Recuperação religiosa de presos: os (não) cristãos no método APAC de cumprimento de pena

  • Antonio Carlos da Rosa Silva Junior
Palavras-chave: APAC, Pluralismo religioso, ressocialização

Resumo

A religião como produto sócio-cultural é ideia corrente nos meios acadêmicos. Por isso,
embora inicialmente pensado para detentos católicos, o método APAC acabou se
abrindo a outras correntes religiosas, notadamente a protestante. Nesse contexto de
pluralismo, impende verificar a (im)possibilidade de outras religiões e denominações
cristãs se inserirem na instituição, bem como se, e em que medida, os atores se portam
diante do pluralismo.

Referências

CARRANZA, Brenda. Catolicismo em movimento. In: Religião e Sociedade, v. 24, n.
1. Rio de Janeiro: ISER, 2004.
DIAS, Camila Caldeira Nunes. Evangélicos no cárcere: representação de um papel
desacreditado, p. 39-55. Revista Debates do NER. Org.: BICCA, Alessandro, STEIL,
Carlos Alberto. Religião e prisão. UFCH/UFRGS. Programa de Pós-Graduação em
Antropologia Social. Ano 6, n. 8, jul./dez, 2005.
DIX, Steffen. Da crítica à sociologia da religião: uma viragem e seu impacto sóciocultural, p. 9-24. In: Revista Lusófona de Ciências da Religião, ano V, n. 9/10, 2006.
GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.
GUERRIERO, Silas. Há algo novo no campo das religiões: os novos movimentos
religiosos, p. 101-116. In: SILVA, Eliane Moura; BELLOTTI, Karina K.; CAMPOS,
Leonildo S. (Orgs). Religião e sociedade na América Latina. São Bernardo do Campo:
UMESP, 2010.
MADURO, Otto. O campo religioso como produto dos conflitos sociais. In: Religião e
luta de classes: quadro teórico para a análise de suas inter-relações na América
Latina. Trad. Clarêncio Neotti e Ephraim Ferreira Alves. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1983.
OTTOBONI, Mário. Meu Cristo, estou de volta! Pastoral carcerária aplicada no
revolucionário sistema APAC. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 1984.
_____. Seja solução, não vítima! Justiça Restaurativa, uma abordagem inovadora. São
Paulo: Cidade Nova, 2004.
_____. Vamos matar o criminoso? Método APAC. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2006.
SCHELIGA, Eva Lenita. Trajetórias religiosas e experiências prisionais: a conversão
em uma instituição penal, p. 75-85. Revista Comunicações do ISER, n. 61. Religiões e
Prisões. 2005.
VELÁSQUES FILHO, Prócoro. Deus como emoção: origens históricas e teológicas do
protestantismo evangelical. P. 81-109. In: MENDONÇA, Antônio Gouvêa;
VELÁSQUES FILHO, Prócoro. Introdução ao Protestantismo no Brasil. São Paulo:
Loyola, 1990.
Como Citar
DA ROSA SILVA JUNIOR, A. C. Recuperação religiosa de presos: os (não) cristãos no método APAC de cumprimento de pena. Sacrilegens , v. 11, n. 2, 11.