completa. Vol. II. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar S.A,
1997.
BÍBLIA SAGRADA. Trad. João Ferreira de Almeida. Edição revista e corrigida. São
Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, [s.d].
GOETHE, J.W. Fausto. Trad. Sílvio Meira. Rio de Janeiro: Agir, 1968.
NOVA, Vera Casa. Do sermão do Diabo: o avesso da narrativa. O eixo e a roda: v.16,
p. 179-184, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 março
2018.
SILVA, Teresinha Vânia Zimbrão. Machado de Assis e a Tradição Religiosa. In:
Oliveira, M.C.C de; Lage, Verônica L.c. (orgs). Literatura, crítica, cultura I, Juiz de
Fora: Editora UFJF, 2008.
VIEIRA, Antônio. Sermões. Lisboa: Editores Reunidas, s/d, 1994.
ALMEIDA, Néri de Barros. Hagiografia, propaganda e memória histórica. O
monasticismo na Legenda aurea de Jacopo de Varazze. Territórios e Fronteiras
(Online), v. 7, p. 94-111, 2014.
BOURDIEU, Pierre. A gênese e estrutura do campo religioso. In: BOURDIEU, Pierre.
A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 2007.
CEPEDA, Isabel Vilares. Apresentação. In: DIAS, Nicolau. Livro do Rosário de
Nossa Senhora.Lisboa: Biblioteca Nacional, [1573], Ed. 1982.
CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
1982.
Cordeiro, André Rocha. Mater, Virgo et Regina: Frei Nicolau Dias e o Rosário da
Virgem Maria (Portugal-1573). 217. 180 f.. Dissertação (Mestrado em História) – PósGraduação em História, Universidade Estadual de Maringá, Maringá – PR. 2017.
DALARUN, Jacques. Olhares de clérigos. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle.
História das Mulheres no Ocidente. Porto; São Paulo: Edições Afrontamento; Ebrasil,
1994.
DELFINO, Leonara Lacerda. Senhora das Conquista e das Missões: Origens da
Devoção da Virgem do Rosário como Santa Mãe Protetora dos Pretos no Ultramar.
Revista Ars Histórica, nº 6, p. 107-127, ago./dez. 2013.
DIAS, Nicolau. Livro do Rosário de Nossa Senhora. Lisboa: Biblioteca Nacional,
[1573], Ed. 1982.
DUBY, Georges. Para uma história das mulheres na França e na Espanha. Conclusão de
um Colóquio. In: DUBY, Georges. Idade Média, Idade dos Homens: do amor e outros
ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
EGIDO, Teófanes. Hagiografía y estereotipos de santidad contrarreformista (La
manipulación de san Juan de la Cruz). Cuadernos de Historia Moderna, Madrid, nº.
25, p. 61-85, 2000.
GARCIA-VILLOSLADA, Ricardo; LLHORCA, Bernardino. Las artes, al servicio de la
Iglesia. Vida cristiana. In: GARCIA-VILLOSLADA, Ricardo; LLHORCA, Bernardino.
Historia de la Iglesia Católica III Edad Nueva: La Iglesia en la época del
Renacimiento y de la Reforma católica (1303-1648). Madrid: Biblioteca de Autores
Cristianos, 2010.
KARNAL, Leandro; TATSCH, Flávia Galli. Documento e História: a memória
evanescente. In: PINSKY, Carla Bassenezi; LUCA, Tania Regina de. O Historiador e
suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009.
MARQUES, João Francisco. Devoção à Paixão de Cristo. In: AZEVEDO, Carlos
Moreira. Dicionário de História Religiosa de Portugal(vol. 2). Lisboa: Circulo dos
Leitores, 2010. p. 570-577.
NASCIMENTO, Maria Filomena Dias. Ser mulher na Idade Média. T.E.X.T.O.S. DE
H.I.S.T.Ó.R.I.A.: Revista do Programa de Pós-graduação em História da UnB. Brasília:
Universidade de Brasília, 1997. p. 82-91.
PAPA FRANCISCO. Homilia da Santa Missa e Canonização dos Beatos: Paulo VI,
Oscar Romeiro, Francisco Spinelli, Vicente Romano, Maria Catarina Kasper, Nazária
Inácia de Santa Tereza de Jesus e Núncio Sulprizio. Disponível em:
https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/homilies/2018/documents/papafrancesco_20181014_omelia-canonizzazione.html. Acessado em: 15/11/2018.
PEREIRA, Ana Paula Lopes. O Relato Hagiográficocomo Fonte Histórica. Revista do
Mestrado de História, Vassouras, p.161-171, 2007.
