A origem do preconceito em Allport como obstáculo ao diálogo interreligioso

  • Angelina Carr Ribeiro Martins
Palavras-chave: Diálogo inter-religioso, preconceito, generalizações, universo subjetivo, distanciamento afetivo

Resumo

Discutiremos neste artigo o preconceito como obstáculo ao diálogo inter-religioso, para o qual, Gordon Allport, psicólogo estadunidense, nos aponta um caminho. Segundo ele, o preconceito tem suas fontes na defesa apaixonada dos valores pessoais que levantam muros de proteção e veem os outros como ameaça. A comodidade das generalizações e categorias simplistas impulsionam a formação de estereótipos, os quais tornam naturais ideias e atitudes hostis, que, na verdade, nem possuem fundamento, pois pertencem ao universo subjetivo. Neste sentido, utilizaremos também a teoria de Bachelard sobre a importância do distanciamento afetivo para o melhor entendimento de um objeto de estudo. Conscientes de que o preconceito também é influenciado pelo período histórico e pelas diferenças culturais e religiosas, iremos entrecruzar os conceitos de Allport com os modelos utilizados pela teologia do pluralismo religioso a fim de verificarmos se existe realmente uma aproximação que esclareça as dificuldades e os desafios impostos às relações inter-religiosas, e até mesmo pessoais, para que se avance na compreensão e aceitação das diferenças.

Referências

ALLPORT, W. Gordon. La naturaleza del prejuicio. Buenos Aires: Editorial Universidade de Buenos Aires, 1954.
BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1938.
BALLALAI, Roberto. Notas e subsídios para a análise do discurso (uma contribuição à leitura do discurso da Administração). Fórum Educacional. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 13 (1-2), p. 56-89, fev./maio 1989.
BASSET, Jean-Claude. Religiones en Diálogo. El diálogo interreligioso: oportunidad para la fe o decadencia de la misma. Bilbao: Desclée De Brouwer, S.A; 1999.
DALAI LAMA. Uma ponte entre as religiões: por uma verdadeira comunhão de fé. São Paulo: Martins Fontes, 2014.
JAPIASSU, Hilton. O mito da neutralidade científica. Rio de Janeiro: Imago, 1975.
KNITTER, Paul. F. Introdução às Teologias das Religiões. São Paulo: Paulinas, 2008.
TAMAYO, Juan J. Pluralismo religioso, Teología de las religiones y sus implicaciones en el diálogo inter-religioso. XXII Congresso de Teologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR Brasil. Outubro, 2016.
TAMAYO, Juan J.; BETANCOURT, Raúl F. (Eds). Interculturalidad, diálogo interreligioso y liberación. I Simposio Internacional de Teología Intercultural e Interreligiosa de la Liberación Barcelona, 11-12 de julio de 2004. Universidad Carlos III de Madrid. Instituto de Derechos Humanos Bartolomé de las Casas. Cátedra de Teología y Ciencias de la Religión “Ignacio Ellacuría”. Estella: Editorial Verbo Divino, 2005.
TEIXEIRA, Faustino; DIAS, Zwinglio M. Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso: A arte do possível. 9. ed. Aparecida: Editora Santuário, 2011.
USARSKI, Frank. O Budismo e as outras: encontros e desencontros entre as grandes religiões mundiais. São Paulo: Ideias e Letras, 2009.
USARSKI, Frank. História da Ciência da Religião. In: PASSOS, João Décio; USARSKI, Frank (Orgs). Compêndio da Ciência da Religião. São Paulo: Paulinas; Paulus, 2013.
VIGIL, José Maria. Teologia do Pluralismo Religioso: para uma releitura do pluralista do cristianismo. São Paulo: Paulus, 2006.
WOLFF, Elias. Unitatis Redintegratio, Dignitatis Humanae, Nostra Aetate. Textos e comentários. São Paulo: Paulinas, 2012.
Publicado
2017-09-05
Como Citar
CARR RIBEIRO MARTINS, A. A origem do preconceito em Allport como obstáculo ao diálogo interreligioso. Sacrilegens , v. 14, n. 2, p. 45-64, 5 set. 2017.