Performance ritual como narrativa da experiência religiosa: um caso pentecostal

Autores

  • Valdevino de Albuquerque Júnior

Palavras-chave:

Pentecostalismo, experiência religiosa, Performance ritual, cultura

Resumo

A teologia pentecostal assevera a contemporaneidade da ação do Espírito Santo na
Igreja. É o olhar religioso traduzido em doutrinas, constituindo o sistema de crenças
pentecostal. Entre tais crenças, a manifestação carismática da glossolalia nucleia a quase
totalidade da estrutura simbólica dos pentecostalismos, de forma geral; mas os
chamados dons espirituais não se restringem às “línguas estranhas”. Antes, havendo
uma diversidade de igrejas, há também uma variação na leitura hermenêutica desses
dons. Um exemplo simples e objetivo é a performance ritual de certos pentecostalismos,
que reivindicam legitimidade da ação divina às mais variadas expressões gestuais dos
fieis que, num “ballet espiritual”, conferem uma dinâmica particular ao culto, narrando,
em seus próprios corpos, a experiência do sagrado. Cada expressão – das palmas aos
cambaleios – traduz, nas páginas da emoção do crente, a narrativa mítica que se
reatualiza em cada culto. Esta breve reflexão representa parte de uma etnografia
realizada em uma igreja pentecostal de Juiz de Fora, Minas Gerais. Também serão
abordadas, de forma sucinta, algumas relações entre as referidas expressões gestuais e a
cultura brasileira, filiando tal perspectiva ao conceito de matriz religiosa brasileira, de
José Bittencourt Filho e à concepção de cultura de Clifford Geertz.