PIRES, João Davi Avelar. Visões sobre o feminino e o corpo na Idade Média.
Feminismos, vol.3, nº. 2 e 3. Salvador: UFBA, mai/dez de 2015. p. 14-23.
RODRIGUEZ, Gerardo Fabián. Frontera, Cautiverio y Devoción Mariana. Sevilla:
Secretariado de Publicaciones Universidad de Sevilla, 2012.
ROLO, Raúl de Almeida. Nota Prévia. In: DIAS, Nicolau. Livro do Rosário de Nossa
Senhora. Lisboa: Biblioteca Nacional, [1573], Ed. 1982.
SANTOS-SILVA, Danielle de Oliveira dos. A Rainha Mãe: A Maternidade como fonte
de Poder na Idade Média (séculos XIII a XV). In: XVII Encontro de História da AnpuhRio, 2016, Nova Iguaçu – RJ. Anais do XVII Encontro de História da Anpuh-Rio.
Nova Iguaçu – RJ: ANPUH-UFRRJ, 2016, p. 1-9.
SILVA, André Candido da; MEDEIROS, Márcia Maria de. Sexualidade e a história da
mulher na Idade Média: a representação do corpo feminino no período medieval nos
séculos X a XII. Revista Eletrônica História em Reflexão, vol. 7, nº. 14. Dourados:
Universidade Federal da Grande Dourados, jul/dez de 2013. p. 1-16.
SILVA, Andréia C. L. F. da. Reflexões sobre a Hagiografia Ibérica Medieval: um
estudo comparado do Liber Santi Jacobi e das vidas de santos de Gonzalo de Berceo.
Niterói: Editora da UFF, 2008.
SILVA, Andréia C. L. F. da; SILVA, Leila R.. Reflexões sobre um projeto de pesquisa
em História Comparada: Hagiografia, Sociedade e Poder na Península Ibérica Medieval.
Saeculum:Revista de História, João Pessoa, n. 25, p. 183-194, jul./dez. 2011.
SOBRAL, Cristina. O modelo discursivo hagiográfico. Colóquio da Secção Portuguesa
da Associação Hispânica da Literatura Medieval. Actas... Porto: Faculdade de Letras da
Universidade do Porto, 2005. p. 97-10
SOBRAL, Cristina. O modelo discursivo hagiográfico. Colóquio da Secção Portuguesa
da Associação Hispânica da Literatura Medieval. Actas... Porto: Faculdade de Letras da
Universidade do Porto, 2005. p. 97-10.
SOUZA, Juliana Beatriz de Almeida. Senhora dos Sete Mares: Devoção mariana no
império colonial português. 2002. 268 f.. Tese (Doutorado em História) – PósGraduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói – RJ. 2002.
TEIXEIRA, Igor Salomão (Org.). Tempo, Espaço e Texto: a Hagiografia Medieval em
perspectiva. São Leopoldo: Oikos, 2017.
TEIXEIRA, Igor Salomão. Literatura, tempo e verdade: o fazer hagiográfico na
Legenda Áurea. História. Questões e Debates, Curitiba, nº. 59, p. 193-216, jul./dez.
2013.
BOLLELI, Daniele. Sexo, Saquê e Zen. Disponível em:
. Acesso em: 23 jul. 2018.
BOUSO, Raquel. Zen. Barcelona: Fragmenta Editorial, 2012.
BUKOWSKI, Charles. Nirvana,[199-?]. Disponível em:
. Acesso
em: 15 jul. 2018.
CARVALHO, José Jorge de. Raro como a flor de udumbara: a influência crescente
de Dogen no pensamento filosófico-religioso mundial. Série Antropologia.
Brasília, 2006, p. 1-22.
IZUTSU, Toshihiko. Hacia una filosofia del budismo zen. Madrid: Trotta, 2009.
METCALF, Franz Aubrey. O Zen no Ocidente. In: YOSHINORI, Takeuchi (org.), em
associação com James W. Heisig, Paul L. Swanson e Joseph S. O'Leary. A
espiritualidade budista II: China mais recente, Coréia, Japão e mundo moderno.
São Paulo: Perspectiva, 2007.
MICHELAZZO, José Carlos. Desapego e entrega: atitudes centrais da meditação
zen-budista e suas ressonâncias nos pensamentos de Eckhart e de Heidegger.
Rever, Ano 11, n. 2, jul./dez. 2011
ROCHA, Cristina. O Zen no Brasil: em busca da modernidade cosmopolita.
Campinas: Ponte, 2016.
SÔJUN, Ikkyû. Os discípulos..., [14-??]. Disponível em: . Acesso em:
28 jul. 2018.
