As transformações do traço religioso da caridade e as características que a permeiam na sociedade contemporânea dentro das diversas expressões religiosas

  • Rosana Castro de Luna Rezende
  • Claudilene Christina de Oliveira
Palavras-chave: Caridade, Catolicismo, Kardecismo, Umbanda, IURD

Resumo

Em meio às tendências individualistas da sociedade contemporânea, sobretudo a partir
da dinâmica que afeta alguns grupos religiosos, com suas estratégias para manter ou
adaptar sua abrangência, requer que se compreenda a trajetória religiosa do sentido da
caridade, no decorrer da história de diferentes tradições religiosas. Nesse processo, a
prática da caridade foi passando por profundas alterações e sendo ressemantizada pelas
interpenetrações, rupturas e diferenciações advindas da pluralidade religiosa brasileira e
das adaptações sociopolíticas de cada contexto. Este trabalho tem o objetivo de discutir
até que ponto a intenção proselitista pode ser uma perspectiva peculiar em cada grupo.
Para isso, o objeto de pesquisa estende-se à compreensão de como o ideal de caridade é
vivenciado pelos adeptos de quatro vertentes religiosas: catolicismo, kardecismo,
umbandismo e o neopentecostalismo, representado, aqui, pela Universal do Reino de
Deus. Para tal será feito um levantamento bibliográfico. A hipótese deste estudo é de
que, nessas práticas, a intenção sociopolítica subjaz à caridade desenvolvida pelas
variadas vertentes religiosas. Busca-se, com esse enfoque comparativo, delinear o
mapeamento de cada tipo de assistencialismo ou caridade.

Referências

AZEVEDO, Francisco F. dos Santos. Dicionário analógico da língua portuguesa:
ideias afins/thesaurus. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.
BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução Plinio Dentzien. Rio de Janeiro:
Zahar, 2001.
CARVALHO, Guilherme Vilela Ribeiro de. A missão integral na encruzilhada –
Reconsiderando a tensão no pensamento teológico de Lausanne. s/d. Federação Espírita
Brasileira, 1989.
GIUMBELLI, Emerson. Em nome da caridade: assistência social e religião nas
instituições espíritas. Rio de Janeiro: 1995.
GIBELLINI, Rosino; PENZO, Giorgio (Orgs.). Deus na filosofia do Século XX. São
Paulo: Loyola, 1998.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tadeu Tomaz a Silva,
Guaraciara Lopes Louro. 11ª Ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
HELLERN. Victor et al. O livro das Religiões. São Paulo: Cia. Das Letras, 2000.
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução por Salvador Gentille.
255a Edição. São Paulo: Instituto de Difusão Espírita, 1978.
_____. O que é o Espiritismo. 33ª Edição. São Paulo: Departamento Editorial da
Federação Espírita Brasileira, 1989.
_____. O Livro dos Espíritos. Tradução por Salvador Gentille. 69a Edição. São Paulo:
Instituto de Difusão Espírita, 1991.
_____. O Céu e o Inferno: A justiça Divina Segundo o Espiritismo. Tradução por
Salvador Gentille. 6ª Edição. São Paulo: Instituto de Difusão Espírita, 1994.
_____. Definições Espíritas. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Publicações Lachâtre Editora
Ltda, 1997.
_____. Viagem Espírita em 1862. Tradução por Wallace Leal V. Rodrigues. 3a Edição.
São Paulo: Casa Editora O Clarim, 2000.
MANUAL DE REDAÇÃO: Folha de S. Paulo, 17 ed. São Paulo: Publifolha, 2011.
NEGRÃO, Lísias Nogueira. Entre a Cruz e a Encruzilhada: Formação do Campo
Umbandista em São Paulo. São Paulo: Ed. USP, 1996.
PALMER, Martin, O’ BRIEN Joanne. O atlas das religiões: o mapeamento complexo
de todas as crenças. São Paulo: Publifolha, 2008.
TEIXEIRA, Faustino (Org.). Sociologia da Religião: enfoques teóricos. Petrópolis, RJ:
Vozes, 2011.
Como Citar
CASTRO DE LUNA REZENDE, R.; DE OLIVEIRA, C. C. As transformações do traço religioso da caridade e as características que a permeiam na sociedade contemporânea dentro das diversas expressões religiosas . Sacrilegens , v. 11, n. 2, 11.