Referências

CROATTO, José Severino. As linguagens da experiência religiosa. São Paulo:
Paulinas, 2010.
CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. ed. 2, Bauru: EDUSC, 2002.
DURKHEIM. Émile. As formas elementares de Vida religiosa. São Paulo: Paulinas,
2008.
ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins
Fontes, 2008.
FATARELI, Uéslei. Influência da teologia da libertação em composições musicais
protestantes brasileiras. Cadernos CERU, s. 2, v. 19, n. 2, dez. 2008.
FRESTON, Paul. Protestantes e política no Brasil: da constituinte ao impeachment.
1993. (Tese). 1993. 304 f. (Tese) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Unicamp,
Campinas, 1993.
GEERTZ,Clifford.A interpretaçãodas Culturas.Riode Janeiro:LTC, 2008.
______.O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa.Petrópolis:Vozes,
2012.
GILBERTO, Antônio. Teologia Sistemática Pentecostal. Rio de Janeiro: Casa
Publicadora das Assembleias de Deus, 2008.
JAMBEIRO, Othon. A canção de massa: as condições da produção. São Paulo:
pioneira, 1975.
LARAIA, Roque de Barros. Cultura, um conceito antropológico. Rio de janeiro:
Zahar, 2013.
LOTMAN, Iuri M. La Semiosfera I: semiótica de la cultura y del texto. Valencia:
Frónesis, 1996.
______. Sobre o problema da tipologia da cultura. In: SCHNAIDERMAN, Boris.
(org.). Semiótica Russa. São Paulo: Perspectiva, 2010, (Debates), p. 31-42.
______. The universe of the mind: a semiotic theory of culture. (The second world).
London/New York: I. B. Tauris/CO. LTD Publishers, 1990.
MACHADO, Irene. Semiótica da Cultura e Semiosfera. São Paulo: Anna
Blume/Fapesp, 2007.
MARANHÃO Fº., Eduardo Meinberg de Albuquerque . Caia Babilônia: análise de
uma canção religiosa a partir do contexto, poética, música, performance e silêncio.
Revista Brasileira de História das Religiões, v. 13, p. 236-272, 2012.
MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil.
São Paulo: Loyola, 1999.
MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. In: ______. Sociologia e antropologia. São
Paulo: Cosac Naify, 2003, p. 399-422.
MENDONÇA, Antônio Gouvêa. O celeste porvir: a inserção do protestantismo no
Brasil. São Paulo: Aste/Ims-Edims, 1995.
NOGUEIRA, Paulo A.de S. Religião como texto: contribuições da semiótica da
cultura. In:______. (Org.). Linguagem da religião: desafios, métodos e conceitos
centrais. São Paulo: Paulinas, 2012, p. 13-30.
NOVAES, Regina Reyes. Los pentecostales: cultura y religiosidade popular. Medellin,
v 24, n 95, p. 489-509, 1998.
OTTO, Rudolf. O sagrado: os aspectos irracionais na noção do divino e sua relação com
o racional. Petrópolis: Vozes, 2007.
PASSOS, João Décio. Pentecostais: origens e começo. São Paulo: Paulinas, 2005.
PRANDI, Reginaldo. Música de fé, música de vida: a música sacra do candomblé e seu
transbordamento na cultura popular brasileira. In: Segredos guardados: orixás na alma
brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005, p. 175-187.
RABELO, Miriam. Rodando com o santo e queimando no Espírito: possessão e a
dinâmica de lugar no candomblé e pentecostalismo. Ciencias Sociales y
Religión/Ciências Sociais e Religião, n. 7, Porto Alegre, ano 7, p. 11-37, set., 2005.
RIVERA, Paulo Barrera. Festa, corpo e culto no pentecostalismo: notas para uma
antropologia do corpo no protestantismo latino-americano. In: NUMEN: Revista de
estudos e pesquisa da religião. Juiz de Fora, UFJF, v. 8, n. 2, p. 11-38, 2005.
ROLIM, Francisco Cartaxo. Pentecostais no Brasil: uma interpretação sócio-religiosa.
Petrópolis: Vozes, 1985.
SANCHIS,Pierre.A religiãodosbrasileiros. Horizonte,BeloHorizonte,v.1,n.2,jul.-dez., p.
28-43,1997.
______. O repto pentecostal à cultura católico-brasileira. In: ANTONIAZZI, Alberto
(Org.). Nem Anjos Nem Demônios: Interpretações Sociológicas do Pentecostalismo.
Petrópolis: Vozes, p. 34-63, 1994.
______. Religião e cultura brasileira. Cadernos CERU, São Paulo, s. 2, v. 19, n. 2, p.
71-92, 2008.
SILVA, Vagner Gonçalves da. Concepções religiosas afro-brasileiras e
neopentecostais: uma análise simbólica. São Paulo: Revista USP, n. 67, p. 150-175, set.-
nov., 2005.
______. Neopentecostalismo e religiões afro-brasileiras: significado do ataque aos
símbolos da herança religiosa africana no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: MANA,
13(1), p. 207-236, 2007.
______. Entre a gira de fé e Jesus de Nazaré: relações socioestruturais entre
neopentecostalismo e religiões afro-brasileiras. In: Ari Pedro Oro et al; ______. (Orgs.)
Intolerância Religiosa: impactos do neopentecostalismo no campo religioso afrobrasileiro. São Paulo: Edusp, 2007, p. 191-260.
______. Transes em trânsito – continuidades e rupturas entre neopentecostalismo e
religiões afro-brasileiras. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata. (Orgs.). As
religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2011, p. 207-228.
SANTOS, Valdivino R.. Manifestações Espirituais nas igrejas pentecostais: um
estudo psicossocial do transe através da música como mobilizadora de emoções. São
Paulo: USP (Tese de doutorado), 2002.
WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Companhia
das Letras, 2004.
WILLIAMS, J. Rodman. Teologia Sistemática: uma perspectiva pentecostal. São Paulo:
Vida, 2011.

Downloads

Como Citar

DE ALBUQUERQUE JÚNIOR, V. . Performance ritual como narrativa da experiência religiosa: um caso pentecostal . Sacrilegens , [S. l.], v. 12, n. 2, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/sacrilegens/article/view/26843. Acesso em: 11 abr. 2021.