SOUNES, HOWARD. Bukowski: Vida e Loucuras de Um Velho Safado. São Paulo:
Veneta, 2016.
SUZUKI, Daisetz Teitaro. Introdução ao zen budismo. São Paulo: Pensamento, 1969
_____. Prefácio. In: HERRIGEL, Eugen. A arte cavalheiresca do arqueiro zen. São
Paulo: Pensamento, 1995.
TEIXEIRA, Faustino. A espiritualidade zen budista. Horizonte, Belo Horizonte, v. 10,
n. 27,p. 704-727, jul./set. 2012.
TEIXEIRA, Faustino. Ikkyû Sôjun: a nuvem errante. Disponível em:
. Acesso
em: 25 jul. 2018.
VELASCO, Juan Martín. El fenómeno místico. Madrid: Trotta, 1999
ABIAS, Nhenze. Otyoto: os valores da cultura africana e angolana para a nova geração.
Cultura: Jornal angolano de artes e letras, Lubango, 23 nov. 2015. Disponível em:
. Acesso em: 10 out. 2017.
AGUESSY, Honorat. Visões e percepções tradicionais. In: BALONGUN, Ola; AGUESSY,
Honorat; DIAGNE, Pathé; SOW, Alpha I. Introdução à cultura Africana. Luanda: INALD,
1977, p. 95-136.
AGUSTONI, Prisca. O Atlântico em movimento signos da diáspora africana na poesia
contemporânea de língua portuguesa. Belo Horizonte: Mazza, 2013.
APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Rio de
Janeiro: Contraponto, 1997.
BALONGUN, Ola; AGUESSY, Honorat; DIAGNE, Pathé; SOW, Alpha I. Introdução à
cultura africana. Luanda: INALD, 1977.
BATAILLE, Georges. O erotismo. Fernando Scheibe. (Trad.). Belo Horizonte: Autêntica,
2014.
CADERNO DE SOCIOLOGIA. O que são ritos de passagem. Disponível em:
.
Acesso em: 14 jul. 2014.
CARDOSO, Claudia Fabiana de Oliveira. O lugar do sagrado e a poesia Paula Tavares.
Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2014.
CHAVES, Rita. Angola e Moçambique: experiência colonial e territórios literários. Cotia:
Ateliê, 2005.
______; MACÊDO, Tania. (Org.). Marcas da diferença: as literaturas africanas de língua
portuguesa. São Paulo: Alameda, 2006.
CORAÇÃO AFRICANO: Brasil & África. Um país e um continente num só coração. Pwo.
Disponível em: . Acesso
em: 20 dez. 2017.
DA MATTA, Roberto. “Apresentação”. In: GENNEP, Arnold van. Os ritos de passagem:
estudo sistemático dos ritos da porta e da soleira, da hospitalidade, da adoção, gravidez e
parto, nascimento, infância, puberdade, iniciação, coroação, noivado, casamento, funerais,
estações, etc. Mariano Ferreira (Trad.). 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 9-20.
DIAGNE, Pathé. Renascimento e problemas culturais em África. In: BALONGUN, Ola;
AGUESSY, Honorat; DIAGNE, Pathé; SOW, Alpha I. Introdução à cultura Africana.
Luanda: INALD, 1977, p. 137-197.
DUARTE, Zuleide. A tradição oral na África. Estudos de Sociologia: Revista do Programa
de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, Recife, v. 15, n. 2, p. 181-189, dez. 2009.
Disponível em: .
Acesso em: 01 jul. 2014.
FLUSSER, Vilén. Da religiosidade: a literatura e o senso de realidade. São Paulo: Escrituras,
2002, p. 15-21.
GENNEP, Arnold van. Os ritos de passagem: estudo sistemático dos ritos da porta e da
soleira, da hospitalidade, da adoção, gravidez e parto, nascimento, infância, puberdade,
iniciação, coroação, noivado, casamento, funerais, estações, etc. Mariano Ferreira (Trad.). 4.
ed. Petrópolis: Vozes, 2013.
HALL, Stuart. Da diáspora:identidades e mediações culturais. Liv Sovik (Org.). Adelaide La
Guardia Resende et al. (Trad.). Belo Horizonte: UFMG; Brasília: Representação da UNESCO
no Brasil, 2003.
LOPES, Nei. Novo dicionário banto do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.
PADILHA, Laura Cavalcante. Paula Tavares e a semeadura das palavras. In: CAMPOS,
Maria do Carmo Sepúlveda, SALGADO, Maria Teresa. (Org.). África & Brasil:Letras em
laços. São Paulo: Atlântica, 2000, p.287-302.
PAZ, Octavio. O arco e a lira. Olga Savary (Trad.). 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1982.
PEREIRA, Érica Antunes. Signos do corpo feminino na poética de Paula Tavares.
Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2016.
PIRES, André Monteiro Guimarães Dias; MENDES, Sávio Damato. O fora nas linhas da
“terceira margem do rio”. In: Verbo de Minas, Juiz de Fora, v. 14, n. 24. p. 69-84, dez.
2013.
RIBEIRO, Maria Goretti. O sagrado feminino na literatura. In: Ipotesi: Revista de estudos
literários da UFJF, Juiz de Fora, v.16, n. 2, p. 63-75, dez. 2012. ROCHA, Zeferino. Heráclito de Éfeso, filósofo do logos. In:Revista Latino-Americanade
psicopatologia fundamental. Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia
Fundamental, São Paulo, a. VII, n. 4, p. 8-31, dez. 2004.
SECCO, Carmen Lucia Tindó. As veias finas pulsantes da terra e da poesia: posfácio. In:
TAVARES, Paula. Amargos como os frutos:poesia reunida. Rio de Janeiro: Pallas, 2011, p.
261-281.
SECCO, Carmen Lucia Tindó Ribeiro. Sendas de sonho e beleza (algumas reflexões sobre a
poesia angolana hoje). In: CHAVES, Rita; MACÊDO, Tania. (Org.). In: Marcas da
diferença: as literaturas africanas de língua portuguesa. São Paulo: Alameda, 2006, p. 93-
104.
______. As águas míticas da memória e a alegoria do tempo e do saber. In: Revista Brasil de
Literatura: Universidade Federal Fluminense, Niterói, ano 4, 2002. Disponível em:
. Acesso em: 25 ago. 2017.
______. Ruminações do tempo e da memória na poesia de Paula Tavares. Disponível em:
. Acesso em: 15 jul. 2016.
______. O “entre-lugar” do ensaio no contexto literário africano de língua portuguesa. In:
Scripta: Revista do Programa de Pós-graduação em Letras e do Centro de Estudos Luso-afrobrasileiros da PUC Minas, Belo Horizonte, v. 7, n. 13, p. 272-285, ago. 2003. Disponível em:
3.pdf>. Acesso em: 30 out. 2015.
______. Sonhos, paisagens e memórias na poesia moçambicana contemporânea.
Disponível em:. Acesso em:
20 dez. 2017.
______. A poesia angolana pós-independência: tendências e impasses. In: Veredas: Revista
da Associação Internacional de Lusitanistas, Porto Alegre, v. 7, p. 83-99, 2006. Disponível
em: . Acesso em: 10 ago. 2016.
SOW, Alpha. Prolegómenos. In: BALONGUN, Ola; AGUESSY, Honorat; DIAGNE, Pathé;
SOW, Alpha I. Introdução à cultura africana. Luanda: INALD, 1977, p. 11-35.
SPERBER, Suzi Frankl. Como delimitar o sagrado na escrita? Às voltas com os universais.
In: Ipotesi: Revista de estudos literários da UFJF, Juiz de Fora, v.16, n. 2, p. 11-23, dez.
2012.
TACULA. In: Dicionário online de português. Disponível em:
Acesso em: 15 jul. 2014.
TAVARES, Paula. A oralidade é meu culto: entrevista com Ana Paula Tavares, [nov. 2010].
Entrevistador: Pedro Cardoso. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2014.
TAVARES, Paula. Amargos como os frutos: poesia reunida. Rio de Janeiro: Pallas, 2011.
______. Ana Paula Tavares, entrevista [nov. 2000]. Entrevistadora Claudia Pastore. Lisboa,
2000. Disponível em:
. Acesso em: 16 jun.
2015.
______. Ana Paula Tavares, entrevista [2002]. Entrevistadora Helena Leão, 2002. Lisboa,
Universidade Aberta - Entre Nós. Disponível em:
Acesso em: 16 jun. 2015.
______. Ana Paula Tavares, entrevista [2015]. Entrevistador P. Varzim, 2015. Disponível
em: . Acesso
em: 16 jun. 2015.
______. “M como Mádia: uma crônica de Ana Paula Tavares. AngolaBela. dez. 2015.
Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2018.
_____. Dizes-me coisas amargas como os frutos. Lisboa: Caminho, 2001.
______. O lago da lua. Lisboa: Caminho, 1999.
______. “Língua materna”. In: ___. O sangue da buganvília: crônicas. Praia-Mindelo:
Centro Cultural Português, 1998. Disponível em:
les&rid=586>. Acesso em: 10 jul. 2014.
______. Ana Paula Tavares, entrevista[jan. 2009]. Entrevistadora: Susanna Ventura. Revista
Critério, jan. 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2015.
______. Ritos de passagem. Luanda: União dos escritores angolanos, 1985.
ANDRADE, Carlos Drummond de.Boitempo & A falta que ama. 2ª ed. Rio de Janeiro: Sabiá,
1973.
__________. Esquecer para lembrar: boitempo-III. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1979.
__________. Menino antigo: boitempo-II. 2ª ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1974.
__________. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003.

ARRIGUCCI, Davi. Coração Partido: uma análise da poesia reflexiva de Drummond. São Paulo:
Cosac & Naif, 2002.
DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Trad. Fábio Landa. São Paulo: UNESP, 2002.
__________. O cartão-postal: De Sócrates a Freud e além. Trad. Ana Valéria Lessa & Simone
Perelson. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
__________. Papel-máquina. Trad. Evando Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.
NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. Trad. Paulo
César Lima de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
SANTIAGO, Silviano. Carlos Drummond de Andrade. Rio de Janeiro: Vozes, 1976.
TRÍAS, Eugênio. “Pensar a religião”. In: DERRIDA, Jacques e VATTIMO, Gianni (Org.). A
religião: o seminário de Capri. São Paulo: ed. Estação Liberdade, 2000.
ALTER, Robert. A arte da narrativa bíblica. Tradução: Vera Pereira. São Paulo:
Companhia das Letras, 2007.
ANDRADE, Altamir Celio de. Narrativas sobre hospitalidade: algumas cenas n’O Hobbit e
na Bíblia. Verbo de Minas, Juiz de Fora, v. 13, n. 22, p. 16-31, ago./dez. 2012. Disponível
em: https://seer.cesjf.br/index.php/verboDeMinas/article/view/413.
BERNARD-GRIFFITHS, Simone. Rusticidade e felicidade.In: MONTANDON, Alain (Org.).
O livro da Hospitalidade:acolhida do estrangeiro na história e nas culturas.Tradução Marcos
Bagno e Lea Zylberlicht. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2011. p. 453-470.
BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém.Nova edição rev. e ampl. São Paulo: Paulus, 2002.
DUARTE, Lélia Parreira. A ironia na obra de Guimarães Rosa ou a capacidade encantatória
de um divino embusteiro. O eixo e a roda,Belo Horizonte, v. 7, p. 109-117, 2001. Disponível
em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/3099.
FINAZZI-AGRÒ, Ettore. A memória bêbada: trauma e representação nas Primeiras estórias.
In: CHIAPPINI, Ligia; VEJMELKA, Marcel (Org.). Espaços e caminhos de Guimarães
Rosa:dimensões regionais e universalidade. Rio de Janeiro: Nove Fronteira, 2009.
NANCY, Jean-Luc. El intruso. Buenos Aires: Amorrortu, 2007.
______. La existencia exiliada. Tradução Juan Gabriel López Guix. Arquipiélago, Barcelona,
n. 26-27, 1996.
RÓNAI, Paulo. Os vastos espaços. In: ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias.16. ed.
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. p. 13-40.
ROSA, João Guimarães. As margens da alegria. In: ______. Primeiras estórias.16. ed. Rio
de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. p. 41-46.
______. A terceira margem do rio. In: ______. Primeiras estórias.16. ed. Rio de Janeiro:
Nova Fronteira, 2016. p. 67-72.
______. Os cimos. In: ______. Primeiras estórias.16. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
2016. p. 187-194.
______. Primeiras estórias.16. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.
VENÂNCIO, Mariana Aparecida. Quando dois corpos se desnudam: hospintralidades em
Judá e Tamar. Annales FAJE,Belo Horizonte, v. 2. n. 1, p. 81-89, 2017. Disponível em:
. Acesso em: 20 nov.
2018.
Como Citar
DA COSTA VALLE, L. M.; DA SILVA DOS PRAZERES, W.; HENRIQUES BARRETO, G.; CONTIN FERNANDES, T.; VIEIRA PINTO AGUIAR, D.; TELES CAVALCANTE, M.; DE CASTRO LINS, R.; PETERS, J. L.; ALVINE CARVALHO, F.; FONTOURA, T. J.; MUNCK JR., E.; MADDALENO , I.; ROCHA CORDEIRO, A.; PEREIRA AZAMBUJA, O. A.; BREDER KREMPSER, C.; DE OLIVEIRA ALBANO, A. H.; VENÂNCIO, M. A. Interfaces entre Literatura, Religião e História. Sacrilegens , v. 15, n. 2, 